quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Flávio Daflon, Sergio Tartari e Luciano Fiorenza abrem nova via no Fitz Roy

Por Leandro do Carmo

A cordada composta por Flávio Daflon, Sérgio Tartari e Luciano Fiorenza levou 3 dias de subida e mais 1 de descida para a conquista de aproximadamente 1300 metros de via na face norte do mítico Fitz Roy.

Na foto ao lado, a linha em amarelo é a rota da via e os pontos em azul, foram os bivaques.

Parabéns à todos!!!!

Seguem o croqui e algumas fotos tiradas por Flávio Daflon.





terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Escalada no Campo Escola das Paineras


Campo Escola das Paineras
Vias Diversas

Local: Paineras – Floresta da Tijuca

Data: 16/12/2012
Participantes: Atividade realizada com o Clube Niteroiense de Montanhismo

Resolvi me inscrever na atividade do Clube pois ainda não conhecia o Campo Escola das Paineras. A formação da parede é algo incomum. Parece aqueles paredões de pedras sobrepostas com lindas fendas que a princípio parecem fáceis, mas se não tiver com o mínimo de condicionamento físico, se transformam num problema!!! rs. A parede é levemente negativa, o que a torna ainda interessante.

Deixamos o carro próximo ao ponto das vans que sobem para ir ao Corcovado e caminhamos cerca de 20 minutos até lá. Um caminhada extremamente agradável. Chegando lá, montamos alguns top ropes e tocamos pra cima.

Comecei numa linha mais a esquerda, próximo ao muro. Fui subindo e meti a mão numa colméia de abelhas e na mesma hora, centenas de abelhas estavam sobre mim. Só deu tempo de gritar “desce, desce!” Por sorte, eram as abelhas arapuás, inofensivas... Mas até saber que não ferroam... rs

Com mais cautela subi pela mesma linha e passei um pouco mais ao lado da colméia e cheguei ao cume. Depois de segurança ao Vinícius. Ele subiu e novamente eu toquei para cima, agora bem a direita. Mais acima, tem um buraco que dá até para descansar lá dentro.

Depois de descansar um pouco, fiz uma linha bem no centro, passando por uma pedra meio para fora, sem dúvida a melhor da parede. Usando a força dos braços, venci o lance e troquei para cima rápido até o cume. Tomei um banho na cachoeirinha que tem um pouco acima na estrada, fizemos um lanche e fomos embora.

Seguem abaixo algumas fotos que tiramos.
















segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Itatiaia terá reforma no abrigo e construção de um novo hotel


Brasília (18/01/2013) – O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Roberto Vizentin, esteve no Parque Nacional do Itatiaia, unidade gerida pela autarquia no estado do Rio de Janeiro, em encontro com cerca de 40 pessoas - entre lideranças locais, prefeituras, militantes socioambientais e ONG ambientalistas.

O objetivo do encontro foi debater com os municípios e organizações presentes o papel das unidades de conservação (UC) como vetores de desenvolvimento do ecoturismo, no contexto do Mosaico da Mantiqueira. Na ocasião, representaram o ICMBio o coordenador regional da CR-08, no Rio de Janeiro, Luis Felipe de Luca Souza, o chefe do Parque Nacional do Itatiaia, Gustavo Wanderley Tomzhiski, o chefe da Floresta Nacional de Passa Quatro, Edgard de Souza Andrade Júnior, e o chefe da APA Serra da Mantiqueira, Virgílio Ferraz.

Além do debate, o encontro possibilitou uma apresentação sobre as melhorias aguardadas para 2013 e que ampliarão as opções de visitação ao parque. Um exemplo são projetos que o Instituto implementará e que integram o Plano de Manejo do parque. Um deles é a construção de um portal de visitação na entrada da parte alta do parque, entre os municípios de Resende e Itamonte (divisa de SP com MG). O parque abriga um dos pontos mais cobiçados por montanhistas - o Pico das Agulhas Negras.

O projeto já está pronto e prevê, ainda, as reformas do atual posto de controle de visitantes e do Abrigo Rebouças. Está prevista também a manutenção da BR-485, dentro do parque, em parceria com o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT). No parque há uma construção de um antigo hotel, que funciona atualmente como uma área de camping. “Nossa ideia é executar o que está previsto no Plano de Manejo e construir um hotel para visitantes em parmanecer mais tempo visitando o Itatiaia”, frisou Vizentin.

Com isso, o parque contará com este novo hotel e o Abrigo Rebouças reformado, voltado mais para atendr o público de montanhistas e adeptos do camping. "Parabenizo iniciativas como esta de reunir e mobilizar a comunidade do entorno da unidade, como o Itatiaia para discutir a gestão de um mosaico estratégico para a conservação da biodiversidade como é o da Mantiqueira. O potencial do ecoturismo como vetor do desenvolvimento regional é imenso nesta região”, reiterou Vizentin.

Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Beleza em grande buraco azul no meio do Oceano

Foto: U.S. Geological Survey
Círculo escuro de 300 m de diâmetro em Belize pode ser visto do espaço. Peixes nadam em meio a estalactites em caverna que ficou submersa.


Um grande círculo azul escuro no meio do mar turquesa do Caribe atrai mergulhadores e turistas do mundo todo para Belize, na América Central.

O Great Blue Hole (Grande Buraco Azul) é, na verdade, uma caverna que se formou há dezenas de milhares de anos, quando o nível do mar era muito mais baixo do que na atualidade.
À medida que o oceano subiu, ela ficou submersa, mas preservou as estalactites, hoje rodeadas por animais marinhos de várias espécies, como arraias, peixes-papagaios e peixes-borboletas.

 (Foto: Nasa/Divulgação)
Localizado no Atol de Recifes Lighthouse, a cerca de 50 milhas a leste da cidade de Belize, o buraco é um círculo quase perfeito, de cerca de 300 metros de diâmetro e 125 metros de profundidade. É visível inclusive do espaço – foi captado por um satélite da Nasa em março de 2009.

No início dos anos 1970, o famoso oceanógrafo Jacques Cousteau explorou seus túneis e estalactites. O Buraco Azul é parte da Reserva de Barreiras de Recifes de Belize, considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Chapada dos Veadeiros passará a oferecer opção de caminhada em trilhas sem a obrigatoriedade de contratação de guia


Brasília (09/01/2013) – O Instituto Chico Mendes começa 2013 com uma grande iniciativa. A partir da próxima quinta-feira (10/01) os visitantes que quiserem conhecer as principais trilhas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, unidade de conservação sob sua gestão localizada em Goiás, não terão mais a obrigatoriedade de se fazerem acompanhar por um condutor de visitantes.

A partir desta data, com a opção de trilha autoguiada (em que o visitante desvenda a trilha sozinho), a contratação de guias passa a ser opcional. “A decisão pela não obrigatoriedade de guias é fruto de um longo processo de discussão com a comunidade local e com os grupos interessados em visitar o parque. Acreditamos que todo o incremento já ocorrido na Vila de São Jorge, como os serviços de pousadas, bares e restaurantes, absorverá parte da mão-de-obra dos guias (cerca de 130). Outra parte continuará trabalhando no segmento”, explica o diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do ICMBio, Pedro de Castro da Cunha e Menezes.

O Instituto continuará incentivando a contratação dos condutores de visitantes, tendo em vista que eles agregam valor à visita e prestam serviços valiosos aos visitantes, ajudando-os a melhor compreender a história humana e natural dos parques e reservas, como no Parna da Chapada dos veadeiros/GO. “O trabalho dos condutores de visitantes é e sempre será bem vindo nas unidades de conservação federais”, frisa Cunha e Menezes.

A iniciativa integra um conjunto de medidas que visam a aprimorar a gestão do ecoturismo e proporcionar novas e melhores experiências para os visitantes no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Além da abertura das trilhas de forma autoguiada, está previsto um pacote de medidas estruturantes durante o ano.
No curto prazo (até março/abril) será criada um travessia de dois dias ligando a vila de São Jorge ao Morro do Buracão. Outros novos atrativos a serem criados no médio prazo são uma travessia ligando São Jorge a Cavalcante e pelo menos mais duas trilhas de curta duração (2 a 3 horas), além de melhorias nas áreas de camping e oferta da atividade de canionismo.

A expectativa é de que os investimentos realizados no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que Integra o Projeto Parques da Copa, cheguem a mais de R$ 4 milhões, o que possibilitará o recebimento de mais visitantes com a consequente geração de emprego e renda advindas das novas oportunidades econômicas relacionadas ao ecoturismo para a região. O parque recebe hoje cerca de 20 mil visitantes por ano, e a expectativa é no mínimo dobrar esse número ainda em 2013, aumentando assim a procura por pousadas e a demanda por restaurantes, transportes e outros serviços de apoio a visitação.

“Um visitante não é igual ao outro, e estas diferenças precisam ser respeitadas. Nossa preocupação, nesse sentido, tem sido oferecer nos parques nacionais um leque cada vez mais variado de opções de contato com a natureza que atendam aos diversos perfis de visitantes, que vão de grupos escolares, a familiares, passando pelo público mais especializado, como é o caso de escaladores, montanhistas e observadores de aves”, destaca Sônia Kinker, Coordenadora-Geral de Uso Público e Visitação do ICMBio.

Um pouco da história

A obrigatoriedade na contratação de condutores para os passeios no parque foi estabelecida em 1991 como estratégia para ordenar a visitação no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e criar uma alternativa econômica para os garimpeiros que atuavam na área, então inexistente. “Hoje, o desenvolvimento do turismo na região, já criou outras alternativas de renda como hotéis e restaurantes. Está na hora de darmos o próximo passo. Aumentar as opções de visitação fará com que a procura pela Chapada dos Veadeiros aumente. Mais visitantes significará mais oportunidades de emprego e renda. Queremos dessa forma dar continuidade ao ciclo virtuoso estabelecido entre visitação e conservação ambiental. Estamos seguindo o modelo adotado com sucesso em parques argentinos, sul-africanos e chilenos, onde as unidades de conservação oferecem ampla oportunidade de visitação e servem de esteio econômico para as comunidades do entorno ”, frisa o diretor Pedro Cunha e Menezes.

Comunicação ICMBio
(61) 3341-9290

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Festival de Escalada de Igatu - Igatuboulder

Fonte: http://www.guiachapadadiamantina.com.br/

Nos dias 25 e 26 de janeiro, o povoado de Igatu, no município de Andaraí, irá sediar o “Festival de Escalada Igatuboulder”. O evento é aberto a todos os amantes do esporte, inclusive iniciantes, e contará com instrutores que irão apresentar os diversos estilos do esporte, conhecidos como tradicional, esportivo e boulder.

O local é considerado um dos melhores do país para a prática do montanhismo. Um dos motivos é a predominância de arenito, rocha que possui uma infinidade de variações e proporciona uma grande qualidade de blocos, sem falar na variedade incrível de agarras e inclinações. Todas essas características contribuem principalmente para a prática do boulder.

Outra causa que atrai muito os escaladores é a pouca quantidade de chuvas nesta época do ano, diferente da maioria das regiões do país, que no verão recebe fortes chuvas, atrapalhando a prática do esporte. Na programação do festival ainda está incluso caminhada ecológica pelas paisagens do Parque Municipal e pelas ruínas de Igatu, patrimônio arquitetônico do povoado. Além disso, ocorrerão atrações culturais, como apresentação do grupo de Capoeira Esquiva e o encerramento com a participação de um DJ.

Ação social
Durante o evento serão entregues aos escaladores da comunidade as sapatilhas arrecadadas na campanha “Bote sua sapatilha para escalada”, realizada pelas empresas 4Climb e Adrena, que apoiam diversos eventos do setor em todo país.

De acordo com os organizadores, Igatu é o primeiro lugar no Brasil a possuir um projeto social dedicado à prática do montanhismo voltado para crianças e adolescentes, realizado pelo Centro Cultural Chic-Chic.

Inscrições
Valor: RS 20,00
Onde: Galeria Arte e Memória, em Igatu
Quando: 25 de janeiro (sexta-feira), a partir das 7h
Obs: para participar é necessário levar um kit escalada: crash pad, sapatilhas e magnésio. E boa escalda!
Informações: (75) 3335-7021 ou caetanomartinho@gmail.com

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Vídeo da Escalada no Pico do Papagaio - Ilha Grande RJ

Local: Ilha Grande - RJ

Via Aresta do Xilindró – 3º IVsup E2 55m
Conquistadores: André Ilha, Lucia Duarte, Marcos da Silveira
Ano: 1984

Trilha: T13 – 6km (somente ida)
Nível: Pesada

Participantes: Leandro do Carmo, Leonardo Carmo, Paulo Guerra e Clayton Mangabeira

Foram 2:40h de subida na trilha, pedra molhada, nuvem, sol forte e muita aventura!!!!

Confira abaixo o vídeo em HD



Postagem do relato: http://pitbullaventura.blogspot.com.br/2012/12/pico-do-papagaio-ilha-grande-via-aresta.html

Expedição de caiaque partirá do RS e percorrerá toda a costa brasileira

Luiz Felipe Buff, 35 anos, pretende remar cerca de 7,5 mil quilômetros em 11 meses

Expedição de caiaque partirá do RS e percorrerá toda a costa brasileira Marcel Avila/Especial
Buff largou a advocacia em São Paulo e mudou-se para a Serra, onde começou a praticar caiaque Foto: Marcel Avila / Especial

Em 2012, Luiz Felipe Buff, 35 anos, passou 200 dias no mar. No início do ano novo, nesta terça-feira, ele também estará na água. Só que pretende ficar nela por muito mais tempo. 


De caiaque oceânico, Buff partirá do Chuí, no sul do Estado, ao Oiapoque, no extremo norte do país. Quer remar por toda a costa brasileira — cerca 7,5 mil quilômetros — em 11 meses.

— É muito divertido, pois no mar nós conhecemos a nós mesmos, nossos limites e a natureza — revela.

Buff fala no plural, mas vai viajar sozinho. O plano é acordar cedo e seguir pelo mar das 6h às 10h30min. Depois, retomar das 15h até o pôr do sol, próximo às 19h.

— Isso em condições ideais, mas quem decidirá é o clima — comenta.

O caiaque de Buff é capaz de suportar ondas de até 3 metros e ventos fortes. Mas mesmo se a chuva vier, ele não se preocupa. O equipamento ainda tem quatro espaços internos isolados e lacrados.

Em compartimentos de 40 centímetros quadrados cada, Buff vai levar comida, água, mapas emborrachados, celular, câmera, bússola e até fogos de artifício, caso seja preciso pedir socorro.

Também terá no colete salva-vidas um rádio de comunicação à prova d’água, que pode fazer contato com outras embarcações e faróis. Para carregar a bateria do equipamento e estocar mais mantimentos, ele conta com a solidariedade dos praianos:

— Meu objetivo é conhecer os vilarejos, as praias e as pessoas que vivem no litoral. Vou dormir onde me acolherem ou meu bolso aguentar.

O dinheiro para a viagem, aliás, foi fruto de uma economia de quatro anos. Não tem patrocinador, apenas apoiadores. Bota fé que seu projeto será parcialmente sustentado também por quem vir na internet seu diário de bordo online, que será divulgado no site www.seakayakbrasil.com

Inspiração veio de fora do paísA ideia surgiu durante expedições pela Patagônia e pelo Alasca. Conhecendo o mundo, Buff se deu conta de que pouco sabia de seu país e resolveu desbravar a costa brasileira.

O gosto por aventura veio após ele desistir de ser advogado em São Paulo, onde era a quarta geração de advogados de sua família. Aos 28 anos, resolveu abrir um café em Cambará do Sul, onde costumava acampar havia 15 anos.

Perto dali, em Canela, conheceu o caiaque incentivado por um amigo. Hoje, é instrutor do esporte em uma escola internacional, que promove excursões. Esta será sua primeira viagem longa sozinho. Ansiosa, a noiva de Buff, Alessandra Dimitriou, 29 anos, também fará uma expedição. Só que para vê-lo:

— Meu plano é visitá-lo em terra duas vezes por mês. Vamos nos falando e combinando os lugares.

Curiosidades da viagem

— A aventura partirá da Barra do Chuí, no sul do Estado, até o Oiapoque, extremo norte do país.

— A meta de Buff é remar uma média de 700 quilômetros por mês. Assim, concluirá a jornada em dezembro de 2013.

— Ele passará por 17 Estados brasileiros e por mais de 2 mil praias.

— O caiaque de Buff suporta ondas de até 3 metros e ventos de, no máximo, 55 km/h.

— A embarcação tem quatro espaços internos isolados e lacrados, à prova d’água, com 40 centímetros quadrados cada.

— Buff levará comida, água, mapas emborrachados, celular, câmera fotográfica e bússola.

— Por segurança, ele também carregará fogos de artifício e, no colete salva-vidas, um rádio de comunicação à prova d’água.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2012/12/expedicao-de-caiaque-partira-do-rs-e-percorrera-toda-a-costa-brasileira-3996944.html

Novas regras para mergulho e visitação à Abrolhos

Por Leandro do Carmo

Portaria regula a visitação em embarcações, atividades de mergulho, observação de fauna e flora e caminhada em trilhas no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, no litoral sul da Bahia.

Pelas novas regras fixadas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), as empresas interessadas em explorar esses serviços têm prazo de 90 dias para requisitar credenciamento na administração do parque. A autorização será válida por um ano.

As empresas credenciadas poderão promover visitação diária (bate-e-volta) ou com pernoite. Em qualquer caso, entretanto, terão de consultar previamente a administração do parque. A visitação poderá ser feita entre as 8 horas e as 18 horas. O limite máximo de visitantes por dia é de 225 pessoas.

Para realização de mergulho livre e autônomo, as empresas deverão dispor de um profissional de mergulho para cada grupo de seis pessoas. A atividade só poderá ser realizada em locais definidos pela chefia do parque.

No caso de caminhadas em trilhas, segundo a portaria, elas deverão ser conduzidas por monitores ou voluntários.

Para mais informações sobre a portaria: