quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Escalada - Paredão Uma mão lava a outra - Costão - Itacoatiara

Via Uma mão lava a outra – 4ºsup V E2 D1 200m
Costão - Itacoatiara

Data: 20/02/2012
Participantes: Leandro do Carmo e Guilherme Belém.

DICAS: Algumas agarras ainda por quebrar; lacas soltas; treinar comunicação, guia não vê participante; descida por trilha; e segurança de corpo no final da via.

Depois de um final de semana sem escalar, já estava mais que na hora!!!!!! Em pleno carnaval, nosso bloco foi outro... Tinha ido a praia um dia antes e o calor estava de mais. O sol queimava sem dar trégua. Tentei marcar com o Guilherme bem cedo, mas ele não podia. Decidimos marcar as 08:00 h da manhã, no primeiro quiosque, perto do Costão. Meu medo era o sol sair e nos “fritar” na pedra. Cheguei mais cedo em Itacoatiara, o dia estava perfeito. O Costão bloqueava o sol e metade da praia ainda estava a sombra. Corria aquela brisa da manhã, enfim, para uma escalada, não podia ficar melhor. Ah, podia sim !!!! Tinha algumas que com certeza aliviaria o sol, aí seria só curtir...

As oito, o Guilherme chegou e nos encaminhamos para o Costão. Subimos em direção a vegetação, base da via Luis Arnaud, e seguimos à direita até a matinha. Daí foi seguí-la para cima até encontrar a base mais vertical da parede. Fomos para a direita e olhando para o alto foi fácil avistar o primeiro grampo.  Olhando para baixo tem umas madeiras que servem de banco. Muito fácil identificar a base da via. A direita, ficava a base da via Paredão de Itacoatiara, mas essa deixaríamos para uma outra oportunidade.

No começo já dava para ver que seria uma excelente escalada. A parede era bem vertical. Nos arrumamos e decidimos que eu iria guiar a primeira enfiada. Tudo pronto!!! Combinamos a comunicação, caso fosse necessário. Essa era uma via que nas paradas, o guia não enxerga o participante, logo a comunicação tem que estar bem afiada, afim de não haver problemas. Combinamos assim: O guia chegou a parada, três puxões na corda, ele está preso; o participante, três puxões na corda, o guia está solto; o guia, três puxões corda, o participante pode subir; o participante, três puxões na corda, ele está escalando.

Conferida a comunicação, segui pra cima!!!! Lance inicial bem tranquilo. Cheguei no primeiro grampo, costurei-o e toquei para cima. No segundo, coloquei uma costura mais longa, 60 cm, para evitar o arrasto da corda. Daí para cima, a dificuldade já foi aumentando. Mais alguns lances difíceis até que em um momento, num lance delicado, bem vertical, com pequenas agarras, entre um grampo e outro, dei uma passada para cima, estiquei a mão direita numa agarra e quando fiz força, ela quebrou, fazendo que desse uma meia escorregada. Consegui me firmar... O coração disparou... Quase... Passou uns 5 segundos, respirei e disparei para cima. Depois dessa, não tinha lance que me segurava. Acho que a adrenalina turbinou meus pés e mãos!!! eheheheheh

Cheguei na primeira parada e o Guilherme tocou para cima. Quando ele chegou, avaliamos essa enfiada. Foi bem forte. Daria um IVsup, até um V, em algum lance. Diferentemente, do que consta no Guia de escalada de Niterói. Mas isso é muito relativo. Questão de grau é complicado... Nem sempre há consenso.

Pequena pausa para água e o Guilherme guiaria a segunda enfiada. Demos uma olhada no croqui e crux da via, um V, era logo acima. Ele passou, se foi tranquilo não sei, mas foi bem rápido. Um lance em aderência e com pequenas agarras no final. Daí para cima teve mais um lance difícil e depois foi ficando mais tranquilo. A exposição vai aumentando a medida em que a dificuldade vai diminuindo. Mais acima, o Guilherme montou a segunda parada. Subi tranquilo, só apreciando a vista. Como estava participando, fui aprimorando a técnica, prestando atenção nos lances, testando passadas, etc.. Coisas que as vezes não dá para fazer guiando.

Assim que cheguei na terceira parada, bebi uma água e comecei a guiar a terceira enfiada. Costurei o primeiro grampo e fui subindo, subindo, subindo... Não via o próximo grampo. Olhei para o lado direito e vi um grampo da via Paredão de Itacoatiara, um lance horizontal para a direita que a via tem. Lembrei que tinha um lance bem exposto, mas não sabia que seria tanto. Continuei subindo.  Avistei o grampo lá em cima. Ainda bem!!!!! Cheguei nele e montei a parada. O guilherme subiu e chegou na parada. Enquanto conversávamos, nem percebi que o sol não tinha saído com força. Olhei para o alto e vi que algumas nuvens, seguravam a sua força. Que bom!!!!rs

Era a última enfiada, o Guilherme foi subindo. O cume era logo acima. Lá, fez segurança de corpo e eu iniciei a subida. Nessas vias do costão, nenhuma tem grampo de cume. Missão cumprida!!!!! Via muito boa, um pouco exigente. For men!!!!!!!!! Hehehehehahehahae.

Retornamos até a praia e demos um mergulho para refrescar. Lá de baixo dá para ver a bela escalada que foi, uma bonita linha. Bem vertical.

Até a próxima.

Para ver as fotos, clique aqui.





Um comentário:

  1. Essa posso colocar na lista das vias divertidas, do tipo que nos cansa, mas no final dá um certo refresco e possibilita apreciar a bela vista. No fim da escalada ainda podemos comer o bom sanduba natural de itaqua!

    ResponderExcluir

Comente aqui.