terça-feira, 8 de julho de 2014

Escalada na Via Moby Dick no estilo Aventura!

Por Leandro do Carmo

Via Moby Dick – 3º IV E1 D1 205 metros
Local: Morro do Morcego - Jurujuba - Niterói RJ

Participantes: Leandro do Carmo e Claudney Neves

Material necessário: 7 costuras e corda de 50m

Acesso: Pode ser acessado de duas maneiras: Uma, por um sítio, no final da praia de Jurujuba, no ponto final do ônibus 33, próximo a Igreja, mas essa é uma opção que não tentamos, pois há um tempo atrás, um amigo meu teve problemas com o acesso por ali;  a outra, é contornando o morro do Morcego, a partir da praia de Adão, seguindo pelo costão.

Dicas: A via é bem tranquila e bem protegida, porém muito suja em alguns trechos, mas nada que prejudique. Na caminhada, em alguns pontos, tem que abrir caminho no capim, principalmente num platô na Face Norte, mais ou menos no ponto da via Morcego Nervoso.

Acesso à base:
Linha Vermelha: Acesso à base / Linha Verde: Caminho de volta após o rapel




Relato

Agora foi!!! 

Na primeira vez que marcamos o tempo não ajudou, mas agora deu tudo certo. Depois de aproximadamente 3 horas, estávamos terminando o rapel na face sul. Tínhamos cumprido nosso objetivo. A via Moby Dick, no Morro do Morcego, em Jurujuba, sempre me despertou curiosidade. Na verdade, qualquer via que eu não tenha nenhuma informação me desperta curiosidade! Já havia feito duas vias lá, mas na face sul, a Paredão Sangue “Bão” e Visão Oposta. Já havia, também ido até a base dela, porém, remando. E essa era a minha idéia dessa vez, mas a logística não seria uma das tarefas mais fáceis! Acabamos ficando com a mais simples: vamos seguir caminhando pelo costão até chegar a base e ponto! Poderíamos pedir autorização a uma residência no final de Jurujuba, mas por algumas pessoas terem tido problemas lá, preferi ficar com a possibilidade de chegarmos por um caminho que não dependesse da boa vontade de ninguém.

Ah, já tinha até esquecido de falar que o meu companheiro de aventura, seria o Claudney, do Clube Excursionista Light. Trocamos vários e-mails sobre a via e tínhamos um objetivo em comum: escalar e conhecer a via Moby Dick. Tínhamos poucas informações. O Claudney me passou um relatório do conquistador, o Theotônio da Silva, que na verdade não tinha muitos detalhes, além de um esboço do croqui, mas, também, sem muita informação. Eu sabia onde era a base e tinha a teoria de que dava para chegar passando por cima de um grande platô com vegetação. Mas para saber se a teoria iria funcionar na prática, tínhamos que ir conferir pessoalmente. Essa era única maneira.

Marcamos dia 07/06, sábado, às 07:30, em frente a Igreja de Jurujuba. Fomos pontuais e nos dirigimos à praia de Adão, onde começaríamos nossa caminhada. Uma foto para registrar o momento e seguimos. Caminhamos pela areia e começamos a subir. Fomos contornando o pequeno costão e passamos por alguns pescadores. Em alguns pontos a pedra estava úmida, o que nos fez redobrar a atenção. Continuamos caminhando e logo pegamos nosso primeiro capinzal. Felizmente curto, mas já dava para sentir o que
encontraríamos pela frente. Contornamos uma grande fenda, próximo ao mar e seguimos caminho por uma enseada. Havia bastante lixo trazido pela maré, e também, muita coisa deixada, provavelmente, por pescadores que frequentam o local. Mais adiante, vi que o costão ficava bem vertical, impossível de passar. Porém, havia uma saída para uma pequena trilha, de início bem óbvio. Seguimos por ela e passamos por cima dessa parte vertical, até chegarmos novamente num costão, onde deu para caminhar tranquilamente.

Andamos mais um pouco e já dava para imaginar que para acessar o cume do Morcego, deveríamos começar a subir, mas esse não era nosso objetivo, pelo menos por esse caminho. Seguimos em frente. Já estávamos entrando na face norte e fomos em uma diagonal para cima, com o intuito de contornar o grande platô. Seguimos tranquilos e passamos por um ponto, onde provavelmente começaria a via Morcego Nervoso. Dali para frente era um incógnita, mas meu instinto me dizia que estávamos indo no caminho certo.

Por enquanto, dava para caminhar no costão, mas alguns metros à frente, não seria assim tão fácil. Cogitei até continuar no costão, mas estava tão sujo, que ficaria até perigoso. Na pior parte, o Claudney abriu o capim, fazendo praticamente um túnel. Ainda o ouvi dizer que “não estava tão ruim assim”... Acho que era para levantar a moral!!! Quando cheguei no final, percebi que realmente, não estava tão ruim assim e que o pior já havia passado. Descemos um pouco chegamos no ponto onde eu havia chegado de caiaque. Mais alguns metros e estávamos na base. Primeira parte da missão foi cumprida!

Na base, dava para ver pelo menos uns 4 ou cinco grampos. Combinamos que iríamos revezar a guiada. Nos equipamos e o Claudney guiou até a primeira parada. A via nesse começo está bem suja, assim como, no meio e no final, resumindo: toda suja! Mas os lances são bem tranquilos e rapidamente também cheguei na parada. Como já estava com as costuras, peguei mas algumas e parti para a segunda enfiada. Subi rápido e fui à esquerda de um grande platô com vegetação. Quando já estava acima do platô, não via mais o próximo grampo, olhava para um lado e para o outro e nada. Tinha certeza de que a via seguia para a esquerda, mas nem sempre o óbvio é o caminho! (depois eu fui entender o porquê dela não ir pela esquerda...) Sem querer olhei e vi o grampo bem a direita, um pouquinho acima do platô e abaixo de mim. Segui para lá, o costurei e fui subindo numa diagonal até chegar na parada dupla. Ainda bem que era dupla! Esses grampos não estavam muito bem batidos...

Lá montei a parada e o Claudney veio escalando e de vez em quando parava para atualizar o esboço do croqui que fazia. Na parada, passei o resto do equipamento que estava comigo e ele seguiu guiando a via. Fez uma enfiada mais curta, até a próxima parada dupla, uns trinta metros. Subi rápido e me juntei a ele. Atualizamos o croqui. A via seguia sempre bem protegida, um ou outro lance com os grampos um pouco mais espaçados, mas bem tranquila. A vista dali era fantástica. O tempo estava ajudando, o sol típico de inverno não era forte, mas o suficiente para deixar o as condições extremamente agradáveis.

Comecei a guiar a próxima enfiada, um pouco mais forte que as anteriores, mas ainda sim, a via seguia tranquila, porém sempre suja. Mais uma enfiada curta, uns 35 metros. Montei a parada e o Claudney chegou. Dali, deu para perceber o porquê da via não ter seguido pela esquerda, como mencionei anteriormente: ela chegaria a uma linha enorme de vegetação, com muito capim, talvez fosse impossível passar... Talvez não fosse impossível, mas com certeza não seria a melhor ideia. Como disse, nem sempre o óbvio é o caminho!

Faltava apenas uma enfiada. Pela verticalidade da parede, parecia que o crux era ali. O Claudney seguiu guiando e foi subindo até que não consegui mais vê-lo. Comecei a subir e passei pelo melhor lance da via, justamente no final. Mais alguns metros e já estava no local onde também terminam as vias Visão Oposta e Paredão Sangue “Bão”. A missão estava cumprida!!!! Aproveitei para fazer um lanche e seguimos para o rapel. Ainda bem que havia colocamos mais um grampo no meio da parede, pois o que estava lá, está tão mal batido, que seria difícil parar nele!

Quando pensava que o capim já tinha acabado, lembrei que faltava descer o caminho de acesso à face sul. Como da última vez que estive ali, o capim havia tomado conta de tudo. Pouco restava do caminho que havíamos feito. Mas passamos e quando chegávamos no final, o caseiro que toma conta do local nos avisou que o dono não queria mais ninguém passando ali... Ele nos deixou passar pelo portão. Agradecemos e fomos embora. Tomara que seja só mau humor!!!!!


Valeu pessoal!!!!!!

Mais uma por fazer

Na parada

Claudney terminando mais uma enfiada

Claudney registrando a vista do cume

Praia de Adão, o começo da caminhada


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui.