terça-feira, 27 de novembro de 2018

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Trilha da Pedra da Gávea

Por Leandro do Carmo

Trilha da Pedra da Gávea


Local: Rio de Janeiro – Parque Nacional da Tijuca
Data: 07/09/2017
Participantes: Leandro do Carmo, Ricardo Bemvindo, Daniel Carvalho, Tatiana Freitas, Marcelo Kohatsu e José Lisboa.



Relato da Trilha da Pedra da Gávea


Quando fui a primeira vez na Pedra da Gávea, havia sido para escalar. Na ocasião, fiz a Travessia dos Olhos. Dessa vez subiria pela trilha normal. Uns amigos do trabalho queriam fazer uma trilha, eu sugeri a Pedra da Gávea. Apesar das dificuldades e obstáculos e de não ser nada aconselhável para pessoas inexperientes, resolvemos encarar o desafio. A semana havia sido de forte calor, com isso, marcamos bem cedo. Às 6 da manhã já estava passando pela Glória. Às 7 horas, chegávamos à Barrinha, onde encontramos o último que viria direto da Tijuca. Dali seguimos de carro até a Praça Professor Velho da Silva, onde estacionamos o carro. Dali, seguiríamos à pé. Existia a possibilidade de seguir subindo pela Estrada Sorimã, mas como poderia não ter mais vaga para estacionar, achei melhor estacionar um pouco mais distante. Afinal de contas, seriam apenas 500m a mais.

Começamos a subida e logo chegamos à portaria do parque. Mas antes de entrarmos literalmente na trilha, fizemos a tradicional foto. Dali fomos subindo, sempre num papo bem agradável. O início é bem bacana e passamos por vestígios de antigas construções. Mais acima, vimos a entrada para a pequena cachoeira. Por enquanto a subida estava suave, mas veio um trecho bem íngreme. Eu estava bem tranquilo, mas os que não estavam muito acostumados, começaram a sentir. Apesar do calor, não estava sol. Haviam muitas nuvens, mas por enquanto, isso não seria o problema. Passamos por vários trechos mais técnicos até chegarmos ao local conhecido como Praça da Bandeira.

Aproveitamos para descansar e fazer um lanche, além de beber bastante água. Ainda tínhamos um
boa subida pela frente, além do trecho mais difícil da subida, a famosa “Carrasqueira”. Depois de recarregadas as baterias, voltamos a caminhar. Aproveitamos para fazer uma foto num mirante bem bonito, onde temos uma vista impressionante para o “rosto do imperador”. Ali, podemos ver claramente o formato de rosto, parecendo ter sido esculpido. Daí, as inúmeras teorias de que a Pedra da Gávea é a prova de que os fenícios haviam passado por aqui há milhares de anos. Bom, a única verdade garantida, era que tínhamos que continuar a subida. Ainda bem que haviam nuvens. Senão, já teríamos problemas com o calor.

Como não chovia há muito tempo, estava bastante seco e o caminho a partir dali escorregava muito. Mais um pouco de subida e chegamos à Carrasqueira. Estava cheio. Ou melhor dizendo, extremamente cheio. Uma confusão. Gente subindo, gente descendo, gente vendendo rapel, gente chorando, um caos! Havia conversado com amigos que falaram: “Você é louco de ir na Pedra da Gávea em um feriado!”. Achei que fosse exagero, mas não, eles estavam certos. A galera ficou um pouco preocupada. Subimos até onde dava. Uma hora, parou tudo. Ninguém mais se entendia... Uns querendo descer, outros, subir. Como estava com uma corda, subi pelo lado e fixei-a num grampo, o que ajudou a galera subir. Acabei deixando a corda lá para pegar na volta, assim acho que ajudaria a diminuir a confusão.

A vista que tínhamos da Barra da Tijuca era fantástica. Claro que paramos para uma foto! Continuamos a subida e passamos pelo portal, uma curiosa formação rochosa em uma forma perfeita de uma grande porta. O trecho ali está bem erodido. Com cuidado vencemos mais esse obstáculo. Andamos mais um pouco até a subida final. Subimos por um amontoado de raízes expostas, até alcançar o cume. Fomos caminhando até o mirante voltado para a Zona Sul do Rio. Descansamos bem. Bebemos água, lanchamos e tiramos diversas fotos. O dia estava perfeito. O sol chegou meio tímido e foi ganhando força. A hora foi avançando e resolvemos voltar, afinal de contas havíamos concluído apenas metade do caminho.

Começamos a descida e os sinais de cansaço começaram a aparecer para os que não estavam tão acostumados. Mas mesmo assim, seguimos descendo, não tinha jeito. De volta à Carrasqueira, o que eu achava que estava ruim, havia piorado. Muito mais gente aguardava para subir e muitas, ainda para descer. Devagar, fui passando pelo lado e alguns desceram com o auxílio da corda. Montei um rapel assistido para um amigo e descemos juntos até a base. Não queríamos perder tempo. Subi novamente para retirar a minha corda e fiquei até com pena das pessoas que estavam ali. Um cara me implorou para deixa-lo usar a corda e descer com a namorada dele. Não tinha como recusar... Mas também não poderia ficar ali o dia inteiro. Assim que ele chegou até embaixo, desfiz o nó e desci.

Ainda bem que começamos bem cedo a caminhada. Quanto mais o tempo passa, mais gente vai chegando e se aglomerando. Seguimos descendo até chegar à portaria, onde batemos a foto do final da atividade. Todos cansados, porém felizes! Fomos direto até a padaria e fizemos um lanche reforçado. Pegamos o carro e enfrentamos o pesado trânsito de um dia de sol no Rio de Janeiro. Acho que demorei mais tempo para chegar em casa, do que para subir e descer. Mas depois de um dia como esse, não havia motivo para aborrecimento.... Era só curtir as lembranças!

Pedra da Gávea
Visual

Pedra da Gávea
Galera contemplando o visual

Pedra Bonita
Pedra Bonita lotada

Pedra da Gávea
Visual no cume

Pedra da Gávea
Já no cume

Pedra da Gávea

Pedra da Gávea
Início da caminhada

Pedra da Gávea
Na subida, a foto clássica!

Pedra da Gávea
São Conrado embaixo