quarta-feira, 20 de maio de 2015

Escalada na via Bruno Silva

Por Leandro do Carmo

Data: 14/02/2015
Participantes: Leandro do Carmo, Alex Rockert e Stephanie Maia
Bom... O croqui, o acesso à base, o relato da conquista e curiosidades sobre a via, podem ser acessados clicando aqui. Vamos conferir como foi mais esse dia de escalada...
Já era carnaval e iria ficar em casa mesmo... Sem chance de viajar, vai que minha filha resolve nascer em meio àqueles engarrafamentos gigantescos... Não poderia arriscar! Mas ficar em Niterói também tem suas vantagens. Praias, trilhas, escaladas, etc... Já estava há um tempinho sem escalar e resolvi repetir a Bruno Silva. Para quem leu o relato da conquista, essa via tem um significado especial para mim.
Havia combinado com a Stephanie de que iríamos escalar. Convidei, também, o Alex Rockert para completar a cordada. Marcamos de nos encontrar no posto de gasolina, na subida da Serrinha de Itaipuaçú e de lá seguimos para o Mirante da Serrinha, onde estacionamos o carro. O acesso começa à direita do início da trilha para o Alto Mourão (Pedra do Elefante). O começo até que é bem definido, mas depois tem que seguir um pouco a intuição...
Como sei o caminho, ficou mais fácil e rapidamente chegamos á base. Nos equipamos e expliquei um pouco o caminho que iria fazer. Ainda não consegui fazer o lance que imaginei na conquista. Deixei para tentar outro dia... Segui contornando o diedro até um degrauzinho à esquerda e subi. Costurei o segundo grampo e o terceiro. Fui até ao quarto, voltei e montei a parada. Fiquei ali, pois os últimos que foram tentar o lance, mesmo com corda de cima, se ralaram um pouco... Fiquei dali só observando. O Alex veio e passou rápido, assim como a Stephanie, sem maiores complicações. Na parada, segui escalada até a verdadeira primeira parada da via.
Dali, perguntei para o Alex se ele queria guiar o resto da via. Ele aceitou de primeira. Mostrei mais ou menos onde era a segunda parada e ele seguiu guiando. No grampo, montou a parada e eu fui logo em seguida. A vista dali é muito bonita. O tempo estava meio fechado... Demos uma acelerada e a Stephanie chegou logo em seguida.
O Alex saiu para guiar a terceira enfiada. Quase passou do passou do primeiro grampo. Eu, que o chamei e falei: “Tá indo pra onde rapá? Costura o grampo aí...” O grampo já estava quase na altura de seu joelho. E assim ele sumiu, onde nos comunicamos aos berros...
Na terceira parada, bastou mais um grampinho e estávamos no Mirante do Carmo. Ali, a tradicional foto de cume e um lanchinho rápido, pois ninguém é de ferro!

Missão cumprida!!! Até a próxima.





domingo, 17 de maio de 2015

BTBW na Estrada - Projeto Nordeste - Bahia


Por Sandro Damásio
"Salve a Bahia, terra da alegria. Vamos fazer folia, até o raiar do dia..."


O Estado da Bahia é o berço do Brasil, local onde os portugueses chegaram em 1.500 e encontraram os primeiros nativos. Tornou-se a primeira sede do governo-geral, sendo Salvador a cidade-capital da América portuguesa por 214 anos.
O estado é conhecido pela sua culinária picante, seu Carnaval arretado e suas praias paradisíacas (ao longo da mais extensa faixa litorânea do país - 900 km). A Chapada Diamantina é ponto obrigatório para os amantes da natureza, com uma cadeia de serras e cachoeiras que impressionam. Não só de mar se faz o estado, o sertão baiano é um dos mais rigorosos do país e sofre com constantes secas.
Maior do que a França, o Estado da Bahia é o quinto maior do Brasil em área (564,7 mil Km2) e o maior e mais populoso da Região Nordeste (mais de 15 milhões de pessoas). Quem nasce no estado é conhecido como baiano e, em sua capital, como soteropolitano. Apesar de apresentar um dos maiores PIBs do Brasil, Salvador tem o 18o IDH municipal (2010). Ponto de chegada da grande viagem de nosso amigo Amyr Klink, com seu Lâmpada Flutuante, que saiu do Sul da África e cruzou o Oceano Atlântico por 99 dias de travessia a remo. Terra de nossos queridos Jorge Amado, Dorival Caymmi e Castro Alves, a Bahia também é um berço da cultura e musicalidade brasileira, um belo estado brasileiro.

Durante a realização do Projeto Nordeste serão rodados cerca de 2.250km no estado da Bahia. Além da Capital Salvador, estão no trajeto do projeto cidades como Porto Seguro, Teixeira de Freitas, Eunápolis, Ilhéus, Maragogipe, Itabuna e demais cidades litorâneas.


É isso. BTBW na Estrada. Vamos fazer vento???

Born To Be Wild
Fotos: acervo próprio e internet. Quer contribuir? Mande fotos do seu estado para btbw@btbw.com.br

Visite e curta!!!
https://www.facebook.com/ProjetoNordeste

Apoio: BTBW -Vejo Você nas Montanhas
https://www.facebook.com/pages/BTBW/794649440620317
https://www.facebook.com/groups/643624025652757/

PitbulAventura
https://www.facebook.com/groups/451377658226038/







sexta-feira, 8 de maio de 2015

Expedição Serra do Caparaó ES/MG

Data: 30/04 a 04/05/2015

Obs.: Esse relato não é técnico é somente para guardar parte do momento inesquecível da vida.

Participantes: Leonardo Carmo, Monique Zajdenwerg, Lango Lango e Edson Dwpg.

Partimos de Niterói, Lango Lango e eu, ao 12:00 para buscar a Monique na rodoviária do Rio. Um engarrafamento do cacete. Depois, partimos para Petrópolis, já caminho, para buscar o Edson. Depois de todo mundo já no PitBull Móvel, partimos rumo à Serra do Caparaó, lado do Espírito Santo.

Depois de algum tempinho na estrada, Lango Lango, disse que queria jantar. Quando chegamos em Sapucaí-RJ, vimos um posto de gasolina e um restaurante. Fui para o acostamento já para pegar a entrada. Nessa, em meio a uma escuridão, aparece um ser de verde, meio homem meio mulher, de minissaia. 

Como passamos de carro bem perto desse ser rsrsrs, o vento levantou a saia e aí começaram as risadas e as zoações.

Depois de Lango Lango ter jantando e comido a salada de “quiabo” rsrs, partimos novamente para a estrada.

Daí pra frente, pegamos uma chuvinha. A atenção estava redobrada. Monique, copiloto, estava atenta a tudo. Até de olhos fechados sabia se tinha que virar a esquerda ou à direita rsrs.

Depois de boas horas de viagem, o GPS resolveu ficar doido. Quer dizer, Monique, copiloto, deixou ele doido, pois toda hora ele informava que era pra gente fazer um retorno rsrs. Depois de ver que não íamos retornar, rsrsrs, ele resolveu recalcular a rota e seguimos em frente.

Quando passamos da divisa RJ/ES, o KM informado pelo GPS aumentou. Aí lascou. Toda divisa de Estado tem um posto policial, e nessa divisa era a Polícia Carioca, “cumpadi” rsrs. Depois da gente ter passado por ela e ter entrado em território Capixaba, o Lango Lango, brilhantemente deu a ideia da gente voltar e pegar umas informações no posto policial. Não sei por que eu escutei ele rsrs. Fizemos o retorno e paramos para pegar informações. Parei o carro atrás da viatura deles e fui com a Monique pegar informações. Lando e Edson ficaram fora do carro se alongando.

Depois de alguns minutos de conversa, saem dois policiais com lanternas e apontam para o carro. Um deles pergunta para o Edson quem era o motorista. Depois de o Edson ter falado, o PM me pede para estacionar bem na frente do posto e informa que seria feita uma revista completa no PitBull Móvel, pois eles tinham recebido uma denúncia de carregamento de drogas. Parei o carro e abri a mala. O carro estava com 4 mochilas lotadas. Eles começaram a revista. Um foi revistar o interior do carro, o outro foi revistar as mochilas. Quando ele olhou a cargueira o Edson, ficou desanimado rsrsrs. O Edson que teve que levar a mochila pra dentro do posto. O Outro ficou apalpando o Lango Lango rsrs e revistando sua mochila. Eu fiquei acompanhando o outro na revista pelo interior do carro. A Monique estava esperando um outro PM para revistar a sua mochila. Quando o cara começou a abrir a mochila dela, desistiu. Mochila de mulher é foda rsrsrs. Tudo arrumadinho. O Sargento ficou sem jeito rs.

No meio da revista da mochila do Edson, o outro policia diz pro outro: enjoei. Tinha tanta coisa pra eles olharem e estava na cara que a gente não tinha nada, que eles desistiram de procurar e começamos a conversar. O tal Sargento era o cara mais falante e engraçado. Ficamos ali conversando com eles e dando risadas. Parecia que todo mundo era amigo. Depois disso tudo, nos despedimos dos nossos novos amigos e partimos.

Algumas horas depois, novamente em território Capixaba, chegamos em Dores do Rio Preto. 

Paramos na praça para dar uma alongada e uma esvaziada na bexiga rsrs. Partimos novamente, agora em uma estradinha meio irregular com alguns trechos de terra.

Depois de um tempo, já na estrada que leva à entrada do Parque, nem eu nem a Monique, Copiloto, vimos que seguia para a esquerda e subimos reto. Entramos por uma plantação de café. Na hora vimos que estava errado. Entramos no quintal da casa, passamos pela tulha, e saímos pelo outro lado hahahahahaha. O dono da casa não ter deve ter entendido nada, muito menos o cachorro que só latiu duas vezes rsrsrsrs. Depois de voltar para a estradinha, seguimos em frente, ou melhor, para a esquerda, dessa vez para a direita rs. Depois de algum tempinho, chegamos à portaria do Parque as 2:00 da madruga. Sabíamos que a entrada só era permitida a partir das 6:00 hs da manhã, mas não custava nada tentar rsrs.

Após confirmar que não poderia entrar naquele horário, o vigilante disse que as pessoas costumavam dormir em uma casa meio que abandonada mais abaixo. Partimos para lá. Chegando na tal casa, vimos que o portão estava fechado. Aparentemente não tinha muito sinal de casa abandonada mas... até que a gente escuta alguém falar alguma coisa lá de dentro. Sem esperar alguém aparecer, entramos no carro e nos mandamos.

Depois de ficar sem um teto, rsrs, resolvemos parar bem em frente de uma pousada. O Lango Lango tentou ver se conseguia falar com alguém, mas nada. Ninguém respondeu. Resolvemos então bivacar dentro do carro mesmo. Colocamos as mochilas para fora. Deitando o banco traseiro, vira uma cama de casal. O Lango Lango dormiu com o Edson lá, rsrsrsrs, eu e a Monique ficamos nos bancos da frente, dormindo sentados rsrs.

Acordamos cedo e partimos para o Parque. Fomos os primeiros a entrar. Chegamos na segunda base de acampamento que é a Casa Queimada, com seus 2.160 m de altitude. Fizemos um macarrão que foi nosso café da manhã. Depois de montar acampamento e tudo mais, resolvemos partir para a trilha rumo ao Pico da Bandeira para ver o Por do Sol. O tempo estava muito fechado e com fortes possibilidades de chuva.

Fizemos o primeiro ataque ao cume do Bandeira, mas não vimos o Por do Sol. Começamos a descer. Quase chegando, conseguimos ver o acampamento que já estava lotado. Levamos um susto. Mais abaixo, encontramos com o grupo de amigos da Monique. Continuamos a descida só que agora a chuva nos acompanhava. Choveu muito, a noite toda. Junto com a chuva, veio mais frio. Lango Lango e eu resolvemos bivacar dentro do carro. Monique e Edson ficaram na barraca.

Na madrugada de sábado, a Monique, o Edson e o grupo de amigos da Monique resolveram subir para ver o nascer do sol lá do Bandeira e depois atravessar para MG. Eu fui de carro com Lango Lango até Tronqueira / MG levando as mochilas.

No caminho para lá, acho que fomos abduzidos rsrs. Tudo quanto era estrada tinha placa indicando um lugar chamado “Espera Feliz”. Cruzamos a divisa ES/MG e as placas continuavam. Depois de rodar uns 40 km saímos no mesmo lugar rsrs. Coisa incrível. Inacreditável rsrs. Até o GPS ficou sem saber o que fazer rsrsrs. Depois de jogar o GPS pela janela, resolvemos ignorar as placas e perguntar pra alguém do local. Um coroinha gente boa nos deu a dica que não teve erro. Cortamos os morros por uma estradinha de barro. Lugar deserto, sem nenhum tipo de sinal de telefone ou coisa parecida. 

A única referência que tínhamos era uma igrejinha no final do caminho rsrs.
Depois de percorrer uns 30 km no offroad, chegamos até Alto Caparaó. A partir dali a navegação foi moleza.

Enfim, chegamos na portaria do parque lado /MG. Só que a brincadeira não tinha terminado. O guarda nos informou que os carros não estavam conseguindo subir por conta da estrada escorregadia. Só subia 4x4. Tinha chovido na noite anterior. Eu olhei pra trás, vi aquele monte de mochila cargueira e falei pro Lando: vamos pra dentro rsrs. PitBull não arrega.

Tocamos pra cima. Lango Lango com os olhos arregalados, grudado no cinto de segurança, nem respirava rsrsrs.

Finalmente vencemos mais um obstáculo. Ufa, nessa eu fiquei meio preocupado rsr.

Chegamos no Tronqueira e nada do pessoal. Resolvemos então partir até o Terreirão para ver se a gente encontrava eles por lá. A ideia era montar acampamento lá. No meio da subida encontramos eles. Ali a gente decidiu pernoitar no Tronqueira mesmo até porque o grupo de amigos da Monique decidiu ir embora no próprio sábado. Descemos e fizemos um almoço coletivo. Que comida boa rsrs.
Ficamos por ali descansando um pouco e esperando o por do sol. Uns dos mais sinistros que vi na vida. Resolvemos bivacar novamente no carro. O Edson resolver montar a barraca e tentar dormir confortavelmente. Deixamos tudo já arrumado. Inclusive já ficamos arrumados para fazer o ataque. 

Foi sinistro, muito maneiro.

Depois desse lindo por do sol, nos reunimos para decidir a missão do último dia. Resolvemos atacar o cume do Bandeira novamente para ver o nascer do sol. Esse seria meu segundo ataque junto com o Lango Lango e o terceiro da Monique e do Edson. Foram 9,5 km de subida Tronqueira x Bandeira. Saímos as 2 da madrugada. Um frio do cacete. Partimos pra dentro. Depois do nascer do sol, a Monique e o Edson ainda resolveram ir no cume do Cristal. Eu desci direto pro Tronqueira com o Lango Lango.

Quando retornamos ao Tronqueira,  foi só trocar de roupa, arrumar algumas coisas e partir. A viagem de volta foi cansativa mas muito divertida. Dessa vez sem revista da policia, só muita risada.

Resumindo:

Foram mais de 80 hs de aventura, mais de 1.200 km rodados de carro. Menos de 6 horas dormidas. Mais de 80 hs sem banho (exceto a Monique rs). Mais de 40 km andados a pé.

Muita história pra contar rsrs.

Que venham outras desse nível.

Informações técnicas sobre a Serra do Caparaó:

http://www.icmbio.gov.br/parnacaparao/guia-do-visitante.html


























quarta-feira, 6 de maio de 2015

Livros que ando lendo: A Escalada - A Verdadeira História da Tragédia no Everest

Por Leandro do Carmo




Título: A Escalada: A Verdadeira História da Tragédia no Everest
Autor: Anatoli Boukreev e G. Weston Dewalt

Sinopse: Em 10 de maio de 1996, uma tempestade atingiu o Monte Everest por mais de dez horas. Dos 33 escaladores que estavam subindo pela Face Sul, apenas 28 retornaram, sendo que, dos sobreviventes, três escaparam por muito pouco e dois sofreram graves queimaduras e, mais tarde, tiveram extremidades amputadas. Este livro conta como Anatoli Boukreev ajudou a salvar três pessoas quase mortas. O guia-chefe russo tomou uma decisão aparentemente suicida ao tentar um resgate sozinho.

Comentário Pessoal: Primeiramente: leitura obrigatória! Quando li No Ar Rarefeito, todos os comentários diziam que tinha que ler “A Escalda, de Anatoli Boukreev”, mas sejamos justos: não foi só ele que escreveu o livro, acho que se não fosse o Dewalt, de repente o livro não fosse tão bom. Mas vamos ao que interessa! Depois que alguns de seus atos foram questionados por Krakauer, Boukreev respondeu a altura. Acho que esse livro é um complemento. Dá uma outra visão sobre o que aconteceu no dia 10 de maio de 1996.