quarta-feira, 26 de junho de 2019

Travessia da Serra Fina - 3 Dias

Por Leandro do Carmo

Dia: 19/04/2019 a 21/04/2019

Participantes: Leandro do Carmo, Marcelo Correa, Marcos Lima, Samantha Rocha, Stephanie Maia, Rafael Raria, Blanco P. Blanco, Vander Silva, José Antônio e Flávia Figueiredo


Vídeo da Travessia Serra Fina - 3 Dias





Relato da Travessia da Serra Fina - 3 Dias

Fazer a Serra Fina em três dias passou a ser uma questão de honra. Em 2018, nesse mesmo período, tentei fazer a travessia, também em 3 dias, mas pegamos um tempo bem ruim e resolvemos voltar do Capim Amarelo. Mas dessa vez foi diferente. Pegamos 3 dias fantásticos. Sem nenhuma nuvem no céu! Estávamos com um grupo de 10 pessoas e todas concluíram a travessia.

Tudo começou com o Vander lançando o desafio, isso com alguns meses de antecedência... Criamos um grupo no WhatsApp e ao longo dos meses, alguns entraram e alguns saíram... No final das contas, fechamos o grupo com 10. Foram muitas trocas de mensagens e até reunião presencial para acertar os detalhes. Depois de idas e vindas fechamos o seguinte:

Dia 18: Chegada ao Hostel Picus
Dia 19: Saída do Hostel as 3h e início da travessia as 5h
Dia 21: Término da Travessia e volta


Partiríamos para fazer em três dias, com o primeiro pernoite na base da Pedra da Mina e o segundo, na base do Pico dos Três Estados. Assim nos organizamos. Arrumar a mochila e escolher o que levar, sempre foi o maior desafio. Ainda mais para a Serra Fina, qualquer coisa a mais, significaria mais peso para carregar. Mas dessa vez, optei por não levar nada extra, nem comida, nem roupa. Era tudo para uso e pronto. Aproveitamos também para organizarmos a divisão das barracas, afinal de contas não seria necessário cada um levar sua barraca... Eu dividiria com o Blanco, no caso, ele levaria a barraca e eu levaria o fogareiro e panelas.

Os dias foram passando faltando 1 semana, já dava para conferir a previsão do tempo. Pelas fotos de satélite, já dava para ver que teríamos tempo bom. Faltando dois dias, a previsão era a melhor possível. Não havia possibilidade de chuva.

Enfim, havia chegado o dia. Partimos em direção ao HostelPicus na quinta feira, por volta das 14:00. Ainda pegamos um pouco de trânsito na Linha Vermelha, mas no geral a viagem foi tranquila. Chegamos ao HostelPicus e fomos muito bem recebidos pela Tatá e pelo Felipe. Depois de um bom descanso, preparei minha janta e fui dormir, afinal de contas o dia seguinte seria longo...

Nossa previsão de saída era as 3 horas da manhã, com previsão de início da travessia as 5h. As duas, todos estavam de pé e fomos tomar um belo café da manhã. Todos prontos, era esperar nosso transporte. Veio uma informação meio desencontrada de que o transporte que nos levaria, havia acabado de sair para levar outro grupo... Pensei: “Pronto, agora toda a logística que havíamos pensado foi pelo ralo...” Isso me desanimou, deitei num crashpad e tirei um cochilo. Mas na hora combinada, a Kombi chegou. Graças a Deus!!!!!!!!

Já no caminho para Passa Quatro, olhei pela janela e o tempo continuava ótimo, nem sinal de nuvens. Seria a travessia perfeita!

Relato do 1º Dia da Travessia Serra Fina

Chegamos ao Refúgio Serra Fina por volta das 5 h, o horário na qual havíamos combinado. Nos preparamos e posamos para a foto oficial de partida! As 5:15h iniciamos a caminhada. Estava escuro e o caminho estava bem aberto. Estava bem mais limpo que da última vez. Na bifurcação, pegamos o caminho da esquerda até chegarmos à Toca do Lobo. Grupo unido. Ali começava o desafio.

Atravessamos o rio e iniciamos a subida. Para mim, o início é mais difícil, o corpo ainda está se adaptando. Então comecei mais lento até estar bem aquecido. Logo que saímos da parte fechada, entramos na crista e já dava para ver uma cidade bem iluminada ao fundo. A lua estava um espetáculo. Passamos por alguns grupos o local conhecido como Quartzito, captamos água para o dia. Nessa nossa logística de fazer a travessia em 3 dias, terminaríamos o primeiro dia com água. Aproveitei para tomar bastante água, o que me deixaria um pouco mais confortável em carregar menos, o que equivale a menos peso também... No local encontramos alguns amigos. Muito bom ver o astral da galera!

Com as garrafas abastecidas, reiniciamos a subida. Nosso primeiro objetivo do dia era o Capim Amarelo. Mais acima o primeiro cume relevante e um dos trechos mais bonitos de toda a travessia. Aquela crista é algo fantástico! Não dava para continuar sem uma foto, na verdade, sem várias fotos... Na última vez que tentamos fazer a travessia, as condições do clima estavam tão adversas, que nesse ponto já foi difícil... Era muito vento e chuva. Mas hoje, o dia estava espetacular. A lua quase se escondendo deu um espetáculo a parte.

Dali, continuamos nossa subida. Após a crista, mais uma subida. Já no alto, fizemos uma pausa para o lanche, contamos algumas histórias e seguimos caminhando. Mais acima, o trecho mais difícil dessa primeira parte. Uma sequência forte de subida, onde existem algumas escadas de corda e madeira e algumas cordas fixas. Sem elas, ficaria difícil. Tinha muita lama. Vencido o trecho, alguns bem expostos, cheguei ao cume do Capim Amarelo. Fiz num tempo excelente. Aos poucos todos foram chegando e finalmente estávamos todos reunidos. Assinei o livro de cume e ainda dei uma volta pelos pontos, relembrando as últimas vezes que estive lá, isso em 2015 e 2018.

Depois de um lanche reforçado e várias fotos, era hora de seguir caminhando. Afinal de contas, ainda tínhamos muito caminho pela frente. Começamos a descer o Capim Amarelo e acabamos pegando um caminho errado, apesar de estar bem marcado. Percebi uma descida bem íngreme e exposta. Quando conferi o GPS, vi que estávamos bem fora do traçado. Demos meia volta e seguimos até o caminho correto. De volta ao traçado normal, continuamos a descida. Caminhamos por trechos bem fechados. Como é início da temporada, havia muita vegetação nas bordas da trilha, em certos pontos se enroscavam na mochila. A descida foi dura e chegar ao Maracanã, um grande ponto de acampamento, foi um alívio. O sol estava forte e fizemos mais uma parada longa. Foi difícil conseguir uma sombra. Mas todos se ajeitaram. Fiz minha conta para a água. A partir desse ponto, pegaríamos algumas subidas fortes.

Já era hora de andar. Pegamos as mochilas e pé na trilha! Passamos por um ponto onde dizer haver água, um pouco depois do Maracanã e antes de uma subida. Dali fomos devagar até vencer essa subida. O sol continuava castigando. Uma parte do grupo adiantou e outra ficou um pouco mais para trás. Dali, podíamos ver o quanto a descida do Capim Amarelo é forte. Mas não tínhamos muito tempo para olhar para trás, tínhamos que seguir em frente. Com um pouco mais de subida chegávamos ao Melano e uma sequências de cristas e cumes. Nesse ponto o grupo separou de vez. As fortes subidas foram cobrando seu preço individualmente. Não fazia sentido todos ficarem juntos. Assim como na primeira vez que fiz a Serra Fina, o grupo mais rápido foi à frente, para poder arrumar um bom lugar para montar as barracas.  Acabei ficando no meio. Assim acompanhava os dois grupos de longe. Desse ponto, conseguia ver a Cachoeira Vermelha, parecia que era logo ali... Mas enganava.

Depois de vencidas as cristas, vem um pequeno charco, onde passei com certa dificuldade, pois não queria afundar na lama... Nesse ponto encontrei com o Antônio e paramos num lajeado até poder juntar o grupo que vinha atrás. Demoraram um pouco. Olhei para a minha garrafa de água e só tinha mais um gole. Assim que eles chegaram, perguntei para o Antônio se ele poderia ficar para o apoio, queria adiantar, visto que minha água acabara.

Coloquei meu último gole de água na boca e comecei a dar. Parecia que era só contornar mais um morro e logo estaria lá... Mas não foi tão fácil assim. Estava sozinho  e pude apertar o passo. Dali até o acampamento foram alguns longos minutos. Quando Cheguei, já tinha parte do acampamento montado. Poucos espaços disponíveis. O local onde resolvemos acampar não era dos melhores, mas pela quantidade de gente que estava na frente, era melhor ficar ali. Pelo menos tinha água. Deixei a mochila e fui logo pegar água. Lá aproveitei para tomar um “meio banho”. Voltando ao local do acampamento, descansei um pouco antes de organizar as coisas.

Aos poucos, todos foram chegando. O local não era dos melhores, mas tínhamos o receio de avançar e não encontrar local disponível. O tempo foi passando e não parava de chegar gente. Não tinha mais espaço vazio. Os que chegavam, olhavam e continuavam a caminhada. Preparei minha janta e dividi com o Rafael. A noite foi chegando e com ela o frio. A lua apareceu triunfante por de trás da Pedra da Mina. Ainda ficamos conversando um pouco, até que o cansaço bateu com força. O primeiro dia bem mais longo cobra seu preço. Fomos dormir cedo e acertamos de sair às 7h da manhã.

Relato do 2º Dia da Travessia Serra Fina


Eram 5:30 e despertador tocou. A noite foi fria... O termômetro marcava -1,8°C. Ainda fiquei uns 15 minutos curtindo uma preguiça. O movimento nas outras barracas já havia começado. Saí da barraca, pois havia muita coisa para arrumar. Fui em cada barraca, avisando do horário. Quando olhei a caneca que havia deixado do lado de fora, percebi que a água havia congelado. Agora tinha certeza do frio que havia feito. Na barraca do Marcelo, ficou uma leve camada de gelo. Embaixo da minha também. O punho dos bastões de caminhada do Vander estavam congelados. A manhã estava linda. Completamente aberta e sem nuvens, esse era o motivo de tanto frio.

Preparei um café e comi algo. Já um pouco mais aquecido, fui organizar minha mochila. Deixei tudo pronto. Deixei para pegar água no próximo ponto, onde atravessaríamos o rio. Saímos quase no horário, eram 7h30min. Já conseguíamos ver algumas pessoas subindo a Pedra da Mina. Comecei a caminhada ainda sonolento e de lá seguimos subindo um pouco até descer em direção à travessia do rio. Cruzamo-lo e passamos por uma boa área de acampamento, a que eu previa parar... Dali, andamos mais um pouco e iniciamos a subida da Pedra da Mina.

Fazer esse trecho descansado faz a diferença. Rapidamente chegamos aos grandes totens que antecedem o cume. A vista estava surpreendente. Na vez que fui, estava muito fechado e não tinha ideia de como era. Passei pelo livro de cume deixei meu nome no 4º ponto mais alto do país.  Dali, pude ter uma noção de onde havia acampado da última vez. Haviam algumas barracas mais embaixo e um grupo voltando pela trilha do Paiolinho. Fizemos nossa primeira parada. A vista estava fantástica. O vento soprava forte, coloquei o anorak e sentei para comer alguma coisa. A vista do vale do Ruah era impressionante. Na verdade, tudo era impressionante. Fizemos algumas fotos e começamos a nos preparar para a descida.

Iniciamos a descida pelo lado oposto ao que chegamos. Existem alguns totens pelo caminho. É uma descida por um misto de laje e pedras soltas. Lá pela metade do caminho, eu e o Marcelo acompanhamos dois grupos que atravessavam o primeiro trecho do Vale do Ruah. Nossa ideia era tentar fazer o caminho menos molhado... Pegamos algumas referências e continuamos descendo. Já na base, esperamos o grupo se reunir novamente. Com todos juntos, começamos a andar. O Vale do Ruah é um imenso charco, com grandes tufos de capim de anta. É cortado por diversos córregos e se unem, formando o leito do Rio Claro.

O trecho inicial é o mais molhado do caminho. Pensei que estivesse pior, mas foi relativamente tranquilo passar. Rapidamente cruzamos o charco e passamos a caminhar a margem do Rio Claro. Mais a frente, fizemos nossa segunda parada do dia. Ali deveríamos pegar água para resto do dia e para o dia seguinte. Fiz mais um lanche reforçado e bebi o quanto pude de água. Assim, daria para beber menos água durante o dia, o que resultaria em menos peso para carregar. Reiniciamos a caminhada e continuamos na margem do rio. Mais a frente, começamos a subir. Nesse ponto, demos adeus a água... Só teríamos água, já na parte final da descida do dia seguinte...

Começamos a subir novamente e já no cume do primeiro morro, fizemos uma rápida parada. Dali, seguimos para um sobe e desce, já vendo parte do nosso destino à esquerda. Cruzamos uma sequência de cristas num interminável sobe e desce, até chegar ao nosso local de acampamento do dia. Logo na entrada do bambuzal, arrumamos um local bem amplo, onde daria para armar todas as barracas. Deixei a mochila e andei um pouco até ver se teria outro local, mas já estava tudo ocupado. Descansei um pouco. Havíamos chegado bem, era 14:30 e já estávamos com acampamento armado. Aos poucos todos foram chegando.

Todas as barracas foram bem acomodadas. Era hora de comer alguma coisa. Preparei um café que desceu redondamente bem. Aproveitei os últimos minutos de sol e subi um pouco até onde ele ainda batia. Já estava fazendo um frio e logo desci para o acampamento. Preparei minha janta. Ainda estava claro. Foi arrumar um local para descansar e esperar o tempo passar. Ficamos batendo um papo super agradável até a noite chegar com força. Decidimos a hora de sair e fui para a barraca descansar.

Relato do 3º Dia da Travessia Serra Fina

Acordei as 4h45min. Ainda estava bem escuro. A noite foi fria, mas não tanto quanto a anterior. O termômetro marcava 4,2°C. Preparei um café para despertar e fui de barraca em barraca acordando o pessoal. Acho que todos já tinham acordado, mas não tinham saído das barracas. O Dia foi clareando. Uma pena não poder ver o sol nascer. De onde estávamos, não conseguíamos ver nada. As 6h30min, estávamos todos prontos e começamos a caminhar rumo ao nosso primeiro objetivo do dia: o Pico dos Três Estados.

Logo de cara, pegamos uma forte subida com alguns trechos bem molhados. Todo cuidado era pouco. No dia anterior, vi uma pessoa caindo, justamente nesse trecho. Com bastante cuidado, subimos e seguimos andando. Fizemos uma pequena pausa para o complemento do café e de lá continuamos subindo. Passamos por um sobe e desce até chegarmos ao cume. Tinham várias barracas. Dificilmente conseguiríamos um local para dormir lá. Paramos para a tradicional foto no grande totem. Mais uma pausa merecida antes do ataque final ao Alto dos Ivos.

Depois do merecido descanso, iniciamos a descida e já podíamos ver o Bandeirante, com mais uma subida exposta. Passamos bem devagar e do alto, descemos até o colo entre o Bandeirante e o Alto dos Ivos. Dali, demos o ataque final à última subida da travessia. A subida foi dura e os dois dias de caminhada cobraram seu preço. Mas estávamos no final e isso deu um gás. Com alguns minutos de subida estávamos no Alto dos Ivos.

No Alto dos Ivos, fizemos mais uma parada. Comemos um pouco e conversando com algumas pessoas que faziam a travessia, conseguimos uma carona. Mas para isso, teríamos que acompanhar o ritmo deles... Propus-me a acompanhá-los. Dali em diante seria só descida. Nesse ponto, estávamos eu, a Samantha e o Marcelo. Começamos a descida num ritmo bom. Ainda passamos alguns grupos na descida e logo chegamos ao último ponto de água. Ali, foi só beber um pouco e deixar a garrafa pela metade... Já estávamos próximo ao nosso destino.

Continuamos a descida, agora por uma estradinha com muito mato em volta. Poucos minutos depois, estávamos no Sítio do Pierre. Dali continuamos descendo até chegar à ultima casa antes do asfalto. Quando olhei de longe, vi uma prateleira com algumas latas de cerveja, água e refrigerante. Não pensei duas vezes, me dá uma coca cola! Arrumamos uma carona até o Hostel Picus.


















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui.