sexta-feira, 25 de abril de 2014

Escalada em Niterói - Conquista da Via Golpe do Cartão

Por Leandro do Carmo

Via Golpe do Cartão – 2º III E2 D1 105 metros - DOWNLOAD DO CROQUI
Conquistadores: Leandro do Carmo, Leonardo Carmo, Marcelo Sá e Eny Hertz

Material utilizado: Corda de 60 metros e 6 costuras


Depois de ter conquistado a via Bruno Silva, existia ainda mais um local, bem à direita da via, após uma linha de vegetação que vai da base até um grande diedro, em forma de teto. Talvez um novo setor... Não tinha nenhuma informação, somente que era um setor verde, denominado de “Aderências da Serrinha”, dentro do plano de setorização do PESET. Tinha que ir lá para conferir.

A Eny havia me falado sobre a vontade de começar uma conquista só com as mulheres do CNM, mas ela ainda não tinha nenhum local em vista. Sugeri que fôssemos nesse lugar para darmos uma explorada. Quem sabe não seria ali... Aproveitei que estava de férias e marcamos uma investida durante a semana. Não tínhamos a mínima ideia de como chegaríamos e se chegaríamos a algum lugar!!! Conquistar não é só bater um grampo ou escolher a melhor linha na parede... Nesse caso tínhamos, também, que encontrar o melhor caminho, na verdade, abrir uma trilha. A nossa preocupação era que fizéssemos uma trilha que ficasse acessível e causasse o mínimo impacto.

Paramos o carro num recuo, na subida da serrinha de Itaipuaçú e descemos até uma gruta. Ali, vimos muito lixo e vestígios de que alguém frequentava o lugar. Fiquei até meio preocupado, pois ali, não tínhamos mais contato com a estrada. Seguimos caminho. Achei um passagem entre os blocos, subindo para a esquerda, onde saímos numa área mais aberta. Dali, fomos seguindo até que bem a ao fundo avistei a parede, estávamos no caminho certo. A base era relativamente limpa, identificada por um tucum. Dali, conseguimos identificar a linha de possíveis vias. Um grande achado!!!! Principalmente por se tratar de um local com acesso relativamente fácil...

Aproveitei para dar mais uma marcada na trilha e fazer alguns totens para orientar a próxima investida. Voltamos e conseguimos fazer o mesmo caminho da ida.

Alguns dias depois a Eny voltou lá com a Alessandra e limparam muito mais a trilha, deixando o caminho bem consolidado e sem dúvidas.

Foi feita uma terceira investida pela Eny e Alessandra para baterem o primeiro grampo de um projeto que começaram. Na quarta investida ao novo setor, fomos bem mais preparados e com um pelotão maior!!!!! Fomos eu, Leonardo Carmo, Marcelo, Alessandra, Eny, Ary e Alexandre. Eu e Leonardo, encontramos o Marcelo no posto de gasolina no Largo da Batalha e quando o Leonardo foi pagar a gasolina que ele colocou no carro, seu cartão não passou, ele me falou que eu tinha que passar o meu... Pronto! Levei o golpe do cartão!!!!! Ainda reclamei, mas não teve jeito.... fiz o pagamento!!!

Seguimos e paramos o carro no mesmo local da outra vez e refizemos a trilha. Chegamos até a base rapidamente, nos arrumamos e conversamos um pouco sobre o local. O Ary e o Alexandre ficaram dando um suporte à Alessandra e a Eny na conquista delas. Aproveitei para dar uma subida e dar uma reconhecida na área. Vi uma linha interessante bem a esquerda e sugeri que começássemos uma conquista ali. Deixei para o Leonardo Carmo iniciar a batida do primeiro grampo. O Marcelo foi acompanhando da base.

Batido o primeiro grampo, o Leonardo desceu e foi a vez do Marcelo subir e iniciar a batida do segundo. Seria a primeira vez dele e passei algumas orientações. Ele seguiu subindo e achou um bom lugar para se apoiar para bater o grampo. Na marreta é diferente. Demora mais. Com o sol forte que está em cima do Rio de Janeiro nesses últimas semanas, qualquer cinco minutos é uma eternidade. Até que foi bem para uma primeira vez. Depois de um tempo marretando, ele desescalou e eu subi para terminar o furo. Mais alguns minutos e coloquei o segundo grampo. Observei a possível linha dali para cima, mas teria que ficar para uma próxima... O calor estava forte!!!!!

Descemos e na base via que a Alessandra já estava colocando o terceiro grampo. As vias já estavam tomando forma e o local ganhado sua identidade! Bonito ver a galera marretando os grampos!!!!! Outros com a furadeira.... Muito bom!!!! Bem a direita, o Ary iniciou um projeto na linha que imaginei no primeiro dia que vim na parede. Essa vai ficar boa! Mas ficará para a próxima...

Na quarta investida, agora só eu, Leonardo e o Marcelo estávamos presente. O resto do pessoal não pode comparecer. Decidimos continuar a conquista daquela via a esquerda. Marcamos no posto de gasolina no largo da Batalha, já cheguei avisando que tinha esquecido meu cartão em casa!!! Não iria cair novamente no golpe do cartão!!!! rs.

Na trilha, percebi que já estava bem consolidada e não tinha como errar o caminho. Rapidamente, chegamos à base e já nos preparamos, coloquei todo o equipamento no baudrier, separei alguns grampos e deixei a mochila num canto. Comecei a subir. Fui primeiro para terminar a primeira enfiada. Costurei os dois primeiros grampos e segui mais para cima. Parei coloquei o terceiro grampo, subi mais um pouco e coloquei o quarto. Numa saída para a esquerda, acima de um buraco, no melhor lance até agora. O calor começou a apertar e rapidamente subi deixando o lance bem exposto, coloquei dois grampos para uma parada dupla. Já queria deixar a via pronta. O Leonardo veio e quando o Marcelo ia começar a escalar, lembrei que tinha deixado o resto dos grampos lá em baixo. Pedi para ele descer e pegá-los na mochila. Com todos na parada, perguntei quem gostaria de continuar a conquista. Como ninguém se manifestou, falei: “Já que ninguém vai, deixa comigo!”

Comecei a subir. Já tinha visualizado o local onde gostaria de colocar os próximos grampos. Nesse começo da segunda enfiada, a via perde um pouco de inclinação, coloquei os grampos um pouco mais espaçados. Fui subindo e aproveitei para colocar mais um grampo, antecedendo um lance com boas agarras, um pouco sujo mas bem bacana, acho que o ponto mais vertical da via.

Logo acima, o final da via. Da para seguir numa diagonal para a direita, mas não valia a pena. Escolhi o melhor lugar para furar e quando comecei, a furadeira foi perdendo rotação. A bateria tinha acabado! Fiz a parada numa árvore, na qual fazia uma sombra bem agradável. O Leonardo e o Marcelo subiram em seguida. Pensei até em fazer o furo na marreta, mas o calor estava tão forte que deixei para uma próxima investida. Agora ficaria faltando a parada dupla do fim da via e intermediar um lance na primeira enfiada.

A via estava conquistada!!! Faltavam apenas detalhes, mas detalhes são detalhes... rs. Voltei lá mais uma vez com a Eny. Bati os últimos grampos que faltavam e ainda duplicamos os pontos de rapel.

Mas e nome da via? Essa foi unanimidade. Depois do golpe do cartão que levei no posto de gasolina...

Até a próxima!

Fotos


Vista da última parada

Leonardo Carmo escalando

Marcelo Sá escalando

Leonardo Carmo dando seg para o Marcelo

Na hora do rapel

Na última parada

Ultima parada montada num pequena árvore

Eny no rapel

Leonardo dando seg na base para o Marcelo Sá

Marcelo Sá indo para o segundo grampo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui.