sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Via Bohemia Gelada / Chaminé Pão-de-Açúcar

Por Leandro do Carmo

Data: 06/08/2014
Local: Face Leste do Pão-de-Açúcar

Clube Niteroiense de Montanhismo

Dicas: Lá o sol chega cedo; se for escalar no verão, deixe para a parte da tarde; como relatado no Guia da Urca, muitas escaladores fazem parte da Bohemia Gelada e terminam pela Chaminé Pão-de-Açúcar, no final seguimos para a trilha norma do Costão.


Relato

Assim como no anterior, resolvemos fazer a última aula do Curso Básico de Escalada do Clube Niteroiense do Montanhismo no Pão-de-Açúcar, no setor das cervejas, face leste. Lá, as vias, Heniken, Bohemia Gelada, tem graduações parecidas e são relativamente longas, contando a caminhada na trilha do Costão. Nosso ponto de encontro foi na Urca, as 8 horas da manhã. Nessa aula apenas o Rafael não pode comparecer. Na Urca sempre encontramos gente conhecida. Difícil chegar lá cedo e não encontrar ninguém. Com todos reunidos, eu, minha mãe, Patrícia, Stephanie, Danilo e o Ary, seguimos para pista Cláudio Coutinho. No meio do caminho, o Leonardo ligou dizendo que já estava chegando. Ficamos aguardando na altura da Pedra do Urubu.

Com a chegada do Leonardo e da Mariana, estávamos completos. Seguimos para o começo da trilha do Costão e fomos caminhando sempre conversando e rindo bastante com cada história que surgia... Chegamos na bifurcação e descemos em direção ao pequeno rapel de uns 20 metros para o setor. Todo mundo se equipou e seguimos para a base. A cordada ficou assim dividida: Eu, minha mãe e a Stephanie, seguiríamos na Bohemia Gelada; Ary, Patrícia e o Danilo, na Heniken; e o Leonardo e a Mariana também na Heniken.

Descemos e base terminamos de nos arrumar. Nos encordamos e comecei a subir. O primeiro grampo é bem alto e visível, diferente da Heniken, onde começamos a escalar sem vê-lo. Não tem muita dificuldade, apesar das agarras serem bastante lisas. Mais ou menos na metade, meu pé deu uma escorregada e meu ombro saiu e voltou para o lugar. Primeira vez que isso tinha acontecido, ainda dei uma joelhada certeira numa agarra. Com o sangue quente, nem percebi, mas no dia seguinte... Cheguei no primeiro grampo e segui adiante.

Mais um pouco acima e fiz a primeira parada. A Stephanie e minha mãe vieram logo em seguida. Assim que elas chegaram já me preparei para a próxima. Foi só o tempo de montar a segurança e comecei a subir. O dia estava super agradável. Tempo aberto, sol e temperatura agradável. Mais acima já conseguia ver as cordadas na Heniken. Mais uma parada. Tinha que fazer umas enfiadas mais curtas, pois uma das cordas era menor e as vezes não dava para seguir muito, devido a distância das grampeações.

Cheguei no lance onde tem um buraco. Dava para entrar quase todo nele. O grampo não fica visível, é preciso subir para encontrá-lo. Na tesoura, fui subindo até que encontrei uma boa agarra na lateral direita do buraco, onde passei e costurei o grampo, facilitando a subida. Pelo croqui no Guia da Urca, dá para melhor a proteção ali com um friend. Segui escalando e cheguei no próximo grampo. Dava até  para subir um pouco mais, mas resolvi parar ali mesmo, assim ficaria perto dos participantes nesse lance mais delicado e poderia passar algumas orientações com mais facilidade.

A Stephanie passou bem pelo lance e em seguida veio minha mãe, que também passou sem problemas, apesar de ser mais baixa, o que a fez ter que subir um pouco mais para chegar naquela boa agarra da direita. Ficamos na parada durante um pouco mais de tempo. Descansamos bem e seguimos para mais uma. Passei por um lance onde tem umas pequenas valas paralelas na rocha. Uma curiosa formação. Mais acima, onde a Bohemia Gelada cruza com a Chaminé Pão-de-Açúcar, resolvi não seguir por ela e terminar na Chaminé mesmo. Num pequeno platô, resolvi fazer a parada. O local estava totalmente na sombra, era o local perfeito, apesar de ainda ter corda para continuar.

A próxima enfiada, já na Chaminé Pão-de-Açúcar, comecei num zig zag de grampos, com algumas boas passadas e excelentes agarras. Boa parte ainda na sombra, o que facilitou bastante. A grampeação as vezes parecia longa, mas a solidez da parede e agarras dava tranquilidade para seguir. Fui procurando o melhor ponto para parar. Escolhi o melhor grampo e também tinha que ser aquele mesmo, não dava para seguir, pois a corda não chegaria ao próximo. Minha mãe veio e pedi para ela se ancorar no grampo abaixo. A Stephanie veio em seguida e chegou na parada. Imediatamente ela montou a segurança e segui escalando.

Nesse ponto o Ary resolveu terminar também na Chaminé Pão-de-Açúcar. Fez uma passagem, atravessando da Heniken para ela. Fui subindo, seguindo a mancha negra na rocha e vi o trecho da Santos Dumont de onde se pega a trilha do Costão. Subi mais um pouco para ver  encontrava algum grampo e voltei. Subi para a esquerda, parei num grampo e mandei a Stephanie vir. Minha mãe havia ficado numa parada mais confortável e poderia esperar mais um pouco. O Ary acabava de chegar também. O Leonardo e a Mariana acabaram, também, optado por terminar pela Chaminé Pão-de-Açúcar.

A Stephanie veio escalando e passou por mim, indo direto para o começo da trilha, assim como a minha mãe. Lá esperamos que todos chegassem e aproveitamos para fazer um lanche, afinal de contas já era hora do almoço!!! Com todos reunidos, ficamos ainda batendo algumas fotos e conversando até que decidimos pegar a trilha do Costão. Seguimos subindo e subindo... Depois de já ter feito toda a via, terminar subindo não foi tão legal assim. Mas a vista lá de cima recompensava qualquer esforço. Enfim chegamos ao cume do Pão-de-Açúcar. Havíamos completado nosso objetivo. Estava cheio, foi difícil arrumar um lugar para sentar. Aproveitei para fazer um lanche mais reforçado na lanchonete. A fome estava forte. Ficamos apreciando a bela vista que temos lá de cima e depois de descansarmos bastante, começamos o nosso retorno. Primeiro descemos de bondinho até o Morro da Urca e depois seguimos por trilha até pista Cláudio Coutinho. Um excelente sábado!!!

Valeu, até a próxima!

Leonardo, Mariana e Danilo

Leonardo e Ary

A cordada de Leandro, Denise e Stephanie

Mariana na parada e o Ary chegando

Leonardo escalando

A galera reunida

Vista da trilha

No final da trilha do costão

Visual das cordadas

Descendo para a base da via



4 comentários:

  1. Fala PitBull, caraca parceiro, deslocou o ombro e voltou ? Barbaridade...
    Esse é escalador mesmo. Show seu relato e com certeza essa finalização do curso vai incentivar muito os participantes no esporte.
    Um grande abraço do amigo e admirador,
    Coelho Rala-Bota

    PS.: Seus relatos e publicidade são todos divulgados no Grupo aberto Rala-Bota e arquivados permanentemente para consultas futuras em nossa Página: Rala-Bota Trekking.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite! Como está o estado dos grampos, principalmente os de parada? abraços

    ResponderExcluir
  3. Os grampos da Bohemia estão bons, sem problemas. Os da Heniken que estão péssimos!!!

    ResponderExcluir

Comente aqui.