terça-feira, 1 de julho de 2014

Caminhada ao Mirante do Inferno - Parque Nacional da Serra dos Órgãos

Por Leandro do Carmo

Data: 17/05/2014

Local: Mirante do Inferno, Parque Nacional da Serra dos Órgãos

Participantes: Leandro do Carmo, Ary Carlos, Alessandra Neves, Marcelo Sá, Patrícia Lima e Vinícius Araújo.

Dicas: Pode durar o dia inteiro; levar lanterna; muito água pelo caminho; um dos acessos, fica na altura da Cota 2000, na trilha do Sino; a descida é bem forte, muito úmida; ter cuidado com os buracos no caminho; existem algumas bifurcações, mas na ida, ficar sempre a direita e na volta, a esquerda.

Relato

Aproveitei o evento da Abertura da Temporada de Montanhismo do Parque – ATM PARNASO, e abri a atividade no Clube Niteroiense de Montanhismo para o lugar na qual sempre tive vontade de ir. Na verdade, queria conhecer o caminho que faria para uma possível investida na Agulha do Diabo, um sonho de 11 entre 10 escaladores!!!

Outros guias do clube abriram atividades. Estávamos em vários grupos indo para diferentes lugares do parque, entre eles: Pedra do Sino, com o meu irmão, Leonardo Carmo; Passagem da Neblina, com o Leandro Collares; Verruga do Frade, com o Alfredo Castinheiras (este em uma atividade do CET); e o Luiz Coelho Rala Bota, de surpresa, no cume da Agulha do Diabo.

Alguns grupos foram de carro, outros de van, outros acamparam, enfim, cada um deu seu jeito. Chegamos no Parque por volta das 7:40h da manhã e fomos para a Barragem, início de nossa aventura. O grupo do Collares já havia subido, ficando o grupo do meu irmão, que seguiria para o Sino. Eles saíram na frente e nós, um pouco depois, pois ainda ficamos aguardando o Vinícius Araújo. Mas como havíamos marcado as 07:30h e já era 08:30h, resolvemos subir também. Se ele chegasse, nos alcançaria ainda no caminho.

Começamos a caminhada. Um dos acessos para o Mirante do Inferno é seguindo pela trilha do Sino até a Cota 2000, onde se pega o Caminho das Orquídeas. E foi esse que fizemos. Seguimos subindo e com uns 15 minutos de trilha, o Vinícius me ligou, avisando que estava entrando no Parque. Avisei que já tínhamos começado e ele sugeriu que o esperássemos na cachoeira Véu da Noiva. Como teríamos que esperar o Vinícius, tratamos de andar um pouco mais lento. Assim, passado algum tempo, chegamos na cachoeira, onde fizemos nossa primeira parada. Como era um evento, o parque estava cheio. Tinha gente para tudo quanto é lado! No Véu da Noiva, não foi diferente. Vários grupos foram chegando e parando para descansar.

O Vinícius chegou uns 20 minutos depois, suando bastante, apesar da temperatura amena. Mas andar rápido é assim mesmo! Continuamos subindo, agora com o grupo completo. Estávamos em um grupo de 6, o que tornou a caminhada muito agradável e engraçada. Todos num alto astral!!!!! Passamos pela Cachoeira do Papel, o local do antigo Abrigo 2 e chegamos em nossa segunda parada, o antigo abrigo 3. Ali, aproveitamos para fazer um lanche. O Marcelo e a Patrícia foram no Mirante, mas as nuvens não permitiram ver muita coisa. Ficamos ali durante mais alguns minutos e continuamos a subida.

Algumas cordadas estavam no Paredão Paraguaio, na Pedra da Cruz. Foi um desafio achar os escaladores entre vegetação e em outros pontos da via. Andamos mais e chegamos na Cota 2000, o começo do Caminho das Orquídeas. Aqui, realmente a trilha do dia começava! Começamos a descer e logo chegamos num mirante, onde dali já teríamos uma vista alucinante do caminho, mas vista que era bom nada. Somente nuvens!!! Tudo branco, meio cinza... Continuamos descendo até chegarmos ao ponto onde provavelmente deu no nome ao caminho. Mas cadê as orquídeas? Nem sinal... Falo isso, pois conta a história que Salomyth, Minchetti e Thiers, todos montanhistas do CEB, ao procurarem um novo e mais fácil acesso a Agulha do Diabo, se depararam com uma uma pedra de bom tamanho - coberta de musgo, batizada com nome de "Pedra do Tapete", na qual pendia uma imensidão de orquídeas em flor. De tanta beleza, resolveram dar o nome do caminho de “Caminho das Orquídeas”. (Leia mais) 

O caminho a partir dali ficava mais difícil, porém melhor, com mais emoção. Cruzamos córregos, andamos dentro do córrego, pulamos pedras, abaixamos, levantamos e finalmente chegamos no “Acampamento Paquequer”, uma pequena clareira que serve de base para quem vai escalar a Agulha em dois dias. Dali continuamos subindo. Nem havia dito, mas encontramos três bifurcações no caminho, umas mais óbvias, outras nem tanto, mas na ida, deve-se ficar sempre na direita, e na volta, a esquerda.

Mais uma subida e chegamos a beira de um penhasco e foi só contornar uma pedra a esquerda e subi-la pelo lado oposto para estarmos no Mirante do Inferno! O tempo estava bastante fechado e não dava para ter muita noção do quer veríamos pela frente. Aos poucos todos foram subindo. Aproveitei para esquentar a água e preparar um café. Alguns minutos depois, chegou mais um grupo grande, por coincidência, todos também de Niterói. O café estava pronto e para acompanhá-lo, um delicioso sanduíche com uma pasta especial, preparado pela Patrícia, a primeira atração do dia!!!! Foi um verdadeiro almoço... Ah se toda escalada fosse assim...

Como o tempo estava fechado, todos ficaram desanimados, pensando que não fosse possível ver nada! Falei que daqui a pouco o tempo iria abrir, ficaria algum tempo aberto, tempo suficiente para batermos bastante fotos e depois fecharia novamente. E não é que minhas palavras se tornaram realidade!!! Aos poucos as nuvens foram diminuindo. A visibilidade foi melhorando... E em minutos ela estava lá! Ainda não dava para vê-la perfeitamente, mas pelo menos tínhamos certeza que estava ali! A Agulha do Diabo se mostrava mas bela do que nunca. Eleita uma das 15 escaladas mais espetaculares do planeta, a Agulha foi conquistada em junho de 1941, por escaladores do Centro Excursionista Brasileiro – CEB.

Assim que as nuvens se dissiparam, percebi alguma coisa no cume. Eram duas pessoas. Estavam sentadas, contemplando aquela vista, que somente agora se mostrou tão bela. Como havia visto o Cabra Macho, esse é o nome do carro do Coelho Rala Bota, estacionado lá na Barragem, pensei logo que poderia ser ele. Ainda mais que eu sabia que o Coelho tinha programado de subir a Agulha na semana anterior, mas devido a chuva, não conseguiu. Apesar das evidências, não tinha certeza. De repente, o tempo abriu totalmente e vi que um deles usava um capacete amarelo, o mesmo que o Coelho usa, o outro, que estava em pé, parecia o David. Não tive dúvida! Gritei bem alto: “RAAALLLLLLAAAAA BOOOOTTTTAAAA”. Na mesma hora tive a resposta!!!! “Quem é???? E eu respondi: “PITBULLLLLLLL” Eram realmente eles!!! O David me pediu para bater algumas fotos, o que é claro, já havia feito! Fiquei muito feliz por eles e me deu uma vontade imensa de estar lá... Mas essa ficará para a próxima!

Aproveitei para tirar algumas fotos de outros grupos que estavam em outros cumes: o São João, Pedra da Cruz e Verruga do Frade. Um visual de tirar o fôlego! O tempo começou a fechar novamente. E em pouco minutos não víamos mais nenhum cume a nossa volta. Sem visibilidade, resolvemos descer. E assim caminhamos de volta.

Mas quem disse que o dia terminou?

De volta à Barragem, nos dirigimos à Casa dos Montanhistas, local onde seria realizada a parte social do evento. Tinha bastante gente e o clima era super agradável. Não tivemos tempo para arrumar o stand do clube, mas nem por isso desanimamos. Do clube, fomos os primeiros a chegar. Depois veio o Alfredo, junto com o pessoal do CET. Encontrei o Luiz Coelho e o David, cumprimentei-os pela grande conquista! Aos poucos todos foram chegando. Preparamos mais um café e fizemos um lanche merecido! Ao cair da noite, todos já estavam reunidos. A banda que animou a festa, só tocou clássicos do rock, de Led Zeppelin a Guns n’Roses. Foi um grande evento. Um dia para ficar na história!!!!!


Valeu pessoal, até a próxima!!!!

No acampamento Paquequer

Preparando um café

Cordada no São João

David e Coelho, é Rala Bota no cume da Agulha do Diabo

Patrícia Lima e Marcelo Sá

Alfredo e companhia no cume da Verruga do Frade

Galera no cume do Morro da Cruz

No Mirante do Inferno

Indo embora

PitBull Aventura!!!!!



4 comentários:

  1. Grande Leandro Pit Bull
    Showwwwzaço seu relato e sua grande contribuição para esse evento que passou... foi uma festa e tanto.
    Parabéns a todos os clubes de montanha que efetivamente contribuíram para o sucesso deste evento e a todos os montanhistas... escaladores ou trekkers que estiveram presente, escalando, caminhando ou apenas curtindo a festa. Foi demais e como costumo dizer no grupo Rala-Bota: União é nossa força !
    Parabéns então a todos nós !
    Agora pra falar a verdade... showww mesmo foi aquela banda de Rock and Roll maravilhosa que deu o maior gás na festa.... Wooooohooooooooooooo e as pedras vão rolarrrrrrrrrrrrrrr
    Abração
    Coelhinho Rala-Bota

    ResponderExcluir
  2. demais o relato... e ainda saber q vc é de nikity kkkk sou dessa terra e to sempre no parnaso...vou no mirante do inferno dia 15.11 e passei aqui pra dar uma pesquisada!obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Zoe M!!!! Quando der, passa lá no Clube Niteroiense de Montanhismo para conhecer... Um grande abraço.

      Excluir

Comente aqui.