quinta-feira, 11 de abril de 2024

12º Encontro dos Amigos da Canoagem

Por Leandro do Carmo

12º Encontro dos Amigos da Canoagem

Dia: 30/09/2023
Local: Itaocara
Participantes: Leandro do Carmo e Diversos




Vídeo

Vídeo de Drone


Relato

Estava de volta ao rio Paraíba do Sul e mais uma vez participando de um dos maiores eventos de canoagem do estado, quiçá do Brasil. Ter a oportunidade de remar o trecho do evento é um privilégio e não poderia desperdiçar a oportunidade.

Fui para Itaocara no ônibus da noite de quinta-feira, após o trabalho, na companhia do Jefferson. Dormi

Na noite de sexta para sábado, ficaríamos hospedados na Pousada 20V e fiquei aguardando meu pai, meu tio e meu filho chegarem de viagem. Eles sairiam de Niterói, na parte da tarde. Já no final do dia, aproveitamos para arrumar algumas coisas e separar o equipamento para o dia seguinte. Assim que todos chegaram, pudemos descansar e nos preparar. Ainda aguardava o Victor, que chegaria no ônibus da madrugada. Passei para ele os detalhes e só fui saber que tinha dado tudo certo, na manhã de sábado.

O sábado amanheceu nublado, mas o tempo estava firme, melhor do que o sol escaldante que havia aparecido nos dias anteriores. O rio Paraíba estava claro, com nível baixo, sendo normal para a época. Melhores condições, impossível. Como havia deixado tudo pronto na noite anterior, não tinha muita coisa para arrumar. A dona do hotel informou o quarto onde o Victor estava dormindo e o chamei, avisando que já iríamos tomar o café da manhã.

Pegamos o caminho até Porto Marinho ainda bem cedo, demos uma passada rápida onde a festa iria acontecer e de lá, seguimos para o Porto do Tuta, na Fazenda Paulo Gama, local do início da remada. Fomos um dos primeiros a chegar. Aos poucos, as pessoas foram chegando e o gramado ficou tomado de carros, caiaques e pessoas. Na hora da abertura, quando o Jefferson e o Pedro Oliva foram falar, contei, por alto, 121 canoístas reunidos. Um excelente número, o que mostra a qualidade do evento.

O tempo foi passando e foi hora de fazer o que mais queríamos: ir para a água. Nos arrumamos e levei o caiaque para a margem do rio e de lá comecei a dar as primeiras remadas. Estava bem à vontade e segui remando junto com as dezenas de canoístas. O dia estava bem agradável, o que deixava a remada bem fluída.

Rapidamente chegamos à corredeira do Urubu, o ponto alto do evento. Subi pela margem da direita, com o intuito de filmar algumas descidas com o drone. Aos poucos todos foram descendo e consegui capturar algumas imagens bem bonitas. Depois que a maioria desceu, rendendo boas linhas e também boas capotadas, foi hora de me preparar e enfrentar a corredeira. Arrumei as coisas e já dentro do caiaque vi que faltavam poucas pessoas. Ainda esperamos um pouco, pois tinha uma menina que estava esperando, mas para não atrasar a descida e obedecer ao chamado de que estava esperando, começamos a descer.

O Victor foi à frente e desceu sem nenhum problema. Desci logo em seguida. Nas primeiras remadas já me veio a lembrança do ano passado quando virei e tive um grande trabalho de tirar a água do caiaque. Dessa vez tinha que dá tudo certo. E deu! Desci seguindo a linha do fluxo de água mais forte. Venci o primeiro degrau e mais abaixo uma enorme onda. Em poucos segundos estava já ao final da corredeira comemorando a descida. Foi um alívio ter conseguido. Segui descendo e por conta do nível do rio, deu para tentar surfar uma onda em um refluxo.

Em pouco tempo chegamos ao Porto Marinho. Arrumamos os barcos e almoçamos um bom churrasco, antes de curtir o show da banda Beija Flor Noturno, que já acompanha o evento há anos. Aí foi seguir de volta à pousada e descansar, já pensando no próximo ano...











terça-feira, 9 de abril de 2024

Escalada no Tibau

Por Leandro do Carmo

Escalada no Tibau

Dia: 23/09/2023
Local: Tibau - Piratininga
Participantes: Leandro do Carmo e Diversos



Relato

Um mês após continuar uma conquista no Tibau, estava lá de volta. Agora já com mais vias conquistadas e setor batizado. Era hora de conferir o acesso, vias e graduações.

Era uma atividade do Clube Niteroiense de Montanhismo, que abri em conjunto com o Luis Avelar. Dia de calor, mas como nessa época do ano fica sombra na base e em parte das vias, nos encontramos as 12h, já próximos à entrada da trilha. Estacionamos os carros e seguimos pela rua, virando à direita e subindo uma estradinha de chão, até entrar no caminho das jaqueiras. Subimos por ela até o final, onde dobramos à direita, pegando a picada que nos leva até a base das vias.

Demos uma conferida nas opções e nas novidades e acabei fazendo cordada com o Higor. Como são vias curtas, tínhamos a opção de fazer várias. Iniciamos pela Segue o Velhinho e depois fizemos a Speedrun, todas com o crux em IV grau. As vias seguem bem constantes e bem protegidas. O visual é fantástico. Saímos dali e fomos para a Metamorfose, com uma saída forte e bem vertical, com um crux de VI. Olhando o lado esquerdo da base, parece que há vários cristais, mas chegando bem perto, nota-se que são uma espécie de teia, bem interessante. A via é dura, porém curta. É uma saída com pequenas agarras, onde domina-se um batente acima. Poucas passadas para passar o crux.

Depois, emendamos na Velório de Urubu, que fica à esquerda da Metamorfose, subindo por um trecho curto, porém instável. A via tem uma saída leve, entre a vegetação e logo acima, tem um degrau que é facilmente vencido. Dali, pega-se o crux numa passada para a esquerda e segue até a dupla, onde dá para montar o rapel.

O calor estava forte e fui para a última via, a Inonimável. Um 3º grau bem tranquilo, à esquerda da Segue o Velhinho. Subi rápido, sem muitos problemas e ainda pude acompanhar as outras cordadas de perto. O Luis aproveitou para fazer algumas imagens com o drone. Já na base, resolvi ir embora, ainda estava bem quente. Alguns ficaram e escalaram um pouco mais. Uma excelente tarde nesse novo setor que tem um potencial incrível!






quarta-feira, 3 de abril de 2024

Regata Aniversário ICB

Por Leandro do Carmo

Regata Aniversário ICB

Dia: 16/09/2023
Local: Niterói - RJ
Participantes: Leandro do Carmo, João do Carmo e Anita








----------------------------------------------

Arquivos da Regata


-----------------------------------------------

Relato

Essa regata estava marcada para o dia 09/09/2023, mas foi transferida para o dia 16/09. Combinamos de nos encontrar as 9h no PREVELA para poder arrumar os barcos. Depois de já ter participado de algumas regatas, não via mais problemas em montar o dingue. Descemos os barcos já deixamos tudo pronto para sairmos. Aproveitamos para fazer a inscrição na regata. O dia estava firme, apesar de não estar aquele sol forte. Foi dando a hora e colocamos os barcos na água, seguindo em direção ao Praia Clube São Francisco.

Saímos do PREVELA num vento razoável. Fomos numa boa empopada até atracarmos no cais do PCSF. Nem demoramos muito e já voltamos para a água. Tinha muito barco e de diversas classes. A regata seria do tipo “barla-sota”, que consiste de duas boias alinhadas na direção do vento, além de uma boia de largada. A largada ocorre em uma linha imaginária situada entre a boia de largada e o barco da comissão de regatas. Cada trecho a ser percorrido entre duas boias é chamado de perna. O barla-sota possui apenas pernas de contra-vento e de empopado.

Como já havia participado de uma regata com esse tipo de percurso no mês passado, ficou bem mais claro para mim o que fazer. Mas entre saber o que fazer e executar, o caminho é longo! De qualquer forma, ficamos dando uns bordos próximos ao barco da comissão de regata e, novamente, me enrolei na largada. Era muito barco e não estava muito à vontade de ficar lá no meio deles. Largamos um pouco depois, o que já nos deixou na desvantagem.

Seguimos na primeira perna em contravento. Com muita dificuldade chegamos e montamos a boia e de lá voltamos na empopada. Montamos novamente a boia em frente ao ICB seguimos na última perna de contravento. Essa segunda perna acabou sendo melhor que a primeira. Não sabia em qual posição estava, mas seguimos despreocupados. Muitos barcos cruzando a raia e acabei sendo atrapalhado na hora de montar a última boia. Perdi um pouco de tempo, mas nada que atrapalhasse muito. Dali, seguimos para a última perna, cruzando a linha de chegada sem muita emoção.

Assim que terminamos, voltamos direto para o PREVELA, novamente num contravento. Aproveitando para fazer um percurso maior e ganhar altura. De volta ao PREVELA, foi organizar o material e tentar contabilizar a posição. Um ótimo dia de aprendizado.







terça-feira, 26 de março de 2024

Parque Estadual Dos Três Picos - Dois Bicos

Dia: 09/03/2024

Local: Parque Estadual Dos Três Picos
Participantes: Leonardo Carmo e Marina Fernandes

Relato da Trilha Dois Bicos


Durante a semana estávamos pensando qual montanha iríamos subir no final de semana. A semana estava chuvosa e a previsão não era das melhores, mas estava dando uma janela sem chuva na parte da manhã até o início da tarde. Depois de analisar todas as variantes, resolvemos ir para Dois Bicos. 

Aquela região é simplesmente encantadora. Não me canso de ir lá. A Marina não conhecia e logo quando chegou ficou encantada e não queria mais sair de lá 😂.

Depois de tudo arrumado, partimos no sábado bem cedo. A ideia era começar a andar por volta das 8h e dar uma mergulho na cachoeira dos Frades antes da chuva.

E assim fizemos. Chegamos no Vale dos Frades um pouco antes do previsto. Deixamos o "Malvadão" em frente à antiga Delegacia. Optei por deixar ali. Assim a gente aproveitaria mais a caminhada visto que a trilha pra Dois Bicos não é longa.

A trilha, partindo da antiga delegacia tem aproximadamente 8 km ida e volta. Uma atividade pra metade de um dia, somente a trilha, andando num ritmo leve, contemplando todo aquele visual.

Começamos a nossa caminhada e logo na primeira porteira fomos recebidos por uns cachorros. Um deles não tinha uma perna, mas mesmo assim foi nos acompanhando até um certo trecho. Depois eles resolveram voltar e seguimos sozinhos.

O dia estava super agradável. Tempo nublado e sem sol. Fomos avançando e pulando as porteiras. Não tinha ninguém na trilha. Estávamos bem à vontade na atividade. Antes de chegarmos no trecho de pasto, vimos 3 escaladores indo pra base. Acho que eles estavam indo pra via "Castelo de Cartas". No trecho de pasto a gente agradeceu por estar nublado. Ali em época de calor é brabo. 

Continuamos subindo e entramos no trecho de vegetação fechada. A cada passo a gente ia torcendo pro tempo não fechar, só que não teve jeito. O tempo fechou bastante. Não dava pra ver quase nada, mas nada que tirasse a beleza do lugar. 

Ficamos no cume por uns 40 minutos e depois que a Marina se comunicou com os Deuses da natureza, o tempo deu uma clareada, mas fechou logo em seguida. Foi o suficiente pra gente curtir um pouco o visual. Depois de umas fotos e lanche, começamos a descer.

Na parte do pasto, a Marina resolveu descer descalça feito uma cabrita 😁. Terminando o pasto, voltamos pra "estradinha". Descemos bem tranquilos prestando atenção em cada detalhe possível. Quando chegamos na bela araucária, a Marina resolveu subir num bloco de pedra e dar uma relaxada. Eu aproveitei e embarquei nessa também. O clima estava tão gostoso que caímos no somo. Só acordamos quando o sol deu as caras e começou a sapecar o couro. Acho que ele só apareceu pra acordar a gente 😎. Ali ficamos ainda mais um pouco apreciando o lindo Vale das Sebastianas.

Depois da soneca, continuamos a descer e logo chegamos no "Malvadão". Fomos lá na fazenda, final do Vale, pra ver como estavam as coisas. De lá, voltamos e fomos direto pra cachoeira dos Frades. Afinal, o mergulho fazia parte da atividade.

Depois de um bom banho de rio, foi hora de pegar estrada e voltar pra casa. Um sábado que parecia que seria complicado de fazer alguma coisa por conta do tempo chuvoso, acabou sendo aproveitado com uma excelente atividade de montanha.

O acesso até a trilha principal se da por propriedade privada. Respeite as regras! 
Não tem ponto de capitação de água potável. Em dias de calor forte, o sol pode castigar bastante.

Procure estacionar na antiga delegacia pra não atrapalhar a passagens dos moradores.















terça-feira, 12 de março de 2024

Trilha do Carteiro - Tiradentes - MG

Por Leandro do Carmo

Trilha do Carteiro - Tiradentes - MG

Dia: 09/09/2023
Local: Tiradentes - MG
Participantes: Leandro do Carmo, João do Carmo e Antônio Jorge“Monstro”



Histórico da Trilha do Carteiro

Pelo seu aspecto geral, a Trilha do Carteiro foi planejada e construída com mão-de-obra escrava. Entre outras características apresenta encostas trabalhadas em pedra empilhada, pontes em pedra e passagens de madeira, o que revela a sua importância para a circulação de pessoas na época de sua construção. Pela rapidez com que se desenvolveram as vilas do ouro da época, a partir de 1700, sabe-se que São João del Rei e São José del Rei, por volta de 1730, já estavam bastantes desenvolvidas e eram pontos de comércio e trocas de mercadorias. Como o lado norte da Serra tinha várias fazendas para abastecimento das vilas, é provável que ela tenha sido construída neste período, com intuito de ligar esses locais pelo caminho mais curto.

A Trilha do Carteiro atravessa a parte mais baixa do maciço da Serra de São José, a 1200 metros e altitude. Em todo o seu percurso existem várias nascentes e alguns tipos de vegetação bem distintas, sendo a vegetação mais densa na parte baixa e a vegetação de altitude, já na parte alta.

Reza a lenda que havia um carteiro que - na condição de informante da Inconfidência Mineira – cruzava esta imponente Serra para levar correspondências, mas que terminou sendo morto numa emboscada armada por tropas da Coroa Portuguesa. No local onde supostamente esse carteiro foi morto, há uma pilha de pedras e uma cruz, na qual é chamada de túmulo. Os caminhantes que por ali passam, devem fazer um pedido e depositar uma pedra. O que a maioria das pessoas fazem é apenas um trecho de toda a trilha, mas que vale a pena!

Como chegar à Trilha do Carteiro

 O início da trilha fica ao final da rua Idilberto de Andrade, no centro de Tiradentes.

Vídeo da Trilha do Carteiro

Relato da Trilha do Carteiro

Depois de “turistar” pelos ruas e casarios antigos de São João del Rei e Tiradentes nos dias anteriores, faltava fazer uma das coisas que mais gosto: trilha! Existiam várias opções, mas a que se tornava viável era a famosa Trilha do Carteiro, na Serra de São José. Estávamos eu, meu filho João e o Jorginho. Era um desafio a parte, pois seria a primeira trilha com 10 km do João. Acho que daria conta!

Acordamos cedo, pois queríamos fazer a caminhada na parte mais fresca do dia. Já havíamos deixado tudo arrumado na noite anterior. Seguimos caminho até Tiradentes e nos encaminhamos pela rua que leva ao início da trilha. Já próximos, parei para perguntar e uma senhora confirmou o caminho. Andamos mais alguns metros e estacionamos o carro. De cara já foi possível ver uma placa indicando o início da trilha. Tudo bem organizado.



Iniciamos a caminhada em meio a bastante vegetação. Passamos por uma área alagada, mas devido a pouca chuva, estava tudo seco. Fomos ganhando altura lentamente e logo cruzamos uma cerca e pegamos mais uma leve subida. Olhando da cidade, a Serra de São José parecia tão distante, que era difícil acreditar que subiríamos por aquelas encostas. A medida que andávamos, ela se aproximava e era possível identificar o único caminho possível de subi-la, mas não conhecendo o caminho. Mais a frente, perdemos contato visual com a serra e passamos por mais uma placa informativa. Em poucos metros entrávamos no trecho do calçamento de pedras.

Esse calçamento construído pelos escravos me fez pensar o quanto o caminho já fora importante. Muito mais do que levar as cartas, esse caminho talvez tenha sido utilizado por tropeiros, levando mercadorias entre as vilas. O João estava indo bem e não reclamava. A partir desse ponto, ganhamos altura mais rapidamente, mas tudo tem seu preço. Passamos por uma porteira e uma gruta com a imagem de uma Santa. A vista que tínhamos desse ponto era algo surpreendente.

Um pouco mais acima, paramos em um fantástico mirante. Ali, fizemos nossa primeira pausa da caminhada. Aproveitei para fazer algumas imagens com o drone. Encontramos algumas pessoas que estavam subindo. Dali foi possível entender melhor o caminho que estávamos fazendo. Ficamos ali durante uns 15 minutos e voltamos a caminhar.Já estávamos bem próximos a passagem para a outra vertente. Andamos um pouco mais e entrávamos no trecho mais bonito do caminho até o momento. As rochas erodidas pareciam esculturas. As árvores do início davam lugares à pequenos e retorcidos arbustos. O solo era arenoso e em alguns pontos parecia aquela areia branca e fina das praias do Rio de Janeiro.



Começamos a descer e olhando o mapa do local, foi possível identificar a posição de algumas cachoeiras. Fomos atrás delas. De longe, identifiquei um amontoado de pedras com uma cruz, com certeza era o local conhecido como o “Túmulo do Carteiro”. Assim que chegamos nele, tratei de pegar uma pedra e coloca-la na imensa pilha, fazendo o meu pedido. Uma pequena pausa para fotos e continuamos descendo. Pegamos mais um trecho com calçamento de pedras. Reparei que esses calçamentos estavam sempre nos trechos mais suscetíveis a erosão. Já próximo dali, havia a marcação de uma cachoeira. Mas não ouvia barulho de água. Desci mais um pouco e passei do ponto. Voltei e fui procurando com mais atenção e achei uma discreta saída. Peguei-a e no fundo pequeno vale, corria um filete de água que descia até uma pequena piscina natural. Só ali que percebi que já estava na cachoeira! Só que cachoeira sem água...



Fiz um lanche rápido com o João e resolvemos voltar. Já estávamos na outra vertente da Serra. Na volta, fui procurando a entrada para a cachoeira do Carteiro e numa saída bem discreta, já próximo ao “Túmulo do Carteiro”, peguei uma leve descida. Já podia ver do alto uma pequena queda d’água. Aproveitei para tomar um banho e me refrescar um pouco, o calor já estava forte. Encontramos algumas pessoas que andavam pelo local, procurando a cachoeira. Não quis desanimar, mas falei que com o volume de água atual, não encontrariam nada.

Voltando a caminhada, subimos até o ponto das “esculturas de pedras” e optamos por ir até o “Mirante Central”. Como o calor já estava forte, fomos até uma área mais aberta onde havia uma pedra bem na borda, virada para Tiradentes. Mais uma daquelas vistas incríveis. Fiz mais algumas imagens com o drone e depois de um tempo descansando, iniciamos nossa descida. O calor já incomodava e descemos num bom ritmo, pois sabíamos que um pouco mais abaixo, teríamos sombra. O João seguiu firme na descida.

Já no carro, contabilizamos o quanto andamos e o GPS marcava 9,4 km, 4 horas 17 min e um desnível de 500 metros acumulado. Uma ótima caminhada, num dia bem agradável.















quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Trilha do Jequitibá e Cachoeira do Baú

Por Leandro do Carmo

Trilha do Jequitibá e Cachoeira do Baú

Dia: 07/09/2023
Local: Coronel Xavier Chaves - MG
Participantes: Leandro do Carmo, João do Carmo e Antônio Jorge



Relato

Depois de visitar São João del Rei na parte da manhã, voltamos para Coronel Xavier Chaves. Almoçamos e como tínhamos a parte da tarde livres, optamos por conhecer o Jequitibá. Cidade pequena do interior é assim: a gente contorna a praça, e anda 5 minutos e já está longe da civilização. E não foi diferente em Coronel Xavier Chaver! Atravessamos a praça da cidade e logo pegamos uma estradinha de terra. Passamos por baixo de uma grande ponte sob a estrada de ferro e seguimos até entrar em uma propriedade. Estávamos no caminho errado. Demos meia volta e depois de procurar um pouco, conseguimos nos localizar. O problema era que a estrada de terra estava sendo asfaltada e tivemos que fazer um logo desvio.

De volta a rota certa, seguimos até entrar num caminho mais fechado e subir, até estarmos no início da trilha. Estacionamos o carro, tendo cuidado para não fechar o caminho. Iniciamos a caminhada e logo passamos por um imenso cupinzeiro, o maior entre muitos que vi pelo caminho. Estávamos na linha de cumeada e caminhávamos bem abrigados do sol. Mais a frente, após cruzar uma porteira, conseguimos ver o imenso Jequitibá se destacando em meio ao pasto. O único sobrevivente.

Assim que nos aproximávamos a sensação de grandeza aumentava. De longe, a gente já sabe que é grande, mas de perto, ela toma proporções gigantescas. Sentamos à sua sombra e descansamos um pouco. Grandes troncos se estendiam em todas as direções, formando uma imensa copa. Aproveitei para fazer algumas imagens com o drone e pegamos o caminho de volta.

No caminho de volta, aproveitamos para conhecer Cachoeira do Baú. Estacionamos o carro na estrada principal e descemos por um caminho aberto, sem indicação alguma. Só que conhece, saberia que era ali. Mais próximo, comecei a ouvir o barulho da água. Cruzamos uma pequena ponte de madeira e começamos a andar na margem oposta, subindo o rio. No momento que cruzávamos uma porteira, começamos a ouvir um barulho de moto. Esperamos que todos passassem e seguimos andando. Mais acima, pegamos um caminho para a direita que nos levou ao topo da pequena, porém bonita, queda d’água. Ficamos ali durante um tempo, até que pegamos o caminho de volta. Já no carro, seguimos a estradinha até estarmos em casa novamente, fechando um dia fantástico!













terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Via O Discreto Charme da Burguesia

Por Leandro do Carmo

Via O Discreto Charme da Burguesia

Dia: 02/09/2023
Local: Humaitá - RJ
Participantes: Leandro do Carmo, Diego e Renata Hiraga














Vídeo da via O Discreto Charme da Burguesia


Relato da via O Discreto Charme da Burguesia

Mais uma aula de vias em aderência. Agora era o Curso Básico de Montanhismo 2023, do CNM. Já é o segundo curso na qual fazemos essa aula nas “Aderências da Viúva Lacerda”. O local acabou recebendo esse nome, devido a trilha se iniciar ao final da rua Viúva Lacerda, no Humaitá.

Chegamos lá bem cedo. O dia estava nublado. Havia chovido nos dias anteriores e chance de alguns trechos da escalada estarem molhados eram grandes. Entramos na trilha e tinha bastante água correndo pelo córrego da lateral. Subimos por um terreno bem molhado e logo estávamos na base. A parede estava seca, mas alguns pontos bem no alto nos preocupavam. Bom, não tinha outra alternativa a não ser subir e tentar.

Como já havia feito a via “Como Nascem os Anjos” na outra vez, acabei ficando com a via mais à direita, a “O Discreto Charme da Burguesia”. Segundo o Guia de Escalada da Floresta da Tijuca, uma via 3 estrelas. Nos arrumamos e dividimos as cordadas. Já pronto, saí para guiar a primeira cordada. Esse início foi bem tranquilo, subi rápido, parando já bem alto num esticão de quase 60 metros. A segunda enfiada passei cruzando um trecho bem úmido e escorregadio. Por sorte, a linha de umidade era bem estreita, facilitando passar de um lado ao outro. Passei por uma dupla e continuei subindo, parando numa segunda dupla acima, num corredor entre duas partes com vegetação.

A terceira seguiu mais fácil, iniciando em aderência e logo vindo trechos com sólidas agarras, mescladas com passadas em aderência. Acabei pulando um grampo, que ficou escondido perto de uns galhos. Mais acima, antes de um trecho mais vertical, fiz a terceira parada. A quarta enfiada foi curta, porém bem bonita. Já na parada dupla, olhando para cima, vimos água escorrendo, bem no local indicado como o crux da via. Se contornasse por baixo, acho que daria para fazer, mas optamos por terminar ali a escalada.

Ainda ficamos um tempo ali curtindo até iniciarmos o rapel e fecharmos a escalada. Boa escalada, num dia bem agradável.