terça-feira, 29 de maio de 2012

59 anos da conquista do Everest

Hoje, o alpinismo mundial celebra o aniversário de 59 anos da primeira subida à montanha mais alta da Terra, o Everest (8.848 metros). A conquista se materializou no dia 29 de maio de 1953, com uma expedição inglesa que levou ao topo do mundo o neozelandês Edmund Hillary e o sherpa nepalês Tenzing Norgay.

Depois de 47 dias de luta desde a instalação do acampamento-base na glacial de Khumbu, ao pé da montanha, o grupo de alpinistas partiu do último acampamento percorrendo os 360 metros que os separavam do topo em cinco horas, abrindo a hoje denominada via clássica, traçada pelo lado sul. Anteriormente, outras dez tentativas, a primeira em 1921, não atingiram seu objetivo. Nelas, morreram 13 homens, destacando-se a tragédia vivida em 7 de junho de 1922, a primeira fatal nesta montanha, na qual 7 sherpas foram soterrados por um grande desmoronamento.

No princípio, o "teto do mundo" se chamava Pico XV, e posteriormente recebeu o nome da pessoa que dedicou parte de seu tempo à medição da montanha, George Everest, que definiu sua altura em 8.839 metros, valor muito próximo do original. Uma nova medição por inclinação de satélites atribui à montanha 8.850 metros, altura ainda não reconhecida oficialmente no Nepal.

Em 1893, o general britânico Charles Granville Bruce estudou uma rota pela face Norte, itinerário que transcorre pela vertente tibetana da montanha e, em 1907, preparou a primeira expedição. As autoridades do Tibete e do Nepal negaram as permissões necessárias e só em 1920 foi obtida a autorização para tentar sua conquista, empreendida em 1921 por C.K. Howard-Bury (GB) pela face Norte (Tibete), que não foi bem-sucedida. Bruce, em 1922, organizou a segunda expedição, conseguindo superar 8 mil metros.

Edward Norton liderou em 1924 a terceira aventura sobre a montanha. George Leigh Mallory e Andrew Irvine também participaram da expedição e, depois de serem vistos pela última vez a mais de 8,5 mil metros, nunca mais se soube o que ocorreu. Apesar de o corpo de Mallory ter sido encontrado, persiste ainda hoje o desafio de saber se seu desaparecimento ocorreu na subida ou quando já tinham conseguido alcançar seu objetivo.

Em 1933, uma nova aventura britânica ultrapassa os 8,5 mil metros. Um ano depois, outro inglês morreu ao tentar subir sozinho. Nos anos seguintes, foram feitas várias tentativas, com ingleses (1934, 1935, 1936, 1938), canadenses (1947). Mas E.L. Denman enfrenta o desafio sozinho. Em 1949, abre-se a fronteira do Nepal. Um ano depois, no outono, C. Houston e H.W. Tilman (EUA-GB) reconhecem a vertente nepalesa. Dois anos mais tarde, K. Becker e Larsen (Dinamarca) utilizam, sem permissão, a vertente tibetana, face Norte. No outono do mesmo ano, E. Shipton (Grã-Bretanha) tenta pelo Nepal a face S.E. sem êxito.

Em 1952, novas tentativas se frustram. Ingleses, suíços e russo também tentam em vão. Desde então, o número de subidas já supera 1,2 mil, sendo que, na maioria dos casos, os alpinistas utilizam oxigênio artificial.


http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,5502,OI109406-EI1383,00.html



Mergulho com Tubarão Baleia na Laje de Santos - Projeto Mantas do Brasil

Notícia veiculada no grupo dive-net@yahoogrupos.com.br


Seguem as imagens na íntegra de GAIA, o tubarão baleia de 12,5 metros, fêmea grávida, integralmente identificada na base global ECOEAN, sendo este o primeiro registro completo desta natureza na costa brasileira.

Local: PEM Laje de Santos (Portinho); profundidade: 15 metros; condições: sol, mar calmo, pouco vento e visibilidade de aprox. 25 a 30 metros com água bem azul e 23ºC

Registrado e filmado por Guilherme Kodja. Presente em um dos encontros: Joao Paulo Scola.

Operação de pesquisa do projeto Mantas do Brasil - Programa Petrobras Ambiental, realizado pelo Instituto Laje Viva a bordo da embarcação Pé de Pato.

ASSISTA PELO LINK ABAIXO

http://vimeo.com/42954567

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Mutirão de Limpeza da Restinga da Lagoa de Itaipu

Data: 02 de Junho - Sábado
Horário:    das 8:00 às 14:00

Local: O Núcleo de Apoio aos Voluntários será na Aldeia Guarani de Camboinhas  (Seguir até o Apart Hotel antigo de Camboinhas, continuar em direção à praia de Camboinhas, virar à esquerda na Rua da Praia, seguir até o final da rua de Terra). 

Programa do Mutirão
  • 08:00 - Inicio dos Trabalhos de limpeza da Restinga
  • 12:00 - Oficina Lar Lixo Mínimo
  • 14:00 - Finalização dos trabalhos do Mutirão
Durante o Mutirão estaremos recebendo Lixo Eletrônico e medicamentos usados.
Recomendações para os Voluntários do Mutirão:
Sugerimos que venham calçados com tênis e roupa confortável, tragam luvas de proteção, água e um lanchinho para repor as energias.
A Lagoa de Itaipu, é um dos ecossistemas mais importantes para o equilíbrio da Região Oceânica de Niterói.  É reconhecida também pela sua importância paisagística e cultural, e como fonte de renda e lazer para a população local e turistas. Apesar disso, a Lagoa ainda sofre com os impactos negativos do lixo que atinge suas margens e o espelho d’água.  Esses resíduos são trazidos pelos rios contribuintes e pelas marés que avançam pelo canal, além do descarte dos próprios frequentadores que usam a área para o lazer.
O “Mutirão de Limpeza da Restinga da Lagoa de Itapu” é uma iniciativa da Sociedade Civil.  
 Equipe Organizadora:  
Ana Lemos  (AMADARCY)  -  Eny Hertz  (CNM)  -  Laura Franca  - Juliana Malhardes (Culinária Viva)   -  Carmen Simeone ( Ateliê de Vida Simples) - Georgia Loureiro (Coalizão pelo Mar)
Contato com a Organização do Evendo:  21-9984-4088   amadarcy@amadarcy.org.br
              
Apoio:
              => Comunidade Guarani de Camboinhas - Tekoá Mboy ty  -  Aldeia de Sementes
              => CLIN  -  Companhia de Limpeza Urbana de Niterói
              =>  Secretaria Municipal de Meio Ambiente
              =>  Parque Estadual da Serra da Tiririca
              =>  Quarto Grupamento Marítimo dos Bombeiros

sábado, 12 de maio de 2012

Escalada em Niterói - Morro do Tucum (Costão) - Itacoatiara - Niterói RJ

Face Oeste, Sul e Leste

Visão geral das Montanhas de Itacoatiara








Vias de Escalada da Face Oeste - Morro do Tucum (Costão de Itacoatiara)

Linha Aproximada das Vias da Face Oeste (Clique na foto para vê-la maior)


A Face Oeste do Morro do Tucum, também conhecido como Costão, possui vias com execelentes linhas e um visual fantástico. Escalada com lances que vão do 2º a VIIa. Vale a pena começar a escalar bem cedo, principalmente nos dias de sol forte. Todas essas vias fazem cume, exceto algumas que não coloquei (em breve estarão presentes) e é necessário fazer segurança de corpo no final. A "Paredão Resta Um" requer um pouco mais de cuidado na segurança de corpo, as outras são bem tranquilas. Os grampos estão em bom estado de conservação e em alguns casos estão escondidos pela vegetação. Em todas elas, será preciso uma escalaminhada bem fácil até chegar a base. A subida inicia-se pela praia ou pelo gramado no comecinho da praia.

Vias da Face Oeste do Morro do Tucum - Costão de Itacoatiara

Paredão Resta Um - 4º VIIa E2 D1 100m

-------- + RELATO FOTOS VÍDEO

A via começa no Platô do Camaleão, aquela grande porção de mata que fica logo acima, na parte esquerda de quem olha para o costão. A via começa com uma enfiada tranquila. na segunda parte, o crux é na saída, onde se faz um lance bem atlético antes de costurar o primeiro grampo. a via segue bem protegida com algumas agarras ainda por quebrar. Fica atento.

Feliz Aniversário - 3º IVsup E3 D1 165m

-------- + Croqui

A via fica à direita da Resta Um. Deve-se subir em direção ao Platô do Camaleão e um pouco antes de chegar nele, dá para ver o primeiro grampo. A via segue com proteções um pouco mais espaçadas que as outras do local. Por não ter muita frequência, existem alguns trechos sujos, porém tranquilos. Possui alguns grampos de INOX.

Via Luiz Arnaud - 2º III E2 D1 200m

------- + RELATO FOTOS VÍDEO  + Croqui

A VIA FOI REGRAMPEADA RECENTEMENTE E FOI DUPLICADA TODAS AS PARADAS, BEM COM COMO PONTOS DE RAPEL. O CROQUI ESTÁ DESATUALIZADO.
Clássica da cidade. Acho que a mais frequentada! A via segue a óbvia mancha preta, que é uma calha natural da água da chuva. Para chegar à base, siga mais próximo a água e na altura da grande mata, siga subindo. Muitas pessoas tentam subir antes e acabam ficando impressionados com a exposição. A via segue com lances bem fáceis de 2º até o crux que é bem vertical. Alguns nem chegam a costurar  grampo do crux, subindo pela esquerda, numa sequência de cristais e boas agarras. Depois seguirá por uma diagonal para a direita e mais algumas chapas até o cume.

Como chegar à base da via Luiz Arnaud



Paredão Uma Mão Lava a Outra - 4º V E2 D1 200m 

------- + Relato/Fotos + Croqui + Relato da Conquista

Uma das melhores vias da face. Segue uma linha reta que corta a Paredão Itacoatiara em dois pontos. O crux, assim como a via, está bem protegido. Alguns lances mais verticais e bonitos. Possui alguns grampos de INOX. Na última enfiada tem lances mais expostos, mas bem tranquilos.

Paredão Itacoatiara - 3º IVsup E2 D2 230m 

----- + Relato/Fotos/Vídeo + Croqui

A VIA FOI REGRAMPEADA COM GRAMPOS DE TITÂNIO E AGORA CONTA COM TODAS AS PARADAS DUPLAS.

A mais bonita linha dessa face. Segue por uma enorme laca, onde está o crux. Depois segue numa diagonal para a esquerda, onde vai descendo levemente, cruza a "Uma Mão Lava a Outra" e segue subindo, até fazer, novamente uma diagonal para a direita e seguir até o cume.

A Linha Enígena - Vsup E2 40m

------ + RELATO FOTOS VÍDEO + Croqui

Esportiva bem bonita e protegida, dá para fazer a Tetinho no mesmo dia. Lances em pequenas agarras e bem vertical. Vale a pena. Faz sol durante boa parte da manhã.

Via do Tentinho - V E2 40m

------ + RELATO FOTOS + VÍDEO

A via segue bem tranquila até chegar num grampo antes do teto. Deve fazer o domínio numa boa agarra para passar o crux. Depois dali, mais alguns lances está no final.

Via Tetando Ramirez - VI E2

Bonita linha horizontal protegida em móvel. Faz uma enfiada até um um buraco e dali segue escalando para a esquerda.


Via Olha Lá - 3° IVsup E4 D1 240m

Última via do setor. Ela segue tranquila, protegida por chapeletas. Via exposta. Nem todos tem o sangue frio de fazer uma enfiada de 60 metros sem proteção, mesmo sendo fácil, por isso não é muito frequentada.

Escalada da Face Sul - Morro do Tucum (Costão de Itacoatiara)

Essa face possui as vias mais expostas dessa montanha, mas com um visual muito bonito e diferente do qual estamos acostumados. O acesso não são tão óbvios, em alguns casos difíceis de encontrar. Deve-se seguir costeando o Costão, paralelo ao mar. Possui a via Se Der Mole o Mar Engole, a maior horizontal de Niterói, conquistada pelo Leo Nobre e o Demis Ian, são 400 metros de escalada, paralela ao mar.


Vias da Face Sul do Morro do Tucum - Costão de Itacoatiara


Tensão Harmônica - 3° IV E3/E4 170m


Desarmonia - 3° IV E3 D1 160m


Desarmonia Tensa - 3° V E4 D1 280m

------- + Croqui

Se Der Mole, O Mar Engole - 4° IVsup E4 D2 400m

 ------- + Croqui

Vias de Escalada da Face Leste - Morro do Tucum - Costão de Itacoatiara

Linha Aproximada das Vias da Face Leste (Clique na foto para vê-la maior)


A face Leste fica a direita da trilha que vai para o Bananal, possui as vias mais longas dessa montanha, chegando a 425 metros. A graduação vai de 2º ao IV. As trilhas de acesso partem da trilha principal do Bananal, nem sempre são tão obvias, com exceção da via Na Bunda do Costão, que deve ser acessada pelo cume do Costão, indo em direção  à Pata do Gato. Nos dias de chuva, basta um pouco de sol para que sequem rápido. Nos dias de sol quente, escalar na parte da tarde, pois ficam a sombra. Todas as vias fazem cume, sendo necessário fazer segurança de corpo ao final. Em algumas vias pode-se usar móveis para diminuir a exposição.

Acesso à Via Novos Horizontes - Na trilha do Bananal, sair antes da grande árvore que antecede um caminho de água de chuva.
Acesso às Vias Entre Quatro Paredes, Rampa de Bode e Via Mário Mota Júnior (muitos a conhecem como Via dos Bombeiros) - Um pouco mais abaixo da do acesso anterior, próximo a grande árvore.
Acesso às Vias Paredão Alan Marra, Paredão Jardins e Chang Wei - No Bananal

Vias da Face Oeste do Morro do Tucum - Costão de Itacoatiara


Via Novos Horizontes - 3º IV E2 D1 110m


Obs: A primeira para foi duplicada.

A via mais curta do Tucum. Ideal para quem quer uma escalada rápida. Muito boa de se fazer, principalmente na parte da tarde. Segue numa sequencia de grampos, com lances tranquilos até a primeira parada. As vezes o arrasto da corda atrapalha um pouco. Passando o crux a via seguem em mais uma enfiada até a última parada dupla.

Via Entre Quatro Paredes - 3º IV E2 D1 150m


Uma ótima opção para quem quer fazer uma horizontal mais longa. Se cair, vai para num platô de vegetação. Não há proteção no meio da horizontal e o pêndulo acaba sendo maior. De resto, a via seguem numa linha bem bonita até o cume.

Via Mario Motta Júnior (Via dos Bombeiros) - 2° III E2 D1

------ + Croqui

Via bem frequentada pelo iniciantes. É bem protegida em com lances tranquilos.

Rampa de Bode - 2° IIsup E3 D1

Via bem tranquila com proteções bem espaçadas, sendo de 30 em 30 metros. Protegida com grampos de INOX. Por estar ao lado da Mário Mota, acaba não tendo frequência.

Paredão Alan Marra - 3° IVsup (A0) E2 D2 300m


Linha bastante bonita. Ideal para quem quer começar com uma via mais longa. Muitos evitam seguir pelo diedro inicial, que pode ser protegido por uma peça e costuram o primeiro grampo da Paredão Jardins. Se não proteger com móvel, uma queda pode ser perigosa. O crux é bem protegido e você já sai "costurado". A última enfiada segue por uma bela canaleta. Um espetáculo.

Paredão Jardim - I° IIsup E2 D1


Uma das primeiras vias do Tucum. Foi regrampeada há pouco tempo, sendo uma alternativa mais fácil de uma via longa no Tucum. 

Chang Wei - 2° III E3 D2 425m


Depois de regrampeada, que intermediou a horizontal da primeira enfiada, ficou mais tranquila. Uma via longa que segue bem à esquerda da Paredão Jardim. Apesar de longa, não costuma demorar muito.

Na Bunda do Costão - VIsup E2


Diedro Netuno


Vias de Escalada da Face Norte - Morro do Tucum - Costão de Itacoatiara

Face Norte - Setor dos Moicanos

O acesso para as vias fica num terreno ao lado da que fica a direita da subsede do PESET em Itacoatiara.

Vias

Projeto do Lenadro Pestana
Leeper Legal - IXa 30m
Aranhus Maranhensis - VIIc 25m
Kaiowas - Projeto
Último dos Moicanos - 7° VIIIa E2 D1 80m
Arte Dramática - IXa E3 30m

Veja a localização:


Exibir mapa ampliado

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Escalada na Via Novos Horizontes - Costão Itacoatiara

Via Novos Horizontes – 3º IV E2 D1 110 metros

Local: Costão – Face Leste - Itacoatiara

Data: 05/05/2012
Participantes: Leandro do Carmo e Leonardo Carmo

DICAS: A trilha ate a base da via começa antes da grande árvore ao lado do caminho de água da chuva, antes de chegar ao bananal; treinar comunicação, por vezes o guia não vê o participante; segurança de corpo no final da via; apenas duas enfiadas; necessidade de moveis caso não queira exposição.

Tinha marcado com meu irmão que iríamos escalar nesse final de semana. Não tínhamos escolhido a via, estávamos em duvida se entraríamos em alguma via no Babilônia ou se ficaríamos aqui mesmo em Niterói. Marquei também com a Suzana, mas logo depois ele me passou uma mensagem, dizendo que sua sapatilha tinha ido para ressola e que ela não poderia ir. Aí, decidi que iríamos ficar aqui por Niterói mesmo. No sábado, as sete, meu irmão chegou aqui em casa e falei com ele que iríamos para Itacoatiara. Entraríamos na via Emil Mesquita, um 3º V E1 D2 215 metros.

E assim fomos. Quando já estávamos no caminho, lembrei que tinha esquecido nada menos que a corda!!!! Voltamos para pegar, o que foi bom, pois o parque só abre as oito. Mesmo com o contra tempo, chegamos as 07:50 e tivemos que esperar uns dez minutos ate a chegada do guarda. Autorizada a entrada, fomos subindo a trilha e o caminho estava muito molhado, apesar de não ter chovido.

Chegamos à base da via e a parede estava muito molhada. Falei com Leka que iríamos tentar assim mesmo. Nos arrumamos, passei algumas orientações e comecei a escalar. Os primeiros lances, apesar de fáceis, foram ficando difíceis... Consegui costurar o primeiro grampo. O pé escorregava de mais e não tinha muita firmeza nas mãos. Fui chegando para a direita para ver se estava mais seco e nada. Costurei o segundo grampo e depois o terceiro. Fui forçando a barra, escorregando de mais. Tentei chegar ao quarto grampo, mas não consegui. A sapatilha não segurava e as mãos também escorregavam. Fiquei numa posição que não dava para continuar. Olhei para cima e percebi que estava tão molhado quanto embaixo. Decidi abortar a escalada e descer. Tive que desescalar um pedaço e quando vi que dava, soltei o corpo para trás, ate a corda esticar. Parei no grampo, e rapelei dali.

Enquanto estava parado olhei para a Face Leste do Costão e vi que já estava com sol. Quando cheguei à base, falei com Leka que iríamos para outra via, pois achava que estaria seca. Fomos descendo e a entrada até a base da via não é tão obvia assim. Antes de chegar numa grande árvore, ao lado do caminho da água da chuva, tem que dobrar a direita e ir subindo ate chegar à parede. De cara você chega a base da via Novos Horizontes, o grampo esta a uns 5 ou 7 metros de altura. Nessa face eu já havia feito a via Entre Quatro paredes, que fica mais a esquerda dela. Mas eu não queria repeti-la, mas não tinha o croqui da Novos Horizontes.

Eu lembrava que era curta e que tinha um lance que poderia proteger com móvel, nada mais. Como estava bem seca, decidi fazê-la assim mesmo. Nos arrumamos e comecei a subir. O primeiro grampo é um pouco alto, mas cheguei nele rapidamente. Costurei-o e logo vi o segundo, um pouco mais acima. Fui subindo bem tranqüilo. Costurei o segundo e mais acima, avistei duas grandes lacas. Então percebi que estava no caminho certo. Como não tinha nenhum móvel, não protegi o lance e subi na exposição. Os lances foram fáceis, as grandes lacas ajudam bastante.

No grampo acima das lacas, montei a primeira parada e avisei ao Leka para subir. Ele veio devagar e chegou à parada. Batemos algumas fotos e me preparei para a segundo enfiada. Comei a subir e passei pelo crux. Passei, também, por uma vegetação e fui praticamente andando ate o próximo lance. Montei a parada num grampo mais acima. Vi uma parada dupla lá no alto, mais ou menos uns 15 metros. Comecei a recolher a corda para Leka subir e percebi que dava para chegar naqueles grampos. Devolvi toda a corda e avisei ao Leka para montar a segurança novamente. Comecei a subir e passei por alguns lances fáceis, mas interessantes. Cheguei aos grampos, montei a parada.

Leka subiu sem problemas e quando chegou à vegetação, bati algumas fotos dele e comecei a filmar. Pela altura que a gente estava, percebi que talvez fosse a ultima parada. Dali para cima, teve apenas um lance para sair da parada e depois foi uma subida pelo costão, até  que encontrei um ponto com uma boa base para dar segurança de corpo. Avisei ao Leka para subir. Paramos para descansar e bater algumas fotos.

Essa não era a escalada que gostaríamos de fazer, mas foi muito boa. O improviso, às vezes dá excelentes resultados!!!!!



Fotos






quinta-feira, 3 de maio de 2012

Esportes de Aventura - Programa Zona de Impacto - SporTV

Por Leandro do Carmo

Fala galera!!!!

São poucos os programas na TV que falam sobre os esportes de aventura. Alguns, as vezes o fazem de maneira muito superficial. Em especial, indico o programa Zona de Impacto, do canal SporTV. Tem matérias muito interessantes.

Segue abaixo o link. Divirtam-se !!!!!!!

http://sportv.globo.com/site/programas/zona-de-impacto/