sábado, 25 de julho de 2015

4 Dias na Dura Travessia da Serra Fina

Por Leandro do Carmo 

A Serra Fina, que faz parte da Serra da Mantiqueira, é um conjunto de montanhas, com muitos picos de acima de 2.000 metros de altitude. Está localizada na divisa de três estados: Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, entre o Parque Nacional de Itatiaia e o maciço Itaguaré-Marins.

O montanhismo da região nasceu no Maciço do Itatiaia, de onde veio a ser criado o primeiro Parque Nacional do Brasil, o Parque Nacional do Itatiaia. Sua fundação, data de junho de 1937. Mas foi bem mais tarde, em julho de 1955, que o cume da Pedra da Mina foi conquistado, a partir do bairro rural de Paiolinho, em Passa Quatro-MG. Por muito tempo, o Pico das Agulhas Negras foi tido como o 4º ponto mais alto do país, porém, de acordo com o anuário estatístico do IBGE – 2011, oriundo do projeto Pontos Culminante, a Pedra da Mina, agora figura como o 4º, tendo 2.798 m, 7 metros a mais que o Pico das Agulhas Negras.

Somente nos anos 80, que a interligação das cristas das serras nos arredores da Pedra da Mina foi realizada, dando origem à Travessia da Serra Fina. Rapidamente tornou-se destaque do montanhismo no Brasil. De nível pesado, possui um dos maiores desníveis topográficos do território brasileiro (acima de 2.000m). Esta travessia é considerada uma das mais exigentes, belas e impressionantes do País. Além da Pedra da Mina, há outros picos altos que formam esta serra, tendo como os principais: o Capim Amarelo com 2.491m e o Três Estados com 2.656m.




Participantes: Leandro do Carmo, Michael Patrick, Paulo Guerra, Felipe Lima, Ary Carlos, Vinícius Araújo, Patrícia Gregory e Andréa Vivas.

Dicas:

A primeira dica que dou é que NÃO CONTRATEM O SR. EDINHO PARA O RESGATE. Ele deixou vários grupos na mão, inclusive o nosso e não cumpriu o horário para levar e muito menos o de buscar. Se quiserem arriscar...

Se não estiver muito bem condicionado fisicamente, nem pense em fazer. A travessia é forte e há grandes desníveis durante todo o percurso.

Pontos de água utilizados:

1º dia – No início, no local conhecido Toca do Lobo, porém mais acima, no Quartzito, tem um, o que faz economizar peso no trecho inicial;

2º dia – Cachoeira Vermelha, mas o melhor ponto é onde cruza o Rio Claro para ir à base da Pedra da Mina; ouvi dizer que tem água logo após o Maracanã, o ponto de acampamento, numa saída à esquerda, mas não fui lá conferir; achamos água um pouco abaixo do cume da Pedra da Mina, no local onde acampamos, mas não posso confirmar se tem sempre, foi a melhor água da travessia;

3º dia – Rio Verde, no Vale do Ruah, com 1h30min de caminhada;

4º dia – No final da travessia.

Pontos de acampamento utilizados:

1ª noite –  Cume do Capim Amarelo (Outros pontos: no meio da subida do Capim Amarelo; Após o cume, existem pequenos pontos ao longo da trilha; no Maracanã, 1h30min depois do cume;

2ª noite – Após o cume da Pedra da Mina (Outros pontos: antes da subida da Pedra da Mina; no cume e arredores da Pedra da Mina; no começo do Vale do Ruah; vários pontos entre a Mina e os Três Estados)

3ª noite - Base da subida do Pico dos Três Estados, em um bambuzal (há local de acampamento no cume dos Três Estados, mas se estiver cheio terá que descer; existem alguns pontos após o cume)


Relato

Tínhamos programado de fazer a travessia da Serra Fina a quase 1 ano. E devido a quantidade de dias, 4 no total, só daria para fazer no feriado de Corpus Christi. Por ser muito pesada e técnica, não queríamos um grupo muito grande. Resolvemos fechar nosso grupo em 8 pessoas. Com o grupo definido, começamos a organizar a logística. Eram muitas as opções, mas resolvemos sair de Niterói, em direção à Passa Quatro, na quarta feira à noite e combinamos de dormir na casa do Sr. Edinho (responsável por nos levar ao começo e fazer o nosso resgate ao final da trilha), assim poderíamos acordar bem cedo e seguir para o começo da travessia.

Chegamos à Passa Quatro por volta das 22:00 e encontramos, por sorte, o Sr. Edinho em um posto de gasolina. Fomos até a casa dele e já começamos a perceber o quanto o Sr. Edinho é enrolado. Não parava de chegar gente e ele já havia dado algumas viagens, levando vários grupos. Até aí tudo bem, pois só sairíamos de manhã cedo. Marcamos às 7 horas. Queríamos começar com o dia claro para poder apreciar a bela vista.

1º Dia – Da Toca do Lobo ao Cume do Capim Amarelo


Acordamos cedo conforme programado e para nossa surpresa já tinha um grupo na caminhonete do Edinho pronto para sair e ficamos por último, mesmo tendo combinado com antecedência. Acho que o Sr. Edinho não tem noção da responsabilidade que tem. Quando combinamos um horário, é por que fizemos uma programação em cima disso e um atraso de 2 horas, pode comprometer bastante o dia. Com todos esses problemas, acabamos entrando na trilha às 10 horas da manhã. Acho que fomos o último grupo a começar a travessia.

Chegamos a uma propriedade que fica logo após o Refúgio Serra Fina e dali, seguimos uma péssima estradinha até a Toca do Lobo, que é uma pequena gruta à esquerda, à margem de um córrego. Ali tínhamos a informação de que seria o ponto de coleta de água do dia, depois dali, só um pouco antes da base da Pedra da Mina, no segundo dia (Tem água mais acima, no Quartzito). Cada um foi enchendo suas garrafas e eu optei por levar 3 litros e o Ary teve que levar 1L para mim, pois havia esquecido sua garrafa. Aproveitei para beber quase 1L d’água, assim garantiria menos consumo nesse primeiro dia. Minha mochila pesava algo em torno dos 16 Kg.

Com a mochila nas costas, cruzamos o córrego e iniciamos a subida. Já começa forte! Mas descansado e inteiro, não tive problemas. Aos poucos fomos vencendo a subida até que passamos para uma vegetação bem rasteira, ficando totalmente expostos ao sol. Ali já era possível ver o cume do Capim Amarelo enganosamente próximo... A trilha sempre bem marcada, não apresentava dificuldades. A medida que subíamos, víamos que precisávamos subir mais... E com aproximadamente 1 hora de caminhada, comecei a ouvir um barulho de água correndo e mais acima deu para ver um quedinha d’água, bem a direita. Esse deveria ter sido nosso ponto de coleta de água, assim não precisaríamos ter feito todo essa caminho com um peso desnecessário.

Seguimos subindo e a vista começou a surpreender. E olha que ainda estávamos longe de concluir o dia... No alto de um morro demos uma pausa e pudemos observar o caminho pela crista por onde passamos e o caminho que ainda teríamos que percorrer. Tivemos uma descida pela crista,  o clássico caminho da Serra Fina, até que começamos a forte subida do Capim Amarelo. É um trecho bem íngreme com alguns lances de trepa pedra, vários caminhos com bambuzinhos que teimavam em agarrar na mochila e grandes tufos de capim, que nos acompanhariam durante toda a travessia.

Nesse trecho de subida, tivemos nossa primeira de muitas investidas por entre esses tufos de capim, que formam verdadeiros labirintos por entre a vegetação. Subimos num ritmo forte e passamos vários grupos a nossa frente. Nossa preocupação era de que o cume estivesse cheio e que não houvesse mais lugar para acampar. Muitos optam por passar o cume do Capim Amarelo e acampar no Maracanã ou em algum ponto pelo caminho. Paramos num pequeno descampado, onde fizemos nossa última parada antes do trecho final da subida. Partimos para o ataque final. Uma subida íngreme, molhada, escorregadia e em alguns pontos expostas. Existiam algumas cordinhas que ajudavam a ascensão. Os bambuzinhos teimavam em nos segurar e aos poucos vencemos os metros finais e chegamos ao cume do Capim Amarelo.

O dia estava ótimo: firme e sem vento. E isso nos ajudou bastante. Havíamos chegado eu, Felipe, Paulo e o Michael. O cume é bem pequeno e coberto por esses tufos de capim. Como tinha bastante gente por lá, dei logo uma andada em volta e não vi nenhum lugar aberto para acampar. Rapidamente, marquei três pontos onde haveria possibilidade de armar as barracas. Peguei meu canivete e abri uma pequena clareira, onde eu e o Paulo armamos nossa barraca. Mais para o lado, o Felipe e Michael, armaram a deles e deixamos um espaço razoável para a barraca da Andréa e Patrícia. Precisávamos de mais um local. Forçando a barra, achei um lugar para o Vinícius e o Ary, onde eles montaram a barraca deles. Pronto! Estávamos todos mais ou menos instalados. Preparamos nosso almoço/janta e ficamos ali contemplando o por do sol maravilhoso. Mas o dia ainda não havia acabado... Estávamos em semana de lua cheia e quando ela apareceu... Deu seu espetáculo! Aos poucos, todos nos recolhemos e tomados pelo cansaço dormimos... O dia seguinte também seria longo...

2º Dia – Do Capim Amarelo à Pedra da Mina

Acordamos cedo, preparei meu café da manhã e pude contemplar um nascer do sol fantástico. O espetáculo das montanhas sendo atingidas pelos primeiros raios de sol, davam a sensação de que elas pegaria fogo. Foi difícil me concentrar em outra coisa, mas precisava continuar. Começamos a nos arrumar para descer. Tinha 1 litro de água para chegar até a Cachoeira Vermelha, próximo ponto de coleta. Atravessamos o cume do Capim Amarelo, pois a descida é pelo lado oposto ao que se chega.

Fomos descendo e um pouco mais abaixo, passamos por alguns pequenos pontos de acampamento. Em pouco tempo já estávamos no fundo do vale. Olhando para o Capim Amarelo, vi o quanto havíamos descido. Cruzamos um trecho de capim alto no fundo do vale, subimos um pequeno lance e novamente entre capins cortamos em diagonal o morrote seguinte. A trilha bem marcada e até sinalizada com fitas e totens, nos levou até o trecho de mata rala que separa a base do Capim Amarelo da crista em direção ao Melano. Com cerca de 1h 30min, chegamos ao local conhecido como Maracanã. Uma ampla área que daria para abrigar umas 20 barracas. Mais a frente, conversando com outras pessoas, fiquei sabendo que existe um ponto de água bem próximo. Seria seguir a trilha a após o Maracanã e dobrar a esquerda na primeira bifurcação. Daí, precisaria descer uns 15 min. Não dá para confirmar, pois não cheguei até lá. A essa altura, estávamos divididos em dois grupos. Nos encontrávamos em pontos pré determinados e o nosso próximo, seria na Cachoeira Vermelha. Seguimos subindo e descendo sempre com um visual fantástico. Do alto de um morro, avistei uma pedra no fundo do vale com uma coloração avermelhada e não tive dúvida, era o nosso ponto de referência, era a Cachoeira Vermelha.

O sol estava no alto, era cerca de 13:00 horas. Já estávamos na trilha desde as 9:00 horas. Como teríamos que parte do outro grupo, resolvemos fazer o almoço ali. Tínhamos água a vontade para lavar as panelas. Essa parada foi fundamental. Foi o dia em que eu melhor me alimentei. E ainda bem, pois a noite que passaríamos... Estávamos eu, Michael, Paulo e o Felipe. Um pouco depois chegou o Vinícius. Como já havíamos almoçado, dei a ideia de que um grupo fosse à frente e já montasse o nosso acampamento e deixasse reservados dois lugares para as outras barracas. Outra decisão acertada! Quando a Andréa, Patrícia e Ary chegaram, avisei que o pessoal já havia ido para a Pedra da Mina e que eles fizessem ali o almoço, assim poderíamos subir com menos água, consequentemente, mais leves. A essa altura, qualquer quilo, faz a diferença.

Para os mais corajosos, dá até para tomar um banho. Eu nem me arrisquei. Até para lavar a panela a mão doía, de tão gelada que a água estava. Aquele vale é um local fantástico, algo intocado, assim como toda a travessia. A nossa frente tinha a pedra da Tartaruga e mais ao lado dava para ver algumas pessoas subindo a Pedra da Mina. Já era hora e começamos a caminhar. Havíamos pegado água ali nesse ponto, mas poderíamos ter esperado mais a frente, onde cruzamos o rio novamente. A água naquele ponto é bem mais clara, pois ela ainda não passou pelo charco. Na próxima... Seguimos o caminho até que iniciamos a subida da Mina. Subidinha forte! O tempo começava a fechar. O vento aumentava, mas por sorte não eram nuvens de chuva.

Quando chegamos próximos de um grande totem, já quase no cume, o Felipe e o Michael nos esperavam para indicar-nos o local das nossas barracas. Como o Ary e Patrícia ainda não haviam chegado, resolvi parar para assinar o livro de cume junto com a Andréa e aproveitei para bater algumas fotos. O tempo fechou de vez e o vento estava muito forte. Algumas barracas estavam abrigadas e outras nem tanto. Tentei achar onde estavam as nossas, mas a falta de visibilidade me fez voltar. Quando retornei, encontrei o Felipe, Ary e Patrícia. Aí sim, pude seguir. Acho que sozinho, sem referência, sem visibilidade, não iria achar nunca. O local era ótimo, bem mais abrigado do vento do que no cume. Com o tempo aberto, é fácil achar, mas a noite e fechado... Assim que passar pelo livro de cume, deve seguir reto se orientando pelos totens. Mais a frente quando começa a descer levemente, siga os totens da esquerda, pois para a direita você vai para o Vale do Ruah.

A barraca já estava montada. Fiquei imaginando achar um lugar e montar nessas condições... Troquei de roupa e ainda fiquei um pouco dentro da barraca para me aquecer mais. Depois do acampamento montado, aproveitamos para ir até ao cume, na esperança do tempo abrir. Mas não demos sorte. O vento aumentou consideravelmente e já estava ficando complicado ficar ali em pé. Resolvemos voltar e no caminho passamos por três caras tentando montar uma barraca numa laje inclinada e totalmente exposta ao vento, acabei voltando e falando do local onde havíamos montado as nossas barracas. Eles na hora aceitaram e nos seguiram. Como a visibilidade piorou, demoramos um pouco até acharmos o caminho. Fui e voltei algumas vezes, até que vi um totem, depois outro... Pronto, já tinha me achado! Eles já estavam tão cansados que montaram a barraca no primeiro local que acharam. Entrei na barraca e fui descansar, o dia seguinte prometia... A noite foi tensa. O vento mudou de direção e começou a sacudir a barraca a cada rajada. Havia colocado pedras na lateral da barraca, o que foi o suficiente para estabilizar a cobertura e impedir que o vento entrasse por baixo. Uma noite mal dormida!

3º Dia – Da Pedra da Mina à base do Pico dos Três Estados

O dia amanheceu péssimo: a visibilidade estava reduzida a poucos metros; o vento continuava forte; o frio havia aumentado. Não tinha jeito, não ia melhorar tão cedo. Era hora de sair de dentro do saco de dormir e começar a arrumar as coisas. Levantei e fui ver se todo mundo já estava acordado. Havíamos programado de não sairmos muito tarde. Aos poucos todos foram se arrumando e começamos nossa caminhada. A descida foi coisa de cinema. Achar o caminho foi complicado e tivemos a orientação de um grupo que estava desarmando o acampamento. Começamos a descida que era razoavelmente íngreme. Estava tudo molhado e todo cuidado era pouco. Paulo e Vinícius seguiram na frente, eu e a Patrícia no meio e resto do pessoal veio atrás. Na verdade, foi a última vez que vimos o Paulo nesse dia, pois ele pegou a dianteira e só fomos encontrá-lo novamente, na manhã do quarto dia. Descemos com muita cautela até o começo do Vale do Ruah, mas antes, haviam alguns totens que indicavam um caminho para o alto de morro, à direita, mas no nosso caso, deveríamos seguir descendo.

Chegamos ao Vale do Ruah e não tínhamos nenhuma referência visual. Havia um grupo logo no começo e cheguei a chamar pelo Paulo e nem sinal dele. Acabamos nos juntando a outros grupos e fomos caminhando pelos grandes labirintos encharcados. Acho que pela falta de chuva, não achei tão complicado cruzar o Vale do Ruah. Cheguei a ler alguns relatos que podia afundar até a cintura... Que era fácil se perder... O capim pode chegar a 2 metros de altura... Mas pegamos a referência de chegar ao rio e segui-lo com ele a nossa esquerda. E não deu outra. Rapidamente cruzamos a passagem entre dois morros, justamente onde o rio passa, formando um pequeno vale. Seguimos andando e na primeira cachoeira, fizemos nossa parada para coletar água, nosso último ponto até o final da travessia. Com a tática, que vinha dando certo, bebi quase 1L de água com isotônico, assim conseguia ficar mais tempo sem me hidratar, levando menos água e, consequentemente, menos peso. Com os reservatórios de água cheios, seguimos pelo vale entre os dois morros e após cruzar o da direita, avistamos um mais a frente. Vi um totem bem no alto, numa diagonal e fomos procurando o caminho em meio aos labirintos de tufos de capim. Com olhos de águia, via uma fita amarela em um pequeno arbusto, na qual indicava o caminho certo. Segui e logo estava ao lado do totem que havia visto lá de baixo. Achado o caminho, fizemos uma pequena pausa, pois vencer esse trecho, abrindo caminho pelo capim, foi bastante cansativo.

Subimos e chegamos a um ponto de acampamento, fazendo mais uma pequena pausa. Começamos a caminhar no sobe e desce das montanhas, sempre com os bambuzinhos nos prendendo. Passamos por um ponto onde se o tempo tivesse aberto, acredito que seria espetacular! Caminhávamos, para variar, numa crista, mas bem na beira de um penhasco. Às vezes o tempo ameaçava abrir e conseguíamos ver a silhueta das montanhas em volta, mas logo voltava a fechar. A nossa esquerda, estava o Pico dos Três Estados. Passamos por mais um pequeno ponto de camping, e seguimos reto até ao final da linha. Tivemos que voltar e começar a descer, até que conseguimos avistar os totens. Já tinha gente lá em baixo, pois ouvíamos barulho de bambu sendo cortado. Seguimos o caminho a passamos por um grupo acampando. Todos os bons lugares do bambuzal já estavam ocupados. Continuamos andando e vimos um lugar que daria para montar algumas barracas. Ficamos por ali mesmo. Demos uma caprichada no local e ficou perfeito para 4 barracas. Já havíamos decido ficar ali. O nosso medo era subir o Pico dos Três Estados e não conseguir local para ficar e ter que continuar a caminhada. Quem tiver disposição que encare! Nós já estávamos esgotados. Seria muito mais tranquilo fazer a janta ali e já consumir um pouco do peso carregado, principalmente da água. Afinal de contas a próxima subida seria forte, com aproximadamente 1h20min, conforme o mapa que tínhamos.

A essa altura, nem sinal do Paulo. Como ele estava colado num grupo que saiu junto conosco, provavelmente já estaria no cume, pois pelo caminho, não havíamos visto ninguém, nem de longe. O problema é que eu estava dividindo a barraca que estava com ele e eu estava carregando o seu isolante. O local onde estávamos era bem abrigado, dentro da floresta. Não pegamos vento, apesar de ouvi-lo bem forte. Preparamos nossa comida e combinamos de acordar mais cedo que nos dias anteriores, às 5 da manhã. Sabíamos que tínhamos, pelo menos 1 hora a mais de subida. Aproveitei e me recolhi mais cedo que nos outros dias, afinal de contas, essa seria a nossa terceira noite e queria estar inteiro para dia seguinte, o derradeiro!

4º Dia – Base dos Três Estados à BR 354

Acordamos cedo e apesar do barulho do vento durante toda a noite, vi que o tempo estava completamente diferente do dia anterior. Estava bem aberto. Por entre as árvores dava para ver a silhueta do nascer do sol. Fiquei imaginando como seria lá de cima... Bom, precisávamos adiantar e começar logo o dia. Fui verificar se todos já tinham acordado e voltei para preparar meu café da manhã e arrumar a mochila. Juro que pensei em abandonar algum material para diminuir o peso... Mas coloquei tudo dentro e não me preocupei em organizar as coisas, não precisaria pegar mais nada dentro dela.

Iniciamos nossa jornada final por volta das 6h30min. Novamente uma subida forte. Se já estava assim no começo, imaginei como seria se tivéssemos feito no final do dia anterior. Mais uma decisão acertada! Com o tempo limpo, conseguíamos ver o nosso objetivo e tudo o que havíamos feito. O visual era fantástico, muito diferente do dia anterior, onde tudo ficava resumido ao branco das nuvens... Isso deu um ânimo a mais, principalmente pelo sol que aquecia o corpo, dando até para tirar o anorak e caminhar somente com a segunda pele. E dá-lhe subida! A previsão era de 1h20min. Mas eu e o Vinícius fizemos em 45min. No cume, por sinal lotado, encontramos o Paulo, que passou um perrengue dormindo sem o isolante. Pela quantidade de gente que estava ali no cume, agradeci a Deus novamente por termos tomado a decisão de acamparmos antes da subida, pois com certeza não acharíamos local para dormir e teríamos que andar bastante até encontrar algum ponto. Aproveitamos para bater fotos no marco que divide os três estados. Dali dava para ver o que faltava... A grande subida do Alto dos Ivos. Só que antes de chegar ao Alto dos Ivos, ainda tínhamos um grande caminho a percorrer.

Começamos a descer o Pico dos Três Estados. Uma descida forte, como de costume. Passamos por alguns pequenos pontos de acampamento. Vimos vários grupos em vários pontos da trilha. Acho que todos se concentraram por aqui. Hoje dava para ver a quantidade de gente que estava na travessia. O dia continuava perfeito. Descemos e subimos e descemos novamente... De longe vi um grupo em uma parte bem exposta e falei: “O caminho não pode ser por ali!” O Vinícius respondeu: “Não pode ou você não quer?” Respondi: “Os dois, é claro!!!!” Passamos por um grupo que estava acampado num local amplo, mas bem irregular, numa laje de pedra, bem exposta ao vento. Tinha uma barraca que estava num local tão inclinado, que fiquei pensando na noite de quem dormiu ali... Chegamos ao ponto onde havia visto de longe. De perto não era tão ruim assim, um pouco exposto, mas tem bons locais para os pés. Seguimos e subimos mais um pouco antes de descer para iniciar a última subida da travessia. Andamos mais um pouco e estávamos aos pés do Alto dos Ivos. Respirei fundo e toquei para cima. Até que foi mais rápido do que eu esperava. Chegamos lá em cima e estava literalmente lotado. Parece que todos resolveram se encontrar lá... A área é bem ampla e não há vegetação, somente um lajeado, onde impossibilita qualquer tentativa de acampamento. Ficamos ali durante algum tempo, recarregamos as baterias e combinamos que dividiríamos o grupo pois como encontramos vários grupos pelo caminho e muitos diziam que voltariam com o Sr. Edinho, tínhamos certeza de que isso iria dar problema. Nossa ideia era chegar e já ir pegando o resgate. Com certeza seria por ordem de chegada, assim como foi na casa dele.

Então seguimos Eu, Michael, Paulo, Felipe e o Vinícius. Partimos para a descida... É uma caminhada sem muitas dificuldades. Tudo muito bem marcado, mas não podia faltar o bambuzinho e os tufos de capim. Passamos por alguns pequenos morros e cruzamos uma área de camping. Mais a frente, entramos definitivamente na mata fechada. O Felipe havia pego a dianteira, o Paulo e o Vinícius ficaram para trás, acabou que eu e o Michael fomos caminhando juntos. Entramos numa estradinha abandonada e bem mais a frente chegamos ao último ponto de água. Na verdade, mais a frente ainda dá para coletar em dois pontos, mas consideramos esse o último, pois ainda está na trilha. Dali, entramos numa estradinha abandonada, passamos por uma bifurcação. Nesse ponto, deve-se pegar o caminho da esquerda, pois o da direita, sairá na Garganta do Registro. Seguimos descendo até que passamos à Sede da Fazenda, uma grande construção abandonada. Continuamos e passamos por algumas cercas e porteiras, até que chegamos ao nosso destino: O recuo na BR 354. O Felipe já havia e eu e o Michael chegamos alguns minutos depois. Sr. Edinho também estava lá, todo enrolado. Havia dezenas de pessoas para descer e apenas uma Kombi fazendo o translado do pessoal para Passa Quatro. Botamos uma pressão e fomos no EcoSport dele. Apertamos e conseguimos ir em 5, mais o motorista.

Chegamos à Passa Quatro e fomos logo almoçar. Enquanto almoçávamos, a Andréa ligou e pediu que fôssemos de carro, pois eles iriam embora direto. Tinha muita gente lá e a volta estava sendo por ordem de chegada. Pelo cálculo da quantidade de pessoas, voltariam por volta das 18h. Essa foi a gota d´água com o Sr. Edinho. Ter que ficar esperando lá esse tempo todo, depois de termos marcado horário... Agora deu para entender porque não contratar o Sr. Edinho?

Pegamos o carro e deixamos Passa Quatro. Subimos a BR 354 e chegamos ao encontro de todos! Arrumamos nossas mochilas e partimos para a Garganta do Registro, onde todos fizeram um lanche reforçado. Assim, voltamos cansados, mas felizes por termos concluído, com êxito, o nosso objetivo: TRAVESSIA SERRA FINA EM 4 DIAS!

Missão cumprida, até a próxima!

Fotos:


Primeiro dia
A Serra Fina e o caminho que já fizemos no primeiro dia

Percorrendo o caminho

Pausa para a subida final

Almoço no cume do Capim Amarelo

Itaguaré - Marins ao fundo

Por do sol no cume do Capim Amarelo

Segundo dia

O sol nascendo

Café da manhã

Foto antes da caminhada

Lajeado de pedra

Cume da Pedra da Mina - 4º ponto mais alto do Brasil

Assinando o livro de cume

Acampamento na Pedra da Mina




Terceiro dia
Inciando a descida em direção ao Vale do Ruah

No Vale do Ruah

Caminhando

Pausa para o descanso

Mais uma pausa

Os bambus que nos atormentaram durante toda a travessia

O pouco que deu para ver no terceiro dia...



Quarto dia
O sol iluminando a Pedra da Mina

Subida para o Pico dos Três Estados

No cume do Pico dos Três Estados

Ary numa passagem bem exposta

Eu e a lua bem acima

Agulhas Negras a direita

Descanso...

Subida do Alto dos Ivos

Deixará lembranças...











Um comentário:

  1. Olá, Galera!!!
    Se precisarem de hospedagem próximo às Agulhas Negras e Serra Fina, estamos a 10 km da Garganta do Registro, na serra de Itamonte...
    Casas basicamente mobiliadas.
    Servimos café da manhã!
    Oferecemos suporte para montanhistas...
    Informações no site: www.estalagempintassilgos.tur.br

    ResponderExcluir

Comente aqui.