domingo, 2 de setembro de 2012

A volta na Agulha Guarischi


Via Paredão Zézão – 3º V E2 D2 260 metros
Via Paredão Eldorado – 2º III E2 D1 100 metros

Data: 19/08/2012

Participantes: Leandro do Carmo, Guilherme Belém, Leonardo Carmo e Bruno Silva






DICAS: Os melhores lances estão no começo onde tem aderência e pequenas agarras; primeiro grampo bem alto; na segunda enfiada, acima do platô, seguir a direita do grampo numa diagonal, assim evita o atrito da corda, apesar de aumentar a exposição; rapel em diagonal longa; possibilidade de segurança de corpo na terceira parada.

Veja aqui o vídeo. Conta a história da escalada e mostra como escalar a Agulha enfiada por enfiada. Espero que gostem.


Relato

Depois de 5 meses, estava lá de volta: Agulha Guarischi!!! Tinha que voltar lá e comprovar que ela é boa mesmo! rs. Essa vai ser a primeira via que repito, depois de alguns meses de escalada. Uma coisa é certa: Uma escalada não é igual a outra, mesmo que você já tenha feito a via. E lá não poderia ser diferente. Era também uma oportunidade de guiar as enfiadas que foram feitas pelo Guilherme na outra vez.

Nessa empreitada, chamamos o Bruno e meu irmão, o Leonardo. Marcamos de nos encontrar as 08:00 h na entrada do Parque, em Itacoatiara. Não precisávamos nos preocupar muito com o sol, para escalar, o inverno é uma beleza. Quando nós chegamos, o Bruno já estava esperando. Preenchemos o termo de responsabilidade e iniciamos a trilha.

Parece que dessa vez foi bem mais rápido chegar a base da via. Já na base começamos a nos arrumar. Decidimos que o Bruno me guiaria na primeira enfiada e o Guilherme guiaria o Leonardo.  O Guilherme iniciou a subida. O primeiro grampo é bem alto, o que assusta um pouco. Mas nada muito complicado. Com calma dá para chegar tranquilo. Depois de alguns minutos, foi a vez do Leonardo. Assim que ele passou do segundo grampo, o Bruno começou a guiar.

Foi subindo e parou no quinto grampo. Montou a parada e eu iniciei a subida. Nem tomei conhecimento do lance. Participando, a gente vai sem medo. Percebi como é fácil. O que dificulta, às vezes é a exposição!!! rs. Cheguei ao Bruno e continuei subindo. Falei para ele de uma excelente agarra, na verdade um buraco, atrás da Bromélia, o facilita muito o lance. E assim fui até o platô, montei a parada e mandei o Bruno subir. O Guilherme já estava na segunda parada, depois do lance em diagonal. O Leonardo começava a sua subida.

Quando o Bruno chegou expliquei para ele a próxima enfiada. Falei que fazendo aquela variante, apesar da exposição, diminui muito o arrasto da corda. Comecei a subir. Essa variante torna o lance muito exposto, porém se dificuldade, a gente vai subindo acompanhando uma veia na pedra. Cheguei na segunda parada. O Guilherme já tinha iniciado a subida, deu tempo de bater algumas fotos dele. Enquanto o Leonardo subia, o Bruno também veio.

Dali para cima, para mim a enfiada mais bonita da via e sem muita dificuldade. Fui beirando a aresta até o último grampo. Por vezes olhava para baixo para apreciar o visual. Lá fiz segurança de corpo e mandei o Bruno subir. Guilherme e Leonardo já estavam se preparando para subir. Atravessei a pequena trilha e encontrei os dois. O Guilherme subiu até o platô e deu seg ao Leonardo. Foi minha vez. Subi tranquilo e o Bruno veio logo em seguida. Dali faltava apenas mais uma enfiada e uma subidinha tranquila.

E assim fizemos. Da última parada até o cume, o Leonardo guiou o lance. Bem tranquilo, mas para a primeira vez, já é uma grande experiência. Enfim estávamos lá!!! A vista lá de cima é fantástica. Sentado lá em cima, de frente você vê o Costão, à esquerda, o mar, à direita, O Telégrafo e atrás, o Mourão. Dali, fui até o topo, onde tem o grampo, se não me engano ainda da conquista. Mais algumas fotos e já estava na hora de descer.

Voltei até a parada e nos preparamos. Emendamos as cordas para fazer um rapel mais longo. Comecei a descida e passei pela parada dupla logo abaixo. Pensei: será que dá para descer em direção ao Telégrafo? Fui pendulando até mais em baixo e vi que a vegetação parecia rasteira, não teríamos problema...Então avisei ao pessoal que dava para descer por ali. Assumi a responsabilidade!!!

Montei a parada e eles vieram. Passamos a corda e fui o primeiro a rapelar. Foram sessenta metros de rapel, com pelo menos 30 metros na vertical. Faltando uns 10 metros, tive que atravessar uns arranha-gatos que deram trabalho. Cheguei na base e notei que não seria tão fácil assim. A vegetação era rasteira, com algumas árvores de pequeno porte, mas com muito, mas muito arranha-gato. Ouvi um barulho estranho que começou a aumentar. Dei uma abaixada e fiquei quieto tentando descobrir o que era. Quando olhei mais para cima, vi que era um urubu protegendo o ninho. Literalmente estava no ninho do Urubu.

Mandei logo o próximo descer, se o urubu fosse atacar, não queria ser o único a tomar bicada!!! rs. Veio o Guilherme, o Leonardo e por último, o Bruno. Enquanto eles se arrumavam dei uma descida para avaliar o caminho. Vi que não seria nada fácil. Voltei e ajudei o Bruno a puxar a corda. O Guilherme e o Leonardo continuaram descendo para tentar abrir caminho. Já tinha dado uns cinco arranhões na perda. Fiquei com medo da corda prender, porém ela desceu bem, a medida que puxávamos.

Coloquei todo o material na mochila para ajudar na descida. Era tanto cipó e arranha-gato que para descer dois metros, levava uns 10 minutos!!! E assim fomos, com muito sofrimento e arranhões!!!! Mais um pouco de descida penosa e me aproximei da parede do Morro do Telégrafo, de onde pude avistar o caminho de água da chuva. Cheguei lá. Vi que dali ficaria muito mais tranquilo. O que seria um atalho, tinha virado um problema!!!! Mas conseguimos superá-lo!!!! Acho que seria mais fácil ter feito um monte de rapel.

Fomos seguindo o caminho de água e encontramos, por vezes, rastros de que pessoas já haviam passado por ali. Fomos beirando o Morro do Telégrafo até trilha interditada para o Alto Mourão. Mais alguns minutos e já estávamos na trilha do Costão. Aí foi só ver os estragos nas pernas.

Moral da história: Nunca entre numa trilha se não tiver certeza de que ela exista!!!!

O pessoal deve estar me xingando até agora... Afinal de contas, a idéia foi minha... rs

Até a próxima.




  





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui.