segunda-feira, 29 de abril de 2013

Escalada na Via Paredão Emil Mesquita - Parque Estadual da Serra da Tiririca - Niterói - RJ

Via Emil Mesquita – 3º V E2 D2

Data: 13/04/2013
Participantes: Leandro do Carmo e Leonardo Carmo e Marcos Duarte

DICAS: Sombra na até +/- 10 da manhã (outono); como a base está bem no começo da trilha interditada para o Alto Mourão, devemos ter cuidado ao acessá-la para não aguçar a curiosidade das pessoas que ficam descansando nos bancos; a via é bem protegida, principalmente no crux; em dias de chuva ou que tenha chovido no dia anterior, é bem provável que o começo da via esteja muito molhado; o crux está no final, numa barriga com diagonal para a esquerda .

Relato

Na base da via
Há muito tempo que gostaria de fazer essa via. Na primeira vez que tentei fazê-la, o começo estava completamente molhado, ainda consegui costurar dois grampos e só. Nas outras duas vezes, choveu! Agora era a hora.

Aproveitei que o Marcos Duarte precisava fazer sua avaliação no Clube Niteroiense de Montanhismo e como já havia feito uma atividade na Pracinha com ele, não teria problema em entra numa via. Fiz o convite para fazer a Emil Mesquita, assim, cumpriria o meu dever com o clube e saciaria a minha vontade de fazer a via! Como seria uma escalada tranquila, aproveitei para abrir uma atividade no site, disponibilizando mais uma vaga para quem quisesse nos acompanhar. Combinado o dia e horário, foi só torcer para que o tempo ajudasse. Fiz contato com o Ary, pois sabia que ele estaria por lá e de repente poderia nos acompanhar na subida, mas ele já tinha combinado de fazer a Agulha Guarischi com a Alessandra. Na última hora, meu irmão aceitou o convite e também foi com a gente.

O tempo ajudou e sábado de manhã partimos para Itacoatiara. Cheguei um pouquinho atrasado e o Marcos já estava lá, em frente à entrada do Parque. O Ary aguardava a Alessandra. Esperamos um pouco até ver se a Alessandra viria, pois se não, o Ary subiria com a gente. Tinha uma galera do CEB que iriam fazer algumas vias no Tucum (Costão). Ainda bem, pois se tivesse mais gente querendo fazer a mesma via, ficaria complicado.

Por volta das 08:30, iniciamos a trilha até a base. Chegando lá, conversamos sobre os procedimentos do clube, segurança, rapel, backup, dinâmica da escalada, nós, cordada em “A” e em “I”, as responsabilidades do guia e do participante na cordada, entre outras coisas.

Como estávamos em três, decidimos por subir em “A”. Os lances iniciais são muito tranquilos, os grampos bem visíveis e linha da via bem definida entre a vegetação. Um verdadeiro corredor. Pela densidade da vegetação em volta da linha, devem ter retirado muita coisa à época da conquista. Hoje em dia, nunca se conquistaria uma via dessas!

Cordada do CEB na Via Entre 4 Paredes
Comecei a subir e quando estava aquecendo, já era hora de parar. Com uma corda só, ter que parar de 25 em 25 metros é chato. Há algum tempo que não escalava assim. Porém, nesses casos, prefiro até que seja desse jeito, pois sempre há contato visual com os participante e se pode acompanhar toda a escalada. Montei a parada e mandei o Marcos e o Leonardo subirem. Eles vieram rápido e assim que chegaram, comecei a escalar novamente.

Cheguei a segunda parada num platô, muito mais confortável. Dali já dava para ver uma cordada na Guarischi, não tinha certeza que era o Ary e a Alessandra. No Tucum, as cordadas do CEB estavam na Alan Marra, Entre 4 Paredes e Novos Horizontes. Um visual bonito. Pausa para algumas fotos e comecei a subir novamente. Mais alguns metros e já estava parando novamente.

O tempo estava perfeito. Firme e sem sol. Isso já estava ajudando bastante. Quando o Marcos e o Leonardo chegaram na terceira parada, iniciei a quarta enfiada. Subi um pouco e até que enfim cheguei num lance bom. Praticamente um degrau, mas bem liso. Uma passada e estava dominado. Mais acima, montei a 4ª parada e depois de mais alguns minutos, todos já estavam lá.


Morro do Tucum (Costão de Itacoatiara)
Que visão do Costão! Dava a impressão de ter
crescido mais um pouco!.  Víamos vários pontos coloridos no meio da face leste e muitas pessoas na trilha principal, visando chegarem a cume. Dali não víamos mais a Guarischi, mas tínhamos visão do Bananal, da praia inteira, Morro das Andorinhas, etc.

Fui para 5ª enfiada. Comecei a subir e vi que já estava no crux. Uma barriga, numa diagonal para esquerda, em regletes e bem protegida. Algumas marcas de magnésio espalhadas, até dificultavam um pouco, pois umas estavam mais distantes e em alguns lugares pouco amigáveis! As ignorei e fiz a minha própria linha. Mais fácil assim! Numa pequena passada, costurei o grampo e aí ficou mais fácil. O psicológico ajudou. Um pézinho mais acima e estava dominado. Costurei mais um grampo e cheguei numa parada dupla. Logo veio o Leonardo e em seguida o Marcos.

Marcos no Rapel
Vi mais três grampos acima e uma dupla. Porém, como já tínhamos passado o “melhor” da via, decidimos rapelar dali mesmo. E assim iniciamos a descida. Quando chegamos no platô, logo acima da vegetação, vi o Ary escalando, na altura da “cabeça da tartaruga”, mais ou menos no local onde as vias Face Sudoeste e Paredão Eldorado utilizam um grampo em comum. Bati algumas fotos e continuamos a descida.

Chegamos à base e descemos a pequena trilha. Fomos até o começo da subida do Costão e aproveitei para tirar algumas fotos do Ary e a Alessandra no cume da Agulha Guarischi.

Enfim, consegui fazer a via!!!! Até a próxima!





quinta-feira, 25 de abril de 2013

Escalada na via M2 - Babilônia - Urca RJ

Por Leandro do Carmo
Via M2 – Maurício Motta – 4º V E2 D2

Data: 16/03/2013
Participantes: Leandro do Carmo e Leandro Pestana

DICAS: Só tomar cuidado com o horário de fechamento da portaria, o resto é tocar pra cima!!!

Relato

Já estava tentando marcar uma escalada com o Leandro Pestana, fazia algum tempo. Nunca dava! Em umas das reuniões do CNM, combinei com ele de escalar no final de semana. Tudo certo, tínhamos marcado de irmos ao setor das cervejas, no Pão-de-Açúcar. Marcamos as três da tarde na Urca.

Quando estava quase chegando na praia Vermelha, o telefone tocou. Era o Leandro avisando que iria atrasar um pouco, pois daria uma volta de Stand Up. Aproveitei para fazer um lanchinho...Quando ele voltou, conversamos sobre o tempo. Estava fechado por trás do Babilônia e decidimos ficar por ali mesmo, pois se chovesse, o abandono seria mais rápido.

Nem sabíamos qual via fazer, entramos e fomos caminhando. Ao passar pela M2, vimos que estava vazia. Vamos nessa? Perguntei. Nem precisamos andar muito... Já resolvemos logo o problema. Nos arrumamos e perguntei: Posso ir? Com o ok do Pestana, toquei pra cima. Não falei para ele, mas estava sendo uma honra escalar com o cara que conquistou um monte de via que me amarro escalar em Niterói... e ainda tem mais: estava guiando o cara!!!

O começo é bem tranquilo, fui subindo sem muito esforço. Cheguei numa parada dupla onde parei e mandei o Pestana subir. Ele veio tranquilo, até que chegou na parada. A próxima enfiada foi dele. Havia me falado que estava há muito tempo sem guiar e veria o que ia dar. Subiu montou a parada. Também toquei pra cima.

Aproveitamos para tirar algumas fotos e me preparei para guiar a próxima enfiada. Trecho completado, nos preparamos para rapelar. Já estava no final do dia e o aquecimento já valeu! No segundo rapel, quando o Pestana começou a puxar a corda, tinha esquecido de desatar o nó na ponta. Ficou, uns dois metros acima da parada. Tive que escalar esse pedaço para soltá-lo.

Mais alguns minutos estávamos na base. Valeu pela escalada!

Até a próxima!












terça-feira, 23 de abril de 2013

A primeira vez no Stand Up

Por Leandro do Carmo

Local: Icaraí
Data: 21/03/2013

Participantes: Leandro do Carmo e Guilherme Belém


Dicas: Como foi a primeira vez, longe de dar dicas!!!!! hhahahahahahah




Relato

O Stand Up é um esporte que vem ganhando destaque nas praias do Rio de Janeiro. Mas o que ele tem de diferente? Não tinha jeito... Tinha que ir lá e conferir!!!!

O Guilherme de vez em quando rema ali em Icaraí, aproveitando um projeto da academia onde trabalha. Como estava de férias e ele sabia disso, me fez o convite e eu na hora topei! Como combinado, estava lá, às 10:00h da manhã. Ele ainda não tinha terminado a aula. Aproveitei para tomar uma vitamina na cantina. Assim que terminou, descemos para pegar as pranchas na parte de baixo do Iate Clube Icaraí.

Primeira aventura do dia: atravessar a rua!!! Com uma prancha daquele tamanho na cabeça, não foi uma das tarefas mais fáceis...rs Ainda mais levando em consideração a educação da maioria dos motoristas!!! Mas vencemos a primeira!!! Na areia, ouvi alguns conselhos do Guilherme e ele foi para água. Vi como ele entrou e fiz igualzinho. 

Meu medo era não conseguir ter equilíbrio e ter dificuldade para remar. Mas, dei umas quatro remadas, peguei um pouco de velocidade e fiquei de pé. Engraçado que quando o Guilherme, já na minha frente, me falava para eu dar algumas remadas ajoelhado, e depois levantar, eu passei ao lado dele remando!!!! O cara “bolou”!!! Não diria que estava tranquilo, mas já tinha entendido como funcionava a coisa! É claro que a prancha maior, acho que uma 10.6, ajudou um pouco. Se tivesse sido uma menor, tivesse sido tão fácil.

Segunda missão cumprida: ficar de pé! Agora era escolher o destino e remar... remar.... e remar. Falei assim: Vamos até o Morcego! Como o Guilherme já estava acostumado e se alguém fosse passar perrengue, esse seria eu, ele concordou. E assim fomos.

De vez em quando dava um gás e aumentava a velocidade só para sentir prancha. A cada minuto, ficava muito mais a vontade, até que... água! Caí... Não tem aquele ditado que “pato novo não mergulha fundo”. Pois é não sabia nem andar, já queria correr! Mas continuei e logo chegamos na rota dos catamarãs de Charitas, o Guilherme me falou: “Dá um gás! E fui... Agora com um pouco mais de cuidado. Veio um catamarã que passou bem na frente e ondas formadas, quase me derrubaram de novo. A sorte foi que ajoelhei na hora. Mais alguns minutos e chegamos na praia do Morcego.

Descansamos um pouco e voltamos para a água. Afinal de contas, estava ali para remar! Ainda demos um passeada em volta do Morro do Morcego e começamos a voltar. Pedi ao Guilherme para trocar de prancha, queria sentir como seria remar numa prancha menor. Me ferrei! O Guilherme ficou mais a frente e eu devo ter caído umas 10 vezes!!!! Eu e minha mania de dificultar as coisas! Ele chegou e falou: “tá tranquilo?”. Teimoso, respondi que sim... rs Fui sofrendo até a metade da volta. Com o tempo fui me acostumando à prancha menor e nem caía mais. Só não consegui imprimir mais velocidade... Mas tá tranquilo...rs

Chegamos de volta ao Iate Clube guardamos as pranchas e já marcamos a próxima...

Dois dias depois estava eu lá de novo! Agora “muito” mais solto! Já não era a primeira vez, agora seria a “segunda”. Na areia, o Guilherme me avisou que um camarada dele iria nos acompanhar. Remamos até a metade da praia, para que ele nos visse e voltamos. Hoje, iríamos para o lado oposto. Passaríamos pela Pedra do Itapuca, depois pela ilha que fica em frente ao MAC, até chegarmos a Ilha da Boa Viagem, onde a contornaríamos e voltaríamos.

Seguimos conforme combinado. Passamos pelo Itapuca com o mar bem calmo. Dava para ver as pedras aflorando conforme o levar das ondas. De vez em quando uma tartaruga aparecia. A natureza ainda forte, consegue resistir em meio a tanta poluição. Mas até quando? Me perguntei...

Mais um pouco de remada e contornamos a Ilha da Boa Viagem. Nessa hora, o amigo do Guilherme já estava com a gente. Demos a volta e fomos até aquele grande bloco entre a Ilha e rua. Ali é bem raso, se bobear, o remo bate nas pedras. Ponto final! Começamos o caminho de volta. Passamos pelo lado de dentro da ilha em frente ao MAC, onde cruzamos com um barco de pescadores. Na parte debaixo da pedra do MAC, onde tem algumas cavernas, estavam alguns catadores de mariscos. O local é bem sujo. De longe não percebemos, mas de perto....

Dali não dava para ouvir os barulhos do carro, só o movimento da cidade. Aquela tranquilidade contagia qualquer um. Muito lixo pelo caminho. O homem acaba destruindo o próprio local onde vive. Fiquei imaginando como seria há uns 100 anos atrás.... Um paraíso, com certeza!

Chegamos de volta ao ponto de partida. Mais um dia!

Terceiro dia

Depois de duas vezes, já estava ficando viciado!!! Queria ver depois que voltasse a trabalhar... rs. Dividir meu final de semana com mais um esporte.... Só acordando às 4 da manhã! Mas estava lá de novo!!! Hoje faltava um circuito a fazer: seguir a praia e beirar a Fróes até São Francisco. Decidido o trajeto, partimos.

A remada foi bem tranquila até o Canto do Rio, onde um vento contra, forçava-nos a  remar um pouco mais forte. Mas seguimos e logo estávamos em frente a uma grande loja de Jet Ski, que nem imaginava que existia. Um luxo! E como há gente com grana... rs

Era cada casa mais bonita que a outra. Ali a beleza era na terra. A água muito mais suja e com muito lixo. Cair ali não seria nada bom...rs! Com mais cuidado fui seguindo. Cruzamos o Iate Clube Brasileiro, O Iate Clube Icaraí e o Praia Clube São Francisco. Passamos pelos barcos atracados nas bóias. Remar por entre eles é muito legal. Chegamos em São Francisco e o Guilherme fez questão de chegar à areia. Eu, nem um pouco! Eta sujeira!!!!!

Na volta, pegamos um vento contra que nos deu muito mais trabalho... Quando chegamos na virada para Icaraí, o Guilherme me avisou que só tínhamos 18 minutos para volta... Vamos remar!!!!!! Demos um gás bonito e depois de 16 minutos, estávamos chegando na areia em frente ao Iate Clube Icaraí. Com dois minutos de folga!!! Em cima do laço! O Guilherme chegou primeiro e foi logo levando a prancha para a garagem, cheguei logo depois. Lavamos as pranchas, tomamos um banho e fomos embora.

Esses três dias foram excelentes. Vi que não tinha mistério. Um esporte que requer um pouco concentração, equilíbrio e preparo físico, é claro! Como aqui no Brasil tudo é caro, gastar de 3 a 4 pratas para praticar Stand Up, não seria nenhuma novidade. Apesar de seguirmos a tendência de outros lugares no mundo, estamos muito aquém de conseguirmos explorar o mínimo do potencial que esse,  e qualquer outro esporte, podem nos oferecer!!!

Desculpe o desabafo e até a próxima!!!



quarta-feira, 17 de abril de 2013

Mergulho em Guarapari - Ilhas Rasas e Escalvada

Por Leandro do Carmo

Local: Guarapari – ES
Data: 10/03/2013

Local 1º mergulho: Ilhas Rasas
Tempo total de mergulho: 40 minutos
Profundidade máxima: 17 metros

Local 2º mergulho: Ilha Escalvada
Tempo total de mergulho: 30 minutos

Relato
 
Já sabia que seria ótimo... Depois do primeiro dia de mergulho, não tinha dúvida de que iria bombar novamente!!! Só se o tempo virasse, mas depois do dia que fez... Muito pouco provável. Dessa vez não dei mole, tomei um dramin antes de dormir e um quando acordei. Não queria passar por tudo novamente! rs. Tomamos o café da manhã e saímos um pouco mais tarde do que o dia anterior. Como já havíamos mergulhado com a operadora, não precisamos passar na loja, fomos direto para o cais e já sabíamos os lugares onde deveríamos ficar. Tudo pronto, navegamos em direção ao ponto de mergulho.
De acordo com a programação, seriam dois mergulhos, um na Ilha Rasa de fora e o outro, no naufrágio Bellucia. Até lá, seriam uns 50 minutos de navegação. Foi um pouco mais mexido que o dia anterior, mas já estava preparado e ainda para garantir, tomei um outro dramin.
Depois da explicação sobre o local do mergulho. Fomos para a água. Aquele mesmo esquema: nadamos até a bóia e aguardamos que todos estivessem prontos, daí descemos pelo cabo até o fundo. O grupo bem modificado dessa vez, mas com uma galera nota 10. Suavemente percorremos os corais e algumas pedras que abrigavam grande quantidade de peixes. A visibilidade estava excelente e com a baixa profundidade, estávamos na casa dos 12 metros, o raios de sol penetravam com mais facilidade, o cenário ficou perfeito!

Fomos percorrendo aquelas formações rochosas e percebi que existia muito mais vida que na ilha Escalvada. Entramos num ponto onde a corrente estava muito forte. Batíamos perna e para superá-la foi difícil. Entramos num corredor, tipo um canyon, onde estávamos abrigado da corrente. Aí ficou mais tranquilo. O local era fantástico, que visual! Bem devagar fui percorrendo e olhando para as paredes. Todas elas bem coloridas e com muita vida. Mais a frente chegamos num local onde o fundo é de cascalho. Lugar muito bonito. Os peixes nadando de um lado para o outro, saindo e entrando por aquele corredor na qual passamos. Aproveitei para fazer algumas fotos do pessoal que estava mergulhando.
Na volta foi mais tranquilo, estávamos a favor da corrente. Um verdadeiro “drift”. Fomos nos deixando levar, até que a corrente acabou, estávamos de volta a parte abrigada. Ficamos mais um pouco explorando o local. Muitos peixes, alguns que não tinha visto no mergulho do primeiro dia, como o peixe cofre, por sinal bem exótico.
Numa toca, uma lagosta bem camuflada, que passava despercebida pelos menos atentos. Fiquei ali durante algum tempo tentando encontrar a melhor posição para uma foto. Com isso, tiveram que voltar e me chamar para ir embora... E fui eu acompanhando grupo.

Mais um pouquinho e estávamos de volta ao ponto de partida, olhei para cima e vi a silhueta do barco. Como o ar estava no limite que havíamos programado, voltamos a superfície. De volta ao barco, agora muito tranquilo, sem enjôo, fiz aquele lanche esperto! E aguardei ansiosamente o próximo e último mergulho!
Depois de terminado o primeiro mergulho, tínhamos algumas opções para o segundo. Como a corrente estava forte, mergulhar no Bellucia, seria muito complicado. No Victory, novamente, o pessoal achou também que seria difícil. Me deu uma vontade de falar que queria, mesmo com as condições não muito favoráveis, mas sabendo que seria voto vencido, fiquei na minha. Decidiu-se que faríamos novamente outro mergulho na Ilha Escalvada.
E assim fomos... Chegamos na Ilha Escalvada e nos preparamos para descer. Descrever aqui o mergulho novamente, ficaria repetitivo. Mas uma coisa posso dizer: por mais que você mergulhe duas, três, quatro, etc. vezes no mesmo local, ele sempre será diferente... Como já tinha filmado o local no primeiro dia, deixei para fotografar.
Depois de terminado, voltamos para o barco. Aquele banho de água doce renova as baterias! Voltamos contando mentira até o cais... rs
Na operadora, tomamos um banho e paramos para lanchar, seguindo viagem. Uma final de semana fantástico! Dois dias de mergulho que valeram a pena. Valeu Corsários Divers!!!!
Até a próxima!!!















terça-feira, 16 de abril de 2013

Abertura da Temporada de Montanhismo - RJ

27 e 28 de Abril
Local: Praia Vermelha - Urca

Programação

Sábado, 27/04

À partir das 06:00 – Escalar!

À partir das 8:00 – Workshops de Segurança oferecidos pela Aguiperj
Auto-resgate - R$50,00 para federados e R$80,00 para não federados
Ancoragens - R$35,00 para federados e R$50,00 para não federados
Técnicas de Guiada - R$35,00 para federados e R$50,00 para não federados
Oficina de Ascensão em Corda Fixa - R$35,00 para federados e R$50,00 para não federados
Batismo de escalada - R$35,00 para federados e R$50,00 para não federados
Clique aqui para fazer sua inscrição

14:30 –17:30 – Stand FEMERJ
Inscrições para o Desafio 5.10 ATM de Boulder
Filiação à Femerj

17:30 -19:45 – Palestras com convidados
17:30 -18:20 – Palestra ‘Escalando os Desafios da Vida’, com Raphael Nishimura  (Prata no Mundial de ParaClimb)
18:30 -19:45 – Palestra ‘Conquista  Brasileira no Cerro Fitz Roy’, com Flávio Daflon e Sérgio Tartari. 
20:00-21:30 - Cine Montanha na Praça

Domingo, 28/04

À partir das 06:00 – Escalar!
09:00 - 18:00 – Festival de Montanha: Exposição dos Stands da Femerj, Clubes, Lojistas e Patrocinadores
Stand da FEMERJ:Filiação à Femerj
Arrecadação de alimentos para o sorteiro (até às 16:00)

10:00 - 18:00 - Stand Cultural
10:00 - 18:00  - Venda de livros, DVD e artigos sobre cultura de montanha
13:00 – 15:00 - Lançamento da 5a edição do Guia de Escaladas da Urca de Flávio Daflon e Delson de Queiroz.

13:30 – 15:30 - Oficinas de Segurança
13:30 - Via Ferrata, com Hans Rauschmayer -  Grátis para Federados e R$20,00 para não federados
14:30 - Técnicas de Segurança em Escalada, com Flávio Daflon -  Grátis para Federados e R$20,00 para não federados
Clique aqui para fazer sua inscrição

08:00-17:00 - Desafio 5-10 ATM de Boulder
08:00 - 9:15 - Entrega dos kits e inscrições  (no Stand da Five Ten)
09:30 - 13:00 - Festival
14:30 - 15:15 - Final Feminina
15:30 - 16:15 - Final Masculina
16:45 - Premiação
Clique aqui para fazer sua inscrição

17:00 - Sorteio de brindes
Para ganhar um cupom, doe 1kg de alimento não perecível na barraca da FEMERJ ou se filie à FEMERJ durante a ATM, até às 16:00 do dia 28/4.

18:00 - Encerramento

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Mergulho em Guarapari ES - Ilha Escalvada e Naufrágio Victory 8B


Data: 09/03/2013
Local 1º mergulho: Ilha Escalvada
Tempo total de mergulho: 38 minutos
Profundidade máxima: 16 metros

Local 2º mergulho: Naufrágio Artificial Victory 8B
Tempo total de mergulho: 32 minutos
Profundidade máxima: 34 metros


Relato
Há um tempo atrás, conversando com o Leandro Pessoa, da Corsários Divers, comentei sobre a vontade que tinha de mergulhar no naufrágio artificial Victory 8B, mas ele tinha me falado da logística, um pouco complicada devido a distância, mas quem sabe um dia... Falei que quando rolasse, estaria dentro! Passado alguns meses, recebi o convite. Não pensei duas vezes... Aceitei... é claro!
Faltavam ainda alguns meses, mas a ansiedade era muita. Quando recebi um e-mail com a as orientações finais, vi que já estava perto! Agora era só preparar o equipamento e “correr pro abraço".
Como previsto, partimos de Manilha às 13:00. Demos uma parada para o almoço e seguimos viagem. Foi tudo tranqüilo e por volta das nove, chegamos no Hotel, onde passaríamos as noites entre os mergulhos. Equipamento arrumado nos quartos, saímos para comer algo. Afinal de contas, ninguém é de ferro!!!! Demos uma volta pela centro de Guarapari, meio sem saber para onde estávamos indo... rs! Depois de algumas informações, achamos alguns lugares bem legais. Alguns encararam a famosa moqueca. Eu preferi ficar na pizza.
No sábado de manhã, conforme combinado, estávamos às 06:30 para o café. Com tanta gente, acho que 20 pessoas, fiquei com receio da galera atrasar, mas tudo saiu como programado. De barriga cheia, partimos para sede da Operadora Atlantes. Passamos na loja para alguns procedimentos burocráticos e fomos para o cais.
Lá, ouvimos as orientações do pessoal da operadora que nos indicou as nossas posições no barco. Tudo muito bem organizado, tinha certeza de que teríamos uma excelente operação (estava certo!). Embarcamos e conhecemos os procedimentos do barco, os dive masters e o que deveríamos fazer durante a navegação.
O nosso primeiro mergulho seria na Ilha Escalvada, cerca de 50 minutos de navegação e o segundo, no naufrágio Victory 8B. A navegação foi tranqüila, com o mar um pouco mexido, mas nada de mais. Montei o equipamento enquanto navegava, para que quando chegasse no ponto, já estivesse tudo arrumado. No caminho, ouvimos atentamente o briefing sobre o mergulho na ilha. O barco atracaria na parte de dentro da ilha, a mais abrigado do vento e corrente, e seguiríamos para o lado esquerdo até quase a parte de fora.
Com as duplas e grupo definido, entramos na água equipados e fomos direto para bóia, onde aguardamos o “OK” do dive master para descer. A temperatura estava muito agradável, na casa dos 22ºC. Tudo pronto, fomos nos guiando pelo cabo da bóia até o fundo. Lá, demos uma parada até que todos estivessem prontos. Rapidamente controlei minha flutuabilidade e já estava neutro. Começamos o nosso passeio! Os primeiros minutos foram de aclimatação, já estava há quase um ano sem mergulhar, porém fiquei bem a vontade.
Fomos recepcionados por uma grande água-viva,
que movimentava-se suavemente pela água. Passei bem perto para fazer algumas fotos. Já nos primeiro minutos, encontramos muitos peixes como salema, borboleta, trombeta, frade, bicolor, jaguariça, entre outros. Durante todo o mergulho, encontramos alguns grandes cilindros no fundo, que eram usados para abastecer o farol, antes de funcionar a energia solar. Alguns corais são bem diferentes do que costumo ver aqui pelo Rio. Em alguns locais parecia uma floresta com grandes folhas e alguns, que pareciam galhos secos, mas coloridos. Fantástico!

Chegamos no ponto onde começamos a retornar. Ali, quase na parte de fora, a corrente já era forte. Seguimos um pouco mais para o fundo, em direção oposta a ilha até chegarmos ao areal. Quase não tinha vida, se déssemos sorte, avistaríamos algum peixe de passagem. Mas nada. Então, rapidamente retornamos para perto dos corais, pois a vida era muito mais intensa. Na volta, passamos por cima de uma grande fenda, onde nos deparamos com uma imensa moréia verde, onde vagarosamente ela abria e fechava sua boca. Com aqueles dentes, ela assusta os menos experientes! rs... e acho que os mais também!!!! Dei uma parada para filmar e continuei seguindo o grupo.
Fiquei concentrado na vida marinha que era abundante e de repente deu uma escurecida, quando olhei para cima, estava embaixo do barco. Demos mais algumas voltas por ali mesmo e subimos à superfície. Primeira parte da missão cumprida!!! Voltei ao barco com aquela imensa vontade de contar à rapaziada o que vi lá em baixo, como se eles não estivessem ido...rs. Acho que devem ter sentido a mesma coisa... Sempre há um detalhe que passa despercebido! Ali não seria diferente!
No barco, foi só esperar a galera que saiu depois voltar, para podermos ir até o ``mergulho`` do dia! Depois de um lanche, navegamos mais uns 30 minutos até o Victory 8B. Mais uma vez o pessoal da Atlantes caprichou no briefing, explicando detalhadamente a história do navio, do projeto para afundamento, como era o naufrágio, os pontos de penetração, como seria o desembarque, etc.
Enquanto navegávamos, comecei a marear de leve. Mas nada que pudesse atrapalhar o mergulho. Tivemos uma pequena mudança no grupo que iria fazer o próximo mergulho. O desembarque no Victory seria diferente. Depois de colocada uma bóia presa ao naufrágio, outras duas são amarradas a essa principal, formando uma linha de três bóias que indicam o sentido da corrente. Daí, o barco passa por trás dessa linha e nós descemos, nadando a favor da corrente até alcançá-las.
Acertado os detalhes, fomos para a água. Devido a forte corrente, logo chegamos na bóia sem muito esforço. Esperamos que o grupo se reunisse e descemos pelo cabo. Fomos seguindo-o até que ele apareceu! Um gigante adormecido no fundo do mar. Difícil até de descrever a sensação de vê-lo ali. Imagina aquela cena de filme de guerra: meio escuro e nublado, sem nada em volta e com aquele prédio abandonado, só na estrutura... Mais ou menos isso! Dava para ver claramente que ele estava adernado a boreste, uns 30º graus. No final do cabo, fomos recepcionados por uma grande enxada,  uma das maiores que já vi.
Grupo reunido, começamos a explorá-lo. Demos uma volta do centro à boreste do casario, isso por volta dos 25 metros. Por todos os lados, apareciam cardumes de peixes. A visibilidade estava na casa dos 10 a 15 metros, a temperatura também muito agradável.
Depois de uma volta completa, descemos até o fundo pelo centro do casario, onde uma forte tempestade colocou abaixo os costados de boreste e bombordo. Ali já batia uns 34 metros. Alguns poucos minutos explorando a área e voltamos para mais acima, fazendo algumas pequenas penetrações. Quase na chaminé me afastei um pouco para ver o naufrágio um pouco mais de longe.
Depois de uns 28 minutos de mergulho, começamos a subida pelo cabo e fizemos uma parada de segurança aos 5 metros. Passado o tempo da parada, subimos até a superfície. Como orientado pela operadora, nos desprendemos da bóia e ficamos a deriva, até que o barco passou, lançando um cabo para nos apanhar. Para conhecer o navio inteiro, acho que precisaríamos de pelo menos uns 3 ou mais mergulhos...
Simplesmente fantástico, um mergulho fora de série... Não via a hora de chegar no hotel para poder ver as imagens. Mas o enjôo na volta foi mais forte que na ida e não via mesmo, era a hora de voltar à terra firme e parar de balançar! Guardei todo o equipamento, tomei um banho de água doce e fui para o alto do barco pegar um sol para relaxar.
A navegação de volta parecia não ter fim! Mas quando entramos no canal de Guarapari, o barco parou de balançar e vi que já estava chegando. Mais uns minutinhos e já estávamos desembarcando. Terra firme!!! Sensação ótima!!! Cheguei ao hotel, tomei um banho e saí para comer alguma coisa e claro comprar um dramin para dia seguinte!!!
Aí, foi esperar o dia seguinte para mais dois mergulhos!

Até daqui a pouco!!!